Vinte Um

Leandrinho x Jordan Crawford: as trilhas se divergem
Comentários Comente

Giancarlo Giampietro

Leandrinho x Jordan Crawford: favor não confundir

Leandrinho x Jordan Crawford: favor não confundir

Eles já foram trocados um pelo outro. Estavam na lista de alvos do Miami Heat neste ano. Agora, uma semana depois de Leandrinho ser anunciado como jogador do Golden State Warriors, o ala-armador Jordan Crawford desembarcou na cidade de Urumqi, capital da região de Xinjiang, que empresta seu nome ao Flying Tigers. Um time da rica, mas ainda varzeana (técnica e taticamente falando) liga chinesa.

Se aceitarmos o mapa mundi em sua visão mais popular, com a Europa convenientemente localizada ao centro, os dois cestinhas estariam cada um em uma extremidade. Se for para ficar com o globo giratório, 'só' um Oceano Pacífico os separa. E aí estão Leandro e Crawford, bem distantes, depois de suas trajetórias se cruzarem algumas vezes na central de transferências sempre agitada da NBA.

É uma história curiosa, que ajuda a valorizar o que o ligeirinho brasileiro conquistou nos Estados Unidos. Aos 30, o veterano – um notório boa praça, festejado em todos os vestiários por onde passou – ainda tem cotação para se manter na grande liga, ainda que com preço mais barato e peregrinando de clube em clube. De 2011 para cá, já são cinco times. E aqui só cabe uma observação: assim como aconteceu no campeonato passado, Leandro assina um contrato não-garantido com o Warriors, sobre o qual falaremos mais abaixo. O americano, cinco anos mais jovem, mas com uma trajetória um tanto problemática, se vê obrigado partir para a Ásia.

Leandrinho não teve contrato renovado pelo Suns, mas segue na NBA, dando um jeito

Leandrinho não teve contrato renovado pelo Suns, mas segue na NBA, dando um jeito

Os dois jogadores ocupam basicamente o mesmo nicho de mercado: os chamados combo guards, reconhecidos pelo tino para colocar a bola na cesta, embora nem sempre eficientemente, mas que saem do banco para botar fogo no ataque. Obviamente esse é uma definição bem generalizada. Há muito que se distinguir na abordagem de cada um.

O habilidoso americano é muito mais afeito ao drible, sacudindo o marcador, enquanto seu concorrente depende mais de investidas direta, objetivas, dependendo de sua explosão física. A maneira como jogam é diferente, mas o objetivo final acaba coincidindo.

Um ano e meio atrás, por exemplo, eles foram envolvidos no mesmo negócio, mais precisamente no dia 21 de fevereiro de 2013. Justamente quando estava se fixando na segunda unidade do Boston Celtics, esquentando o motor, Leandrinho sofreu uma grave lesão, com ruptura de ligamento no joelho e tudo, que encerrou sua temporada. Danny Ainge ainda acreditava em algum sucesso nos playoffs naquela que acabou sendo a última campanha de Pierce e Garnett pela franquia e acertou uma negociação por Crawford.

O então jovem ala-armador estava desacreditado na capital norte-americana, visto como um dos personagens principais de todo o caos e o consequente fiasco do Wizards. Ainda assim, tinha esse “fogo'' de que o Celtics tanto precisava. Alguém que poderia esquentar a mão em um grande jogo. Ainge confiava que a estrutura comandada por Doc Rivers e a fiscalização de seus veteranos o colocariam na linha. No fim, o time perdeu para o New York Knicks, numa despedida decepcionante para aquele grupo.

Ironicamente, vestido de verde e branco, Crawford praticaria seu melhor basquete, mas só na temporada seguinte, sob o comando de Brad Stevens. Jogando como o dono da bola – os astros haviam se mudado para Brooklyn e Rondo ainda estava lesionado. Restava, logo, ao treinador novato apostar no temperamental ex-reserva, que correspondeu. “Eu me senti em casa por um minuto. Foi a primeira vez que fiquei mais tempo em quadra, tendo a chance de enfrentar os altos e baixo e aprender como se ajustar a isso. Sabe, quando você está jogando mal e pode se recuperar. Foi muito positivo'', afirmou.

Crawford: breve passagem pelo Warriors, agora abrindo vaga para Leandrinho. Ciranda-cirandiha

Crawford: breve passagem pelo Warriors, agora abrindo vaga para Leandrinho. Vamos logo cirandar

Em reconstrução, o Celtics repassou Crawford 363 dias depois numa troca tipla que enviou o cestinha para o Warriors, outro clube que buscava reforços para sua segunda unidade, na esperança de reduzir a carga de Curry e Thompson. Seu impacto, contudo, não foi tão grande assim. Com o seu contrato vencido, foi liberado pelo time californiano para negociar com outros times. Seu nome foi especulado por uma série de franquias – entre elas o Miami Heat, ao lado de Leandrinho, que não renovou com o Suns.

O brasileiro, porém, seguiu outra direção e fechou com o Warriors, justamente para assumir, em teoria, o papel do americano na segunda linha, na rotação com Curry, Thompson e Shaun Livingston, cujas características ele pode complementar tão bem. O espichado armador tem boa visão de jogo, é uma ameaça no ataque de costas para a cesta devido a sua estatura, mas não tem chute (algo que seu novo companheiro oferece). Juntos, os dois também dão muita envergadura para a defesa de Steve Kerr, outro fator que pesa a favor de Barbosa, com quem tem bastante familiaridade, já que foi seu dirigente por muito tempo em Phoenix.

Precisa ver apenas se o paulistano realmente se enquadra nos planos do time a longo prazo. Segundo o jornalista Eric Pinus, do Los Angeles Times e do site Basketball Insider,  apenas US$ 150 mil dos US$ 915 mil de salário de Leandrinho seriam garantidos. A data para que o contrato seja validado em sua totalidade ainda não foi divulgada, mas geralmente não passa de 10 de janeiro. Até esse prazo, o Warriors poderia dispensá-lo, se assim preferir.

Estão no mesmo barco o armador Aaron Craft, um defensor implacável revelado por Ohio State, mas uma negação para arremessar, e os alas Justin Holiday (irmão mais velho do Jrue, do Pelicans) e James Michael McAdoo (calouro de North Carolina, que já foi uma grande promessa, com seleção de base e tudo, mas despencou). Depois de um ano na Hungria, Holiday jogou bem pelo time de verão da franquia, já sob o comando de Kerr. Seria o maior concorrente – mas talvez seja exagero até empregar esse termo.

Na verdade, o Warriors já tem no momento 13 contratos garantidos, o mínimo necessário para carregar numa temporada. Entre esses contratos está o jovem sérvio Nemanja Nedovic, armador que vem falhando em deixar sua marca nos Estados Unidos. Para piorar, ainda sofreu uma lesão durante os treinamentos com sua seleção e foi cortado da Copa do Mundo. Ainda que Nedovic não passe segurança alguma nesse momento, o  gerente geral Bob Myers não precisa efetivar o contrato de nenhum dos atletas do parágrafo acima, diga-se.

Kerr reencontra Leandrinho em Oakland: ótima notícia para o brasileiro

Kerr reencontra Leandrinho em Oakland: ótima notícia para o brasileiro

Mas é extremamente improvável que tenham acertado com um jogador da experiência de Leandrinho apenas para avaliá-lo de perto, e pronto. Presume-se que o aspecto provisório de seu vínculo tem mais a ver com os recentes problemas físicos e lesões do atleta do que por qualquer desconfiança técnica. Durante a Copa, o paulistano comprovou que ainda tem valiosos recursos para oferecer e que está em ótima forma. O ligeirinho se enquadrou no sistema um tanto pétreo desenhado por Magnano e não precisou tentar ser o herói de torneios passados. Num time com Curry e Thompson, certamente não se espera nada nessa linha.

Crawford, por outro lado, é um cara que se sente muito mais confortável para produzir com a bola em mãos. Se a sua criatividade e o seu talento no jogo de um contra um não se discutem, nem sempre se encontra uma boa vaga para acomodá-lo. Não sabemos se ele recebeu alguma oferta concreta na NBA. Aparentemente, o único cheque com um número extenso o bastante para satisfazê-lo veio dos Tigres Voadores de Xinjiang. Fala-se em US$ 2 milhões, mais que o dobro do que vai ganhar o brasileiro. Na China, também vai ter a chance de produzir aquelas estatísticas só vistas em videogame. Obviamente, não seria a primeira escolha dele. Também não dá para dizer se aceitaria um contrato nos moldes do que Leandrinho assinou. Os dois estão realmente em pontos bem diferentes de suas carreiras, e não só geograficamente falando. Que não sejam confundidos, mesmo.


Atualização: destinos de Ayón e Raduljica definidos
Comentários Comente

Giancarlo Giampietro

Só para não deixar batido, tá? Falamos esta semana sobre alguns destaques da Copa do Mundo que ainda estavam desempregados. Depois de Joe Ingles acertar com o Los Angeles Clippers, outros dois definiram seus clubes para a próxima temporada entre esta quinta e a sexta-feira: Miroslav Raduljica e Gustavo Ayón.

O gigante-imenso-mesmo-e-barbudo vice-campeão mundial pela Sérvia anunciou nesta sexta que vai, mesmo, para a China. Na ausência de alguma boa oferta da NBA ou de um clube de ponta europeu, optou pela via mais fácil e rentável: receber US$ 2 milhões para defender o Shandong Lions, antigo Flaming Bulls (daí a confusão na Internet citando os dois apelidos para um mesmo time). E vamos lembrar: Raduljica é ex-Milwaukee Bucks, mas não está deixando o Bucks. Está deixando o Los Angeles Clippers, que teve seu contrato por uns cinco minutos talvez, antes de Doc Rivers assinar a papelada para dispensá-lo. A temporada chinesa termina antes que a da liga americana, então tem isso: se algum time estiver precisando de um troglodita na reta final, vai estar disponível, embora seu encaixe nos Estados Unidos seja mais difícil. Não são mais tempos para pesos pesados deste porte.

Já o grande herói mexicano dos tempos modernos, maior até que o goleiro Guillermo Ochoa e Chicharito Hernández, vai defender uma agremiação muito mais nobre: o Real Madrid. Ayón pagou do seu bolso, mesmo, a multa rescisória de 290 mil euros para o Barcelona, que tinha seus direitos na Europa, e fechou um vínculo de três temporadas com a equipe merengue, valendo 1,8 milhão de euros (bruto). Bela contratação do Real, que agora tem para seu garrafão esse jogador que a NBA subestimou, ao lado de Ioannis Bourosis, Andrés Nocioni, Felipe Reyes, Marcus Slaughter e Salah Mejri. Rotação versátil e de impacto. Alguém muito bom não vai nem ver a luz da quadra. Realmente esperava que ele pudesse assinar com o Spurs. Seria um excelente encaixe, mas sorte de Pablo Laso e do Real.

 


Febre filipina: Robin Lopez se candidata para vaga de Blatche
Comentários Comente

Giancarlo Giampietro

Lopez tenta bloquear Blatche e uma história bonita de redescoberta

Lopez tenta bloquear Blatche e uma história bonita de redescoberta

Na madrugada californiana, enfrentando o fuso horário ingrato que separa Madri de Fresno, o pivô Robin Lopez deixou a emoção das histórias e quadrinhos e animes de lado para se entregar a outro tipo de aventura: acompanhar a seleção filipina de basquete durante a Copa do Mundo disputada na Espanha. O time mais fora da linha mais desajustado da competição, no bom sentido, valia a perda do sono.

Agora, o cabeleira do Portland Trail Blazers, irmão gêmeo do Brook tem mais um problema para encarar o travesseiro: está sonhando acordado em participar do programa dos chamados Smart Gilas. Na maior cara-de-pau, já pensa em desbancar Andray Blatche como a estrela de NBA da equipe asiática, que foi eliminada na primeira fase do Mundial, mas não antes de deixar sua marca. Argentina e Croácia que o digam.

Durante uma visita promocional em solo filipino, Lopez abriu seu coração para a mídia local. “Se essa coisa toda de Andray Blatche não funcionar, estou aqui, livre para os Gilas'', afirmou o espigão, guarda-costas de LaMarcus Aldridge, depois de um training camp em conjunto com a NBA Filipinas. Sim, não estranhem: a devoção dos filipinos pelo basquete é tão grande que pede a instalação de um escritório da liga norte-americana também por lá. É uma nação de Manny Pacquiao e de bola ao cesto.

E pensar que Balkman já foi contratado para jogar na liga filipina e aprontou um barraco por lá. Blatche? Conduta exemplar

E pensar que Balkman já foi contratado para jogar na liga filipina e aprontou um barraco por lá. Blatche? Conduta exemplar

Antes de causar qualquer incidente diplomático, o bem-humorado e excelente defensor Lopez se aprontou em dizer que seus mais íntimos desejos não significam uma apunhalada nas costas de Blatche, que jogou com seu irmão em Brooklyn nos últimos dois anos. “Não desejo mal nenhum para Dray, porque obviamente ele deu seu coração para aquele time, além de se encaixar bem na equipe'', reparou.

Mas não tem jeito, galera: uma vez em contato com a febre filipina, isso toma conta de você. Mesmo que diga agir em boa fé em relação a Blatche, o pivô do Blazers simplesmente não conseguiu se controlar durante a entrevista. “Mas eu adoraria jogar (pelo país). Agora sei da paixão que essas pessoas têm pelo basquete. Adoro a cultura daqui'', disse.

E não é só isso: de maneira sorrateira, num ardil de supervilão,  Lopez também fez questão de indicar aos Gilas que seria ainda mais filipino que Blatche. Vamos lembrar: o pivô que encantou a todos na Copa do Mundo dizia, com a boca semicerrada, que seu pai teria uma autêntica ascendência. Ninguém acreditou. Agora, surge esse atleta do Blazers revelando  vínculos mais modestos, mas que podem realmente fazer a cabeça das pessoas. Ok, ok, ele não tem sangue de lá. Mas avisou que um de seus melhores amigos, Ryan Reypon, de quem foi companheiro de time no high school…  já até jogou na D-League filipina! Vixe. Imaginem a reação de Blatche quando seus espiões asiáticos lhe passarem essa nota. Uma bomba atômica em seus planos de adoração pública em Manila.

É ou não é de se ficar aturdido?

Antes de mais nada, e até para ajudar a digerir esse parágrafo todo, vale o reforço: sim, as Filipinas também têm sua D-League oficial, com 12 times inscritos. Posto isso, gostaria de saber o que o técnico Chot Reyes pensa a respeito disso. A resposta veio na lata: “chegou tarde'', ele afirmou. E de que forma aqueles tampinhas corajosos e chutadores malucos da seleção filipina que quase fez história na Espanha vão receber esses despachos no retorno triunfal para casa? Pois a verdade é que Blatche virou parte da família nacional filipina, superando qualquer desconfiança que seu turbulento passado nas quadras pudesse despertar, um passado que força vaias dos tristes e rancorosos torcedores de Washington a cada vez que ele enfrenta o Wizards.

 “O tipo de relacionamento que ele construiu com os caras da equipe, em um mês e meio, e o empenho deles nos jogos e treinos realmente disseram muito sobre o Andray. Ele estava comprometido desde o Dia 1″, afirmou o capitão da equipe, Jim Alapag, o maior terror de Julio Lamas, ao HoopsHype. “Nós todos sabíamos (de seus problemas), mas isso foi há um tempão, e não queríamos julgá-lo pelo que aconteceu, mas apenas por seu desempenho e sua atitude hoje, seu comprometimento. Fiquei muito feliz com o modo como se comportou, chegando o time assim tão de repente, realmente lutando por todos nós'', completou.

Blatche e Alapag, unidos para sempre

Blatche e Alapag, unidos para sempre

Coisa linda. Vocês percebem que foi uma história de amizade e descobertas, em que o pivô contratado naturalizado entendeu todos os erros que já cometeu, os deixou para trás e participou do sonho de um verão filipino. Se ele ganhou mais de US$ 1 milhão para defender a seleção na Copa, mais que Leandrinho pode ganhar em uma temporada inteira pelo Warriors, está bem claro, pelas palavras de Alapag, que isso não importa. A camaradagem vem em primeiro lugar.

Blatche foi proibido pela sucursal olímpica da Ásia de disputar os Jogos continentais deste ano, já que nunca morou nas Filipinas nem por 24 horas – ao passo que o comitê exige que um atleta naturalizado tenha passado um mínimo de três anos em seu país adotivo. A Fiba, entidade sem fins lucrativos, muito mais apegada ao aspecto humano do esporte, disse que era bobagem isso, que deixassem o pivô seguir sua jornada. Mas não teve jeito.

De modo que Blatche teve de embarcar solitário de volta a Miami, onde tem residência, com uma bagagem cheia de lembranças e de adrenalina a mil. Ainda está sem contrato na NBA, mesmo que tenha realizado em Brooklyn as duas melhores temporadas de sua carreira – saindo do banco para produzir de maneira extremamente eficiente. Ainda assim, o gerente geral do Nets não quer nem saber de ouvir falar dele. Existe a pequena possibilidade de ele jogar pelo Heat, mesmo, de quem recebeu uma sondagem, mas pode ser que fique mais um tempo inativo, desempregado, entregue aos caprichos da noite, digamos. Seus problemas de insônia têm outra natureza.

E agora vem essa: Robin Lopez, com seu salário de US$ 6 milhões garantido para a próxima temporada, como peça integral de um time competitivo como o Blazers, feito um Lex Luthor, disposto a usurpá-lo da condição de o mais filipinos de todos os pivôs em atividade. Entende-se o apelo, mas o posto já está ocupado. Boa noite, e durma bem.

Blatche e toda uma nação por trás

Blatche e toda uma nação por trás


Ingles no Clippers? Zoran no Suns? Copa influencia o mercado
Comentários 1

Giancarlo Giampietro

A Copa do Mundo de basquete acabou no domingo, mas parece que foi há meses, né?

Ok… Não chega a tanto. Foram só dois dias, mesmo.

Ainda assim, galera, já vale atualizar o que se passa na vida de alguns dos personagens do torneio envolvidos com o mercado da bola (ao cesto).

Na NBA as coisas estavam aparentemente todas acertadas. Como se precisássemos apenas de uma resolução para o impasse entre Phoenix Suns e Eric Bledsoe – o melhor jogador americano sem contrato no momento –, além de uma definição de Ray Allen: o veterano ala vai, ou não, recorrer ao INSS como aposentado? Acontece que a Copa, este torneio que parte da liga americana tenta rotular na marca como algo desinteressante, gerou mais algum movimento nas franquias que ainda têm vagas em seus elencos. Da mesma forma que acontece na Europa e na China. A prioridade da maioria dos agentes livres, claro, é jogar em solo ianque. Mas esses acordos não são tão simples assim.

Vejamos:

Joe Ingles (Austrália)

Joe Ingles encara a Turquia. Agora, hora de bater uma bola com CP3 em Los Angeles

Joe Ingles encara a Turquia. Agora, hora de bater uma bola com CP3 em Los Angeles

Essa foi a nota quentinha da terça-feira, cortesia de Marc Stein, um bastião do ESPN.com. O ala canhoto acertou com o Los Angeles Clippers, que abriu uma vaguinha em seu perímetro ao se livrar do contrato de Jared Dudley, despachado para ser um mentor de Jabari Parker e Giannis Antetokounmpo em Milwaukee. Ainda não está claro se o seu contrato é garantido, ou não. Antes do tweet de Stein, o Courier Mail, de Brisbane, havia entrevistado este boomer, que não quis revelar os clubes interessados, mas disse que as chances de jogar nos Estados Unidos eram de 99%. Mas com um detalhe: provavelmente com um contrato sem garantias. Daqueles em que se estipula um prazo para a franquia decidir se ficará, mesmo, com o atleta por toda a temporada. Curioso que Ingles, campeão da Euroliga pelo Maccabi, vindo de médias de 11,4 pontos, 3,4 assistências e 3,2 rebotes no Mundial, encare um desafio desses. Em vias de completar 27 anos, deve estar considerando aquela coisa de agora-ou-nunca. “Vou tentar entrar no time, mas isso por si só vale como motivação para mim. Estou empolgado. A situação para a qual vou é a de um time que tem me acompanhado'', afirmou. Em L.A., Doc Rivers tem, no momento, as seguintes opções para o perímetro, lembremos: JJ Redick, Jamal Crawford, Matt Barnes, Reggie Bullock e o calouro CJ Wilcox (excepcional arremessador vindo da universidade de Washington).

Zoran Dragic chuta contra Klay Thompson: arremesso não é o forte, mas a NBA está caidinha por ele

Zoran Dragic chuta contra Klay Thompson: arremesso não é o forte, mas a NBA está caidinha por ele

Zoran Dragic (Eslovênia)
O irmão do Goran virou febre entre os scouts da liga americana. Incrível. Vi alguns jogos do ala-armador esloveno na última Euroliga, e ele tem seus lampejos aqui e ali, mas está longe de ser um atleta consistente, embora já não seja tão novinho assim (25 anos). É um jogador atlético, raçudo, que ataca a cesta com fome, mas que converteu apenas 25% de seus arremessos de três na temporada passada pelo tornei continental e 28,8% pela Liga ACB. Sim, acreditem: não é todo europeu que chuta bem de longa distância, mesmo com um sobrenome desses. Em um bate-papo recente, o analista Kevin Pelton, do ESPN.com, um desses magos das estatísticas, fez a seguinte observação: “Se fosse irmão de um encanador, não sei se teria alguma chance de jogar na NBA''. Ouch. Ele fala isso com base na tradução de seus números da Europa para os Estados Unidos. Vai saber.

Fato é que o esloveno tem uma penca de times no seu calcanhar. Segundo o mesmo Marc Stein, o Phoenix Suns é quem estaria mais adiantado em negociações para tirar o atleta do Unicaja Málaga, superando Pacers e Kings. O gerente geral Ryan McDonough, que foi para Madri acompanhar os mata-matas da Copa, está fazendo de tudo para agradar ao irmão mais velho de Zoran, que vai deve se tornar um agente livre em 2015. Arizona Central confirma o interesse do time e afirma que sua multa rescisória com o clube espanhol é de US$ 1,1 milhão. Já o RealGM lista Spurs, Magic, Heat e Mavericks como times envolvidos na perseguição e dá outro detalhe: o jogador tem até o dia 5 de outubro para se liberar de seu contrato. Caso contrário, é obrigado a jogar a temporada pelo Málaga. Quem dá mais?! “Obviamente que estou interessado em jogar na NBA, mas não tem nada definido no momento'', afirma o Dragicinho. “Tudo é possível, mas por enquanto ainda sou um membro do Unicaja Málaga.''

Gustavo Ayón (México)
Já teve gente declarando amor ao pivô mexicano durante a Copa. Outra vez. Não sei quem. Agora, se você acha que o rolo de Dragic é meio complicado, a trama em torno de Ayón é digna de um quebra-cabeça para a turma de Charlie Kaufman resolver. Assim: o herói de Zapotán jogou uma temporada só pelo Atlanta Hawks e voltou para o mercado. Estava esperando mais uma oferta da NBA, que não chegou – o Spurs é que poderia se apresentar, segundo… Marc Stein! De concreto, todavia, o mexicano disse, durante o Mundial, que só havia chegado uma proposta chinesa, do Shandong. Mas aí o Real Madrid também entrou na parada, e eles estavam bem perto de acertar um vínculo de três anos. Além do mais, ele só jogaria na Euroliga, com cláusulas camaradas para migrar para os Estados Unidos, se fosse o caso. O problema é que, na Espanha, os direitos do mexicano são do Barcelona. Para ele fechar com o Real, teria de pagar 290 mil euros ao Barça. Então, no momento, o jogador estaria inclinado a ir para a China, mesmo.

Ayón, orgulho mexicano, desempregado na elite do basquete

Ayón, orgulho mexicano, desempregado na elite do basquete

Miroslav Raduljica (Sérvia)
O quê!? O Raduljica!? Mas ele não era do Bucks?! Não, gente, não mais. Anunciado insistentemente durante toda a Copa do Mundo desta maneira, o pivô titular e um dos destaques dos sérvios no torneio, o grandalhão havia sido trocado pelo Milwaukee para o Clippers (no mesmo negócio que envolveu Dudley). Doc Rivers não tinha intenção em contar com suas trombadas e o dispensou de imediato. Então ele está no olho da rua, mesmo. Mas não vai durar pouco. Na real, o troglodita vice-campeão mundial parece estar envolvido em um sexteto amoroso com Ayón, Spurs, Real e Shandong. Sim, as coisas ficam ainda mais complicadas de desenrolar aqui, hehe. Os mesmos clubes relacionados ao mexicano aparecem também na onda de rumores em torno do pivô. Com a prata no peito, em alta no mercado como nunca antes em sua história, Raduljica ao menos diz com orgulho: “Perdemos a final, mas minha barba ainda é melhor que a do James Harden''.

Hamed Haddadi (Irã)
Por falar em Real Madrid e China… pode botar o iraniano nesta história. Aparentemente, a diretoria do clube espanhol não perdeu tempo ao ver uma série de estrelas internacionais em seu país durante a Copa. O gigante foi mais um jogador cogitado para reforçar seu garrafão, embora sua prioridade também fosse retornar para os Estados Unidos. Uma pena que Memphis não o reconheça pelos serviços prestados… A essa altura da vida, já não dá mais para acreditar num mundo justo. De modo que Haddadi está em vias de assinar com a liga chinesa, mesmo, para defender o Qingdao Double Star.

Eugene Jeter (o ursinho Puff da Ucrânia)
O armador americano, que defendeu a seleção ucraniana com 15,4 pontos e 5 assistências por partida na Copa, sempre reclamou de que nunca havia recebido uma chance real para jogar na NBA. Foi reserva do Sacramento Kings por um ano, mas foi na Europa que desenvolveu sua carreira profissional. Agora, recebeu um convite do Los Angeles Lakers para passar por um período de duas semanas de treinamento. Um sonho de criança. “Nasci em Los Angeles e cresci como um torcedor do Lakers, então é uma honra receber esse convite'', afirmou. Tudo pronto para um final feliz? Nem tanto: mesmo que o gerente geral Mitch Kupchak quisesse adicioná-lo a uma rotação que hoje tem Jeremy Lin, Steve Lin e Jordan Clarkson, Pooh Jeter não poderia – já tem contrato na China e vai honrá-lo, disse ao Beijing Times.


Cresce nos EUA movimento para limitar NBA em torneios Fiba
Comentários 10

Giancarlo Giampietro

Raduljica está sem contrato. Então, tudo bem para todos menos o Boogie?

Raduljica está sem contrato. Então, tudo bem para todos menos o Boogie?

Em um texto nada celebratório sobre a conquista do bicampeonato mundial pelos Estados Unidos neste domingo, o jornalista Adrian Wojnarowski, do Yahoo! Sports, praticamente decretou o fim da farra que a USA Basketball vem fazendo nos últimos anos. Farra no bom sentido: ganhando ouro após ouro para restaurar a hegemonia na modalidade. Para ele, o mundo Fiba está prestes a passar por um processo drástico de reformulação, cujo ponto principal será o êxodo dos grandes talentos da NBA. Conforme escrito aqui ontem: a maior ameaça à soberania dos Estados Unidos em cenário global hoje é interna.

Para quem não está familiarizado com o escbriba, Wojnarowski é o repórter mais quente entre as centenas (milhares?) que acompanham o dia-a-dia da NBA nos Estados Unidos. No dia do Draft, por exemplo, está habituado a cantar pedra por pedra, escolha por escolha a noite toda, minutos antes de as seleções acontecerem. Em tempos de agente livre, virou praticamente canal obrigatório de veiculação de acordos – e ameaças – de agentes e/ou dirigentes. É um cara evidentemente bem conectado que, por conta do acúmulo de furos, ganhou uma credibilidade imensa. É como se tudo o que ele escreve seja fato, ou esteja em vias de se concretizar como tal.

Então, meus amigos, anotem aí algumas de suas frases do artigo:

- A distância (entre o Team USA) e o resto do mundo aumentou novamente, e o romance de Times dos Sonhos está lentamente, mas seguramente morrendo. Competições Sub-22 são o caminho, com os melhores jogadores jovens da NBA e uma ou outra superestrela universitária sendo introduzidos para o mercado global.

- O começo do fim para a USA Basketball aconteceu naquela noite de agosto, quando Paulo George tombou na quadra, e um osso explodiu de sua carne. Foi um momento cruel e de autoanálise, e os jogadores dos EUA ainda estavam falando sobre isso no domingo em Madri. Aquela imagem foi chocante, e vai ficar na cabeça das pessoas por um looongo tempo. Será um dos catalisadores para tirar as estrelas da NBA do basquete Fiba.

- George será o ímpeto para acabar com a participação das estrelas da NBA, mas longe de ser a única razão. Depois das Olimpíadas de 2016 no Rio, a Copa do Mundo de Basquete e os Jogos Olímpicos estão destinados a se tornar um torneio sub-22, de desenvolvimento.

- “Temos de tirar nossos veteranos de lá e colocar nossos jogadores mais jovens. Já existe apoio para esta mudança, e está ficando mais forte'', afirmou um gerente geral da liga ao repórter.

Coach K e os sub-22 Drummond e Davis

Coach K e os sub-22 Drummond e Davis

Bem, antes de mais nada, essas declarações não chegam a ser bombásticas para quem vem acompanhando gente como Mark Cuban, dono do Dallas Mavericks, chiando barbaridade a cada convocação das seleções internacionais nos últimos anos. A fratura exposta sofrida por George no jogo-treino interno da seleção ianque, televisionada para o mundo todo, apenas intensificou esse sentimento, por tudo o que a mídia americana tem publicado. Cada vez mais se discute e se especula sobre um limite de idade, da mesma forma que acontece com o futebol olímpico.

Em sua argumentação/exposição sobre a submergente relação entre os interesses da NBA com os da Fiba, Wojnarowski parte para um ataque frontal contra o celebrado Coach K, dizendo que seu envolvimento com a federação e a equipe nacional se deve muito mais pelos benefícios que tira disso para seu trabalho do dia-a-dia, em Duke, do que por qualquer noção patriótica. Estar envolvido com a nata do basquete norte-americano só vai lhe ajudar na hora de recrutar os melhores adolescentes do país. Mas é um tanto óbvio, não? Além do mais, fica a pergunta: um técnico que já está presente na TV o tempo todo, independentemente de uma medalha de ouro num Mundial, precisa disso? Dá vantagens, mas o quanto isso difere do que John Calipari vem fazendo em Kentucky, estocando talentos top 10, 20 do colegial, formando supertimes com talentos que vão dominar o Draft do ano seguinte? Exposição por exposição, influência por influência… O jogo de poder e marketing da NCAA é pesado e um tanto sujo há tempos.

Agora, se o treinador de Duke e da seleção americana tem seus próprios objetivos no trabalho com a seleção, quais são as intenções, então, das fontes anônimas por trás desse específico texto? Estão claras, né? Há muita gente querendo desvincular a NBA do mundo Fiba. Resta saber se Wojnarowski escreve em nome de uma maioria, ou se o artigo serve justamente como instrumento de… recrutamento para a “causa''.

Raulzinho na liga de verão de Orlando no ano passado: muito mais emoção, né?

Raulzinho na liga de verão de Orlando no ano passado: muito mais emoção, né?

A lógica por trás do argumento de limitar a idade dos atletas nos torneios é um tanto arrogante – parte do pressuposto que só a NBA importa no tabuleiro do basquete. “Tirando a seleção americana, há mais talento e interesse dos torcedores de basquete em jogos das ligas de verão do que neste evento'', disse um gerente geral, sem se identificar.

Ligas de verão são os torneios que acontecem logo após o Draft da NBA, em julho, para que os recém-escolhidos comecem seu processo de adaptação, enquanto dúzias e dúzias de atletas, jovens ou não, que estão fora da liga, tentam uma vez mais impressionar cartolas e treinadores em busca de um tão sonhado contrato.  A maioria deles, porém, terá de se contentar com a D-League ou com uma viagem para a Europa. Não são competições oficiais: os clubes nem jogam com seus uniformes principais, deixando bem claro que uma coisa é uma coisa, e a outra, bem diferente.

A parte sobre o talento? Pode até ser. O único paralelo possível para os basqueteiros americanos, em termos de quantidade, são os boleiros brasileiros. E isso nem precisa ser discutido, até porque, num Mundial de basquete, há muito mais paixão envolvida do que nas peladas de Las Vegas ou Orlando. Sabe essa coisa de se importar com algo? Acreditem: ainda existe no esporte.

Dentro dos Estados Unidos, o público em geral só parece valorizar o torneio olímpico. Por outro lado, a reação dos jogadores é bem diferente. Kevin Durant estava eufórico ao conquistar o título em 2010, assim como James Harden neste ano. Só não vale falar em empolgação do Kenneth Faried, contra o qual chinês algum gostaria de jogar nem mesmo uma partida de tênis de mesa. Periga ele devorar a tábua toda. (Outra discussão seria o que a dominância desses caras significa para o mundo Fiba. Tira a graça? Força naturalmente o crescimento dos rivais? Mas essa fica para outra ocasião.)

Mesmo que toda a empolgação dos rapazes de Colangelo fossem fake, daí a falar sobre a falta de apelo global é ir muito além da linha do razoável. Pau Gasol e a Espanha não me pareceram indiferentes depois da eliminação contra a França. Boris Diaw pode ter cara e jeito de indiferente, mas estava bem animado com seus companheiros na hora de receber a medalha de bronze no sábado. Os sérvios vararam madrugada adentro após a vitória sobre os franceses na semifinal.  Claro que a NBA é a maior força financeira e técnica da modalidade, e de longe. Mas há vida aqui fora. Além do mais, se as competições fossem tão irrelevantes assim, por que Cuban clamaria publicamente para que seus comparsas dessem um golpe em Fiba/COI e assumissem eles a organização – e o faturamento – do torneio? Aí não teria problema, imaginem.

Manimal e Curry parecem estar se divertindo um bocado

Manimal e Curry parecem estar se divertindo um bocado

O que pega, mesmo, não é discussão sobre popularidade, e, sim, os interesses estratégicos de cada franquia e da liga como um todo. Para elas, dãr, o que conta é a temporada que vai de outubro a junho – para muitos.  Além de dinheiro o, que os dirigentes uerem é que seus jogadores (leia-ses “investimentos'') sejam preservados, que não se avariem – ou melhor, eles até podem se lesionar numa tabela massacrante de 82 jogos, mas aí não tem problema, já que estão a serviço de quem assina cheque.

O Spurs simplesmente fez uso de uma cláusula acordada com a Fiba para vetar a participação de Manu Ginóbili na Copa: se o atleta não estiver 100%, se houver o risco de ele agravar uma condição médica nas competições internacionais, as franquias podem proibi-los de jogar. Se o narigudo e genial argentino não foi liberado, Gregg Popovich ao mesmo tempo deve ter ficado satisfeito com o Mundial de Diaw, que sempre pode usar uma competição ou outra para controlar o peso (foram 25,4 minutos para ele em média em nove partidas). O Phoenix Suns não iria contrariar Goran Dragic a uma temporada de o astro esloveno virar um agente livre: se Dragic quer jogar o Mundial, que vá. Num time em que era a principal referência, ele ficou em quadra por apenas 26,1 minutos, de 40 possíveis. O que poucos divulgaram: houve acordo entre a franquia do Arizona e a federação, para estabelecer esse limite.

No Brasil, Leandrinho foi quem mais jogou: 24 minutos, seguido por Anderson Varejão, com 23,6. Os irmãos Gasol não passaram de 27. E por aí vamos. Os jogos são intensos, sim. Há toda uma fase de preparação, de treinos duros e amistosos. Mas quem aí acredita que todos esses atletas ficariam o mês de agosto e setembro de pernas para o ar? Caso o fizessem, o departamento médico e físico de cada time da NBA teria sérios problemas na última semana do mês, quando os elencos se reúnem para a realização (já!!!) dos campos de treinamento. Aí, meus amigos, Diaw não seria mais a exceção.

A reação em quadra depois da lesão do Paul George. E o que vem depois?

A reação em quadra depois da lesão do Paul George. E o que vem depois?

Quando vão para quadra, os atletas estão sujeitos, mesmo, a contusões e lesões. Algo como o que aconteceu com Paul George, porém, é um baita acidente. Uma tristeza, mas um acidente. Assim como o que ocorreu com Monta Ellis em 2008, quando o armador se arrebentou todo… andando de mobilete. Nas férias, depois de ter assinado um contrato milionário. Ainda assim,

“Não há dúvida sobre o impacto (da lesão) em nosso time'', afirmou em comunicado  o legendário Larry Bird, presidente do Pacers. “Mas mantemos nosso apoio à USA Basketball e acreditamos nas metas da NBA de dar uma exposição ao nosso jogo e nossos jogadores no mundo todo. Essa foi uma lesão extremamente infeliz que ocorreu num palco de grande visibilidade, mas que poderia ter acontecido em qualquer momento, em qualquer lugar.''

Na mesma noite de agosto, o comissário Adam Silver foi bem mais sucinto em seu pronunciamento. “Foi difícil assistir à lesão que Paul George sofreu nesta noite, enquanto representava seu país. Os pensamentos e as orações de todos nós da NBA estão com Paul e sua família'', disse. Resta saber e acompanhar se os pensamentos de Silver e de outros proprietários das franquias de lá também acompanham o das fontes de Wojnarowski nesse tópico e se eles vão realmente seguir em frente com essa ofensiva.


Vitória por lavada dos EUA começa antes de a bola subir
Comentários 7

Giancarlo Giampietro

Team USA hegemony, EUA, hegemonia, Copa do Mundo

A gente pode falar sobre a final especificamente, mas nem tem muito o que ser dito. Kyrie Irving queimou a redinha no primeiro período, depois que James Harden e DeMarcus Cousins apagaram o incêndio inicial, quando a Sérvia vencia por 10 a 5 após 3min30s de jogo. O Sr. Barba fez algumas cestas na marra, para levantar a cabeça de seus companheiros, enquanto Boogie acertou surpreendentemente a defesa, acabando com a farra que Teodosic e os pivôs estavam fazendo no garrafão.

A partir daí? É como se os balcânicos tivessem cutucado a fera muito cedo. Foi mais um atropelo de uma seleção norte-americana toda desfalcada, mas bastante superior tecnicamente aos seus adversários. Em termos de plantel, mesmo que tenham perdido para a França nas quartas, apenas a Espanha poderia fazer frente. Num dia muito inspirado, claro.

Pois bem: o Team USA venceu por 129 a 92 e conquistou seu quarto ouro consecutivo nas maiores competições da Fiba. São agora bicampeões olímpicos e mundiais. Usando a força máxima nos Jogos e o time B, de jovens, na Copa – foram campeões com apenas 24 anos de média de idade.

No final das contas, então, acho que vale mais falarmos sobre o modo como eles restauraram essa hegemonia no esporte que inventaram, com um canadense importado. Afinal, não custa lembrar: 10 anos atrás, a equipe americana teve de se contentar com um bronze em Atenas 2004. Duas temporadas antes, haviam passado uma das maiores humilhações de sua história ao terminar o Mundial, em casa, em quinto. A mesma Indianápolis que ajudou a consagrar Oscar e Marcel.

A diferença: no Pan de 1987, a seleção brasileira derrubou um time forte de universitários. Em 2002, a derrocada foi com marmanjos de NBA, mesmo. Não era o que eles tinham de melhor, mas espie a lista: Paul Pierce, Jermaine O’Neal, Reggie Miller, Ben Wallace, Shawn Marion, Baron Davis, Andre Miller… Enfim, deu para ter uma ideia, né? Todos caras que faturaram mais de US$ 80 milhões em suas carreiras.

Naquele cenário, desde que rodeados por uma organização mínima, provavelmente era o suficiente para triunfar, mesmo contra uma Iugoslávia de Bodiroga, Divac, Stojakovic, Tomasevic e cavalaria, que os eliminou nas quartas de final. Ou contra uma Argentina que tinha Ginóbili, Nocioni, Oberto em forma etc.

O que o time de hoje tem que aquele não apresentava? Seriedade, sinceramente. Comprometimento. Mas não o uso apenas coloquial, retórico dessas palavras, como muita gente gosta de fazer. E, sim, botá-las em prática, num trabalho comandado por Jerry Colangelo, ex-proprietário do Phoenix Suns. O dirigente havia ajudado a transformar o Suns num time de elite na Conferência Oeste da liga por boa parte do tempo em que esteve envolvido, como treinador, gerente geral ou CEO, até vender o clube para Robert Sarver e associados. O time ficou fora dos playoffs apenas em seis temporadas, entre 1975 e 2004.

Como líder da USA Basketball a partir de 2005, Colangelo conseguiu arrumar a casa num estalo. O primeiro trunfo foi recrutar Mike Krzyzewski como seu técnico principal, função que havia desempenhado no final dos anos 80 e início dos anos 90. Funciona não apenas pelo fato de o Coach K entender bastante do riscado e respeitar os concorrentes internacionais. Mas também pela aura que ele criou dentro do basquete americano, pela universidade de Duke. É uma figura que gerou credibilidade instantânea para o projeto e que tem ascendência sobre os atletas profissionais – lembrem-se que Kobe Bryant implorou por sua contratação em 2004 quando Phil Jackson deixou o Lakers pela primeira vez.

No primeiro trabalho, o Team USA também se viu obrigado a aceitar um bronze, ao perder para a Grécia na semifinal do Mundial 2006. Desde, então, estão invictos. São 63 vitórias consecutivas, 45 em jogos oficiais. 6 x 10 + 3.

Esse tipo de coisa acontece com quem tem os melhores jogadores do mundo, mas independe da presença de LeBron James ou Kevin Durant em quadra, como a turma desta Copa do Mundo mostrou. Dos 22 atletas americanos que disputaram o último All-Star Game da NBA, apenas cinco ganharam o ouro na Espanha (Irving, Curry, Harden, Davis e DeRozan).

Não é que o Coach K seja milagreiro. Há uma estrutura profissional por trás do treinador que é estrela de comercial de cartão de crédito nos Estados Unidos – algo como o Bernardinho deles – e que dá suporte a esses craques. Uma estrutura atenta a mínimos detalhes.

Saibam que, quando Brasil e Argentina estavam se enfrentando em seu primeiro amistoso no Rio de Janeiro neste ano, os scouts da federação americana saíram feito loucos atrás de uma fita que fosse desse jogo. O primeiro amistoso de muitos que argentinos e brasileiros fariam no ano. Os mesmos rivais que eles poderiam observar quando bem entendessem durante a Copa. Saca?

Mesmo com todo o talento ao seu dispor, Krzyzewski vai se reunir periodicamente com seus assistentes, contratados de forma independente por Colangelo, para afinar a comunicação entre eles e também o discurso para o elenco. Não é o caso de apenas chegar ao ginásio, colocar uma bola no centro da quadra e deixá-los executarem.

O ritmo forte que imprimem em quadra é desenhado, para aproveitar a capacidade atlética de que desfrutam. As ações ofensivas também ficam mais simples – mas não menos eficientes. A defesa se ajustou ao seu elenco. Em vez de fazer um abafa o tempo todo, adotou princípios de Tom Thibodeau que viraram a regra geral na NBA. E por aí vai. Essas minúcias não se resumem ao time adulto. De 2005 para cá, os Estados Unidos venceram também todos os três Mundiais Sub-17 organizados pela Fiba (2010, 12 e 14). Nos Mundiais Sub-19, ganharam dois de quatro.

A essa altura, a única grande ameaça ao domínio norte-americano é interna. A gravíssima lesão sofrida de Paul George atiçou ainda mais aqueles que são contrários ao envolvimento de atletas NBA nos torneios de seleção – se for para a Fiba administrar, isto é. Vozes como a de Mark Cuban, dono do Dallas Mavericks, que advoga que a liga americana assuma a organização da competição.

Esse é o tipo de história que vale monitorar nas próximas semanas, depois dessa conquista impressionante de uma seleção “B”, que terminou o torneio com saldo acima de 30 pontos em média. O tipo de jogo que nem deu para discutir direito, como essa final.


EUA x Sérvia: 10 fatores para ficar de olho na final
Comentários Comente

Giancarlo Giampietro

usa-serbia-final-wc-fiba

Os Estados Unidos lutam pelo bicampeonato mundial e pelo quarto ouro seguido nos torneios internacionais da Fiba. A Sérvia quer seu primeiro grande título como um país balcânico solitário – sem ser Iugoslávia ou Sérvia & Montenegro, nem nada disso. Seguem dez perguntas que servem como um guiazinho para a decisão da Copa do Mundo de basquete. Foi bom enquanto durou:

Os Estados Unidos são os favoritos?
São, sim. Depois de arrasar Grécia e Brasil e de passar pela França, a Sérvia tem chance, mas os americanos precisam ser considerados muito favoritos. Em seus oito jogos pelo Mundial, o time venceu com média de 32,5 pontos por partida. Mesmo que sua tabela tenha sido bem mais fácil que a dos sérvios, esse saldo de cestas é de um time que vem trucidando a oposição. É algo que impressiona ainda mais considerando todos os desfalques na lista de Mike Krzyzewski. (Para quem não sabe ou já perdeu a conta: LeBron, Carmelo, Durant, Westbrook, Paul, Love, Griffin, Aldridge e George.)

O que a Sérvia precisa fazer para tentar equilibrar as ações?
Primeiro de tudo, dominar os rebotes defensivos. Anthony Davis e Kenneth Faried atacam a tábua com muita voracidade e elasticidade. São 14,9 rebotes ofensivos em média para o Team USA durante o torneio – a terceira melhor marca, atrás apenas de Angola e Nova Zelândia –, mantendo a bola viva em quadra e criando segundas chances para seus companheiros. Quer dizer: se é que eles já não vão cravá-la direto na cesta, ou ajeitá-la com um tapinha. Do seu lado, os sérvios não lutam muito pelas rebarbas. Contra, os Estados Unidos, ainda mais em arremessos longos, é recomendável que realmente abram mão desse tipo de bola e voltem o quanto antes para a defesa, como medida preventiva, uma vez que o contra-ataque é a melhor arma de seu adversário.

Se for marcar por zona, não pode descuidar do Klay "Splash Brother" Thompson

Se for marcar por zona, não pode descuidar do Klay “Splash Brother'' Thompson

Espere também muitas “faltas táticas'' por parte dos europeus, um dispositivo que eles usaram sem o menor pudor contra o Brasil, nas quartas de final. São as faltas em que os atletas evidentemente usam para brecar os rivais, parando o lance. O risco é pendurar seus titulares: os Estados Unidos correm muito mais que os brasileiros, em dois sentidos: são mais explosivos e também buscam mais o jogo em transição. Uma vez estabelecida a defesa, é de esperar marcação por zona ou pelo menos uma zona mista, que não pode dar liberdade para Curry e Thompson. Aqui está a dureza: Harden e Irving também incomodam no perímetro. São muitos chutadores para o time americano.

Os sérvios também devem a segurar bastante a bola no ataque, procurarem arremessos nos dez segundos finais. Milos Tedosic vai chamar o jogo de pick-and-roll sem parar e criar e finalizar a partir daí. Ajuda o fato de ter ao seu lado diversos bons arremessadores, com exceção do outro armador do time, Stefan Markovic, que tem um dos chutes mais feios que você vai ver. Markovic, porém, é muito estável com a bola. Alto, forte e habilidoso, comete poucos erros. Quando ele está driblando, Teodosic e Bogdan Bogdanovic vão se mexer bastante no perímetro para tentar receber o passe em condições de finalização. A ideia geral do time será de abrir espaços na defesa americana, tentando confundi-los, e deixar a partida lenta-quase-parando. A Turquia conseguiu complicar a vida dos Estados Unidos por três períodos fazendo esse tipo de jogo enroscado. Depois, foi atropelada no quarto final. Os turcos têm um garrafão mais físico e atlético que o da Sérvia – Asik tem uma presença marcante nos rebotes e na proteção de cesta –, mas no geral o talento dos sérvios é muito superior.

O que os EUA farão para controlar Milos Teodosic?
No segundo tempo da semifinal, Nicolas Batum mostrou para o Coach K como (tentar) marcar o armador sérvio. Pressionando  muito o drible do sérvio com sua envergadura e agilidade, combatendo os bloqueios, sem deixar que ele escapasse também nas ações fora da bola. O sérvio marcou apenas seis pontos na volta do intervalo, depois de 18 na primeira etapa.  Para os americanos, porém, faz falta um Andre Iguodala, de perfil atlético bem semelhante ao do ala francês, para repetir um abafa desses, né? Klay Thompson é o marcador que vem sendo destacado pelo treinador nesse tipo de missão, de pressionar o atacante.

Deixar Stephen Curry e Kyrie Irving com ele seria bastante perigoso. O armador sérvio sabe usar muito bem os formidáveis e brutais corta-luzes de Raduljica e Krstic para se desmarcar. A partir daí, é mortal: arremessa com tranquilidade em movimento, até mesmo da linha de três pontos. Também tem visão de jogo muito acima da média, podendo abastecer o grandalhão da vez no corte para a cesta. Tudo devagar, sem explosão física alguma, controlando a bola com muita cabeça. Brasileiros e gregos concordam, tristemente.

E o Teodosic conseguiria jogar na NBA?
Este embate também serve para matar um pouco da vontade de ver o genial sérvio na liga norte-americana. Provavelmente nunca vai acontecer: na Europa, ele é tratado como um reizinho, tendo defendido Olympiakos e CSKA Moscou nas últimas temporadas. Ganha muito bem e pode dar aquele migué na defesa, com a certeza de que, no ataque, seus rompantes decisivos lhe garantem com a torcida – e dirigentes e técnicos, embora estes últimos possam sofrer bastante com sua combatividade zero. Seu contrato é de US$ 7 milhões por três anos – 7 milhões limpos de impostos, tenha em mente. Mais carro, apartamento e todo mimo que a diretoria do CSKA julgar necessário na capital russa.

Qual americano talvez assuma a torcida pela Sérvia?
Ryan McDonough, gerente geral do Phoenix Suns, desde que o garoto Bogdan-Bogdan seja O Cara da partida. O cartola selecionou o prodígio no Draft passado da NBA, em 27º. Uma exibição primorosa do ala-armador não só deixaria McDonough com ainda mais moral no Arizona, como elevaria, e muito, a cotação do jogador. Obviamente o plano é aproveitá-lo, assim que Bogdanovic, a jovem estrela sérvia, decida a hora de deixar o Fenerbahçe. Se for necessário, contudo, os direitos sobre o jogador virariam um ótimo trunfo na manga do dirigente, para uma eventual megatroca na liga americana.

Bogdan-Bogdan manda algum francês ficar em silêncio. Trunfo do Suns

Bogdan-Bogdan manda algum francês ficar em silêncio. Trunfo do Suns

Será que ainda dá tempo de Miroslav Raduljica assinar com a NBA novamente?
Acho difícil. Para os que não sabem: o pivô não tem mais contrato com nenhum clube da liga americana, embora insistam em dizer o contrário durante todo o Mundial. Do Bucks, ele foi repassado para o Clippers, que o dispensou prontamente. Aparentemente, o sérvio tem algumas ofertas da liga americana, mas nada muito interessante: provavelmente aqueles contratos sem garantia para a temporada. É mais provável que algum clube europeu decida lhe propor mais dinheiro e uma situação mais promissora em termos de tempo de jogo. Nos Estados Unidos, o jogo mecânico e lento de Raduljica não se encaixa muito bem. Sem contar o fato de que não conseguiria parar nenhum armador da liga quando envolvido em jogadas de pick-and-roll. No mundo Fiba, ele pode recuar na defesa e se comportar como se estivesse numa defesa por zona o tempo inteiro.

Por falar em Raduljica, ele não vai machucar o Anthony Davis, né?
O gerente geral do New Orleans Pelicans, Dell Demps, do seu lado, certamente vai assistir ao jogo decisivo com muito mais apreensão. Ver seu jovem craque, a base esportiva e comercial do clube encarar o brutamontes ex-Milwaukee Bucks, em um jogo valendo tudo ou prata, não deve ser nada agradável. Quando ele descansa, ainda vem o Nenad Krstic, que tem o físico de um irmão Klitschko mais descuidado, mas com 2,10 m de altura. Na NBA, Davis e Raduljica já se encontraram assim:

Qual duelo chama mais a atenção?
Tirando Curry x Teodosic nos primeiros minutos de jogo? Bjelica x Faried!!! São dois jogadores que não poderiam ser mais diferentes. O sérvio é todo elegante com a bola. Alto, de passadas largas, muito habilidoso, é daqueles pivôs que pega o rebote em sua tabela e pode sair com a bola em pestanejar. Joga bastante afastado da cesta em geral no ataque, com bom arremesso de longa distância. Por isso, faz também um bom uso da finta, iludindo seus defensores mais precipitados, cortando para a cesta com eficácia. Foi algo que fez bastante contra o Brasil. Do outro lado, agora vai enfrentar alguém que realmente responde pelo apelido de “Manimal''. Faried passa eletricidade para todo o ginásio. Ainda que tenha refinado bastante seu jogo na última temporada, ele se impõe mesmo com sua capacidade atlética absurda e uma força de vontade difícil de se igualar. Para cosntar: Bjelica já foi selecionado no Draft da NBA pelo Minnesota Timberwolves, mas tem um contrato bastante lucrativo com o Fenerbahçe, com mais três anos de duração. As multas rescisórias não foram divulgadas.

Harden em foco: o maior peladeiro do mundo?

Harden em foco: o maior peladeiro do mundo?

E quem tem o arremesso mais bonito em quadra?
Olha, o esquerdista do basquete vai dizer que os grandes arremessadores estão na Europa e bla-bla-bla – acredite, ainda hoje há quem acredite que a NBA é só um produto de marketing, uma liga de “peladas'' que conquistou o mundo graças ao capital diabólico norte-americano. Teodosic e Bogdan-Bogdan chutam que é uma beleza, mas em termos de forma e mecânica, não vai ter quem supere os “Splash Brothers'' do Golden State, Curry e Thompson.

James Harden vai marcar quem?
A plateia da Fiba já assimilou  algo que é mania na NBA: aloprar a defesa do Mr. Barba. Até o mítico Wlamir Marques entrou na onda. No ar na ESPN, disse o seguinte sobre o astro do Rockets, com ternura: “Acho que hoje é o maior peladeiro do basquete internacional''. Nesse sentido, ele e Teodosic vão se amar. Talvez o ala-armador americano leve a preguiça do ídolo sérvio a outro patamar. Há momentos do jogo que ele realmente desencana de tentar marcar alguém. É batido no primeiro drible e já vira de costas para a cesta, como quem não quer nada. Contra a Sérvia, provavelmente ele comece o jogo como par de Nikola Kalinic, um ala atlético e bem mais alto que não chega a ter prioridade no ataque sérvio. Ele vive das sobras e de cortes por trás da defesa. Se o técnico Sasha Djordjevic estudar bem os americanos como fez contra gregos e brasileiros, acho que não vai ter problema em pedir mais jogadas que envolvam Kalinic. O duro é que, quando enxerga a Luz, Harden se comporta como um defensor decente até. Caso os sérvios encontrem um meio de equilibrar o jogo até o fim, será curioso monitorar como ele vai se comportar.


Bronze inédito confirma: a França veio para ficar
Comentários Comente

Giancarlo Giampietro

Após o título europeu, o bronze mundial. Sem sua principal estrela

Após o título europeu, o bronze mundial. Sem sua principal estrela

A terceira posição assegurada pela França nesta Copa do Mundo confirma: eles vieram para ficar. Foi um bronze inédito para os Bleus, um ano depois de eles terem conquistado o EuroBasket também pela primeira vez. Além da façanha em si de valer o pódio, a vitória deste sábado sobre a Lituânia, por 95 a 93, também tem um simbolismo especial para a estrutura do basquete francês, que, a despeito dos muitos desfalques, vê um trabalho todo coroado, mostrando que é mais do que um ou dois nomes.

Os cronistas esportivos estão todos muito habituados a se referir ao time de fulano de tal. A Alemanha de Dirk Nowitzki, o México de Gustavo Ayón etc. Em alguns casos, como no dos alemães, obviamente ainda é um caso. Não há meios de a Nationalfünf conquistar algum resultado de respeito, por ora, sem a presença de Nowitzki. Assim como a presença de Ayón permite que os mexicanos voltem a um Mundial depois de quatro décadas.

No caso dos franceses, por conta de tudo o que seu grande ídolo fez desde que chegou a San Antonio, seria normal se referir ao seu time nacional como algo que pertencesse a Parker. Foi com ele, mesmo, que subiram, ano a ano, de produção, para se colocar definitivamente entre os melhores do mundo neste biênio 2013-14. E, convenhamos, o cara joga demais. É um dos melhores armadores europeus da história, já. Com ausência do ligeirinho nesta Copa do Mundo, a maneira obrigatória de se referir a esta seleção pareceu a seguinte: “Ainda é um bom time, mas, sem Parker, vai ficar difícil''.

E foi difícil, mesmo. Mas competiram. Os caras perderam para o Brasil e a Espanha na primeira rodada. Suaram para bater Sérvia e, pasme, Irã e confirmar a classificação. Depois, fizeram um jogo equilibrado contra a Croácia pelas oitavas e se colocaram entre os oito melhores. Aí era a hora de encarar a Espanha, grande favorita do torneio ao lado dos Estados Unidos. Todo mundo estava pronto para dizer adieu, incluindo este blog que logo considerou o Brasil o quinto colocado da competição após a derrota para Sérvia. Mas, não: os franceses empurrariam os brasileiros um degrau abaixo ao chocar Madri, eliminando os anfitriões. Contra a Sérvia e a Lituânia, mais dois jogos duros, com uma derrota e uma vitória, e lá estava o bronze garantido para a galeria.

Diaw e seu ano perfeito: campeão europeu, bronze mundial e campeão da NBA. Contra a Lituânia, foram 15 pontos, 4 assistências, 2 rebotes e 2 roubos de bola em 33 minutos. Com muita visão de jogo, versatilidade, experiência e boa defesa, a influência do ala-pivô é enorme sobre o time, de modo que é até injusto batermos sempre na tecla de que Parker não foi para o torneio. Para mim, a ausência de Diaw seria igualmente significativa

Diaw e seu ano perfeito: campeão europeu, bronze mundial e campeão da NBA. Contra a Lituânia, foram 15 pontos, 4 assistências, 2 rebotes e 2 roubos de bola em 33 minutos. Com muita visão de jogo, versatilidade, experiência e boa defesa, a influência do ala-pivô é enorme sobre o time, de modo que é até injusto batermos sempre na tecla de que Parker não foi para o torneio. Para mim, a ausência de Diaw seria igualmente significativa para a química de sua seleção

Sem Parker, a França perde em força ofensiva, criatividade, obviamente. Mas mantém uma defesa muito chata, que incomoda demais. Foi pela defesa que eles nivelaram praticamente todos os jogos que disputaram no Mundial, especialmente contra a Espanha. Uma consistência que o time já trás do EuroBasket, isso para não falar das Olimpíadas de 2012.

O técnico Vincent Collet, no cargo desde março de 2009, tem muito mérito nisso, mas também pesa bastante a vasta gama de atletas da qual ele pode pinçar seus jogadores. O país tem, hoje, dez jogadores sob NBA que foram produzidos em sua categoria de base. Atentem que são, na verdade, 11 os franceses na liga americana quando incluímos Joakim Noah na relação. O pivô escolheu defender a nação de seu pai, mas nasceu nos Estados Unidos e se fez como atleta por lá, da mesma forma que o “gaúcho'' Scott Machado.

Inglis: tem muita gente que julga ser um prospecto de muito potencial. O ala da Guiana Francesa tem 19 anos e foi selecionado pelo Bucks no início do 2º round do Draft. Não jogou a liga de verão de Vegas ao lado de Jabari e Giannis devido a esta lesão no tornozelo direito. Fica o aviso

Inglis: tem muita gente que julga ser um prospecto de muito potencial. O ala da Guiana Francesa tem 19 anos e foi selecionado pelo Bucks no início do 2º round do Draft. Não jogou a liga de verão de Vegas ao lado de Jabari e Giannis devido a esta lesão no tornozelo direito. Fica o aviso

Desses 10, temos gerações bem diferentes: Parker e Boris Diaw são de 1982. O caçulinha Damien Inglis, recém-draftado e contratado pelo Bucks, nasceu em 1995. Entre eles, aparecem Ronny Turiaf, de 1983, Ian Mahinmi, de 1986, Nicolas Batum e Alexis Ajinça, de 1988, Kevin Seraphin, de 1989, e Rudy Gobert e Evan Fournier, de 1992. Isto é, a produção é consistente – isso falando apenas dos atletas que estão hoje na maior liga do mundo.  Detalhe: apenas Turiaf usou algum estágio para ingressar na NBA, passando pela universidade de Gonzaga. O restante? Saíram todos diretamente de clubes franceses.

Podem entrar nessa conta da base muito mais nomes, como o ala-armador Nando De Colo, que acabou deixando o Toronto Raptors para defender o CSKA Moscou, que é de 1987. O armador Rodrigue Beaubois, depois de graves lesões, ainda sonha com um retorno, nasceu em 1988. Johan Petro, ex-Nuggets, Nets e Hawks, é de 1986. Os alas Yakhouba Diawara, que já atuou por Nuggets e Heat e recebeu sondagens este ano, e Mickael Pietrus, uma cacetada de times, se juntam a Parker e Diaw como de 1982. Mickael Gelabale, ex-Sonics e Wolves, é da turma de 1983.

Quer mais? Da atual seleção, o pivô Joffrey Lauvergne (1991) também já foi draftado pelo Denver Nuggets em 2013 e vem progredindo mês a mês na Europa, trocando o Partizan Belgrado pelo Khimki, da Rússia, para ganhar bem mais. Em breve, estará no Colorado. O ala-pivô Livio Jean-Charles (1993) foi selecionado pelo Spurs e joga pelo ASVEL, o clube do qual Parker é um dos donos.

Veja o tanto de gente E saiba que esta foi apenas uma passada rápida por aqueles nomes mais discutidos em cenário internacional, até por conta do vínculo que criaram com a NBA. Mas não dá para ficar sem falar dos armadores Thomas Heurtel e Antoine Diot (ambos de 1989) que substituíram Parker no Mundial e passou batido pelo Draft.

São muitos, mas muitos nomes para Collett filtrar. Entre possuir os nomes e formar uma grande equipe, são outros 500. Mas está claro que o pódio da França não é um acidente. A Espanha que se acostume com isso.

*  *  *

Batum foi espetacular nas últimas duas partidas francesas, marcando 62 pontos no total contra sérvios (35) e lituanos (27). Pegou fogo, acertando 10 de 17 arremessos de três pontos. Nas sete partidas anteriores, havia somado 69.

*  *  *

O legendário armador Bob Cousy, considerado o primeiro símbolo de sua posição nos tempos em que jogava com Bill Russell no avassalador Boston Celtics dos anos 50 e 60, tem ascendência francesa. Nasceu em Nova York, filho de imigrantes.

*  *  *

O ala Antoine Rigaudeau foi talvez o grande ídolo francês da geração que antecedeu a de Parker – prata nos Jogos de Sydney 2000 e cinco vezes o MVP da liga nacional. Ele é 10 anos mais velho que o armador, mas só foi se testar na NBA dois anos depois, em 2003. Sua passagem pelo Dallas Mavericks foi um desastre, porém. Aos 31, mal entrava em quadra: disputou apenas 11 partidas, com 17 pontos e 91 minutos no total. Dos 35 arremessos que tentou, acertou apenas 8. Maldosamente, ficou conhecido no Texas como Rigaudon't (não, Antoine, por favor: não arremesse dessa vez).


Espanta-Gasol, Gobert mostra seu potencial pela França
Comentários Comente

Giancarlo Giampietro

“Tamanho é uma das coisas que você não ensina.''

Que o diga o Pau Gasol, ele mesmo um gigante, depois deste encontro pouco amistoso com Rudy Gobert:

Ginga daqui, ginga dali. Gasol e seus movimentos belíssimos. Sobe para o ganchinho, e tome raquetada.

C'est un monstre!

Esse, sim, um toco que merece aplausos e te faz levantar da cadeira. Não só por ser em cima de quem foi, mas pela reação extremamente rápida desse imenso pivô francês, que fez uma partida inesquecível para ancorar a inapelável defesa francesa na vitória sobre a Espanha, pelas quartas de final da Copa do Mundo. A vitória que fez Madri chorar, mais uma vez. A equipe da casa acertou apenas 32,3% de seus arremessos, com a porta fechada na cara. Baita falta de modos!

Gobert contribuiu com apenas 5 pontos no ataque e um toco. Justamente o bloqueio acima, que você não vai cansar de ver. Mas apanhou, sozinho, 13 rebotes – um a mais que dois irmãos Gasol juntos. Esse já é um dado um tanto estarrecedor, mas aqui estamos diante de mais um caso em que a linha estatística definitivamente não conta toda a história. É de se perder a conta do tanto de arremessos que ele alterou ou inibiu durante um segundo tempo de batalha no garrafão.

Rejeitado! Gobert protege a cesta

Rejeitado! Gobert protege a cesta

O craque espanhol pode ter feito 17 pontos, e tal, acertando 7 de 12 arremessos. Um cara talentoso desses vai encontrar um jeito de pontuar e de te ferir em quadra, não tem jeito. Mas o jovem pivô francês ao menos segurou seu adversário abaixo de suas médias no torneio. Algo que nem mesmo um trio de veteranos e excelentes defensores como Splitter, Nenê e Varejão chegou perto de fazer.

E pensar que o rapaz talvez nem fosse jogar o Mundial, caso o técnico francês Vincent Collet pudesse contar com Joakim Noah, Alex Ajinça e, glup!, Ian Mahinmi. O grandalhão reserva do Indiana Pacers – atlético ao seu modo, é verdade – foi o último desfalque na linha de frente, abrindo caminho para Gobert. Acabou sendo uma benção.

No ataque, por enquanto, só enterrada

No ataque, por enquanto, só enterrada

A exibição mostra todo o potencial do jogadort – e também deixa claro para o Utah Jazz e o comandante da seleção francesa que a realização desse potencial está muito mais perto do que poderiam imaginar. Para quem acompanhou o espigão na Liga de Verão de Las Vegas e nos amistosos dos Bleus, a sensação foi essa, mesmo. O rapaz de 22 anos já estava anunciando um jogo desses. Azar da Espanha que tenha acontecido na sua casa, numa hora dessas.

Um salve, então, para os treinadores da franquia de Salt Lake City e da seleção francesa que o empurraram nessa direção. Um salve também o próprio pivô, que mal jogou no ano passado em sua campanha de novato, mas, pelo visto, aproveitou bem o tempo “livre'' para evoluir consideravelmente. O francês foi escalado pelo técnico Tyrone Corbin em apenas 45 partidas, pouco mais do que a metade da temporada. Teve médias de 9,6 minutos, nos quais somou 2,3 pontos, 3,4 rebotes e 0,9 toco. Se você projetar esses números para 36 minutos, terá algo mais que razoável, registre-se: 8,6 pontos, 12,9 rebotes e 3,4 tocos; quer dizer, os flashes já estavam lá para serem notados.

(Aliás, cabe um parêntese endereçado aos jovem Bruno Caboclo: a ideia da gerência do Toronto Raptors e de sua comissão técnica é a de que o brasileiro vai ser muito mais trabalhado em treinos, particulares ou não, do que em partidas. Todo atleta gosta de ir para a quadra para valer, mesmo. Para o ala, porém, este começo vai ser de muita paciência,  e ele sabe, na verdade. Tem impressionado todos os seus treinadores com seu empenho. O importante aqui é notar que, seguindo o modelo de Gobert, se bem feito, esse tipo de trabalho pode render frutos, mesmo. Pode ser que a nota sirva para Lucas Bebê também, dependendo dos planos que o único clube canadense da NBA tem para ele).

Paredão Gobert: com os braços erguidos e os pés no chão, ele alcança algo como 2,91 m de altura. De chinelo, para dar um charme. Envergadura inerminável

Paredão Gobert: com os braços erguidos e os pés no chão, ele alcança algo como 2,91 m de altura. De chinelo, para dar um charme. Envergadura inerminável

Imagino a satisfação que o gerente geral Dennis Lindsey, do Jazz, deve estar tendo ao acompanhar a Copa do Mundo do pivô francês e todo o seu desenvolvimento. No nosso mundo de seres humanos baixinhos, pode-se realmente superestimar a importância de um pirulão de 2,13 m de altura para uma equipe de basquete. Diversos técnicos, dirigentes e torcedores já gastaram uns 3,5 milhões de anos-luz, contando por baixo, em trabalho ou sonhos com projetos desse tipo. Descobrir aquela girafa em uma fazenda no meio do nada e transformá-lo no próximo superpivô que vai dominar o mundo. Um atleta com o tamanho de Gobert, de envergadura interminável, que se mexa com reflexos tão ágeis, já teria vantagens consideráveis para se acertar em quadra.

Mas é difícil, né? Fabrício Melo, agora fora do Paulistano, está aí na luta, por exemplo.

O brasileiro trabalhou por alguns anos numa universidade de ponta como Syracuse, mas um time que trabalha quase que exclusivamente com a defesa por zona – e que, no ataque, não tinha muito tempo para desenvolver seu gigantão com a pressão de ter de competir em alto nível sempre. Quando o mineiro saltou para a NBA, tinha um porte físico impressionante, um senso de humor agradável, mas pouco além disso. Em termos de noções táticas e técnicas, estava bem aquém. Isso não foi o suficiente para desviar um caça-talentos respeitado como Danny Ainge de sua direção.

Um ano depois, porém, o Boston Celtics despachou o mineiro de Juiz de Fora. O Memphis Grizzlies nem quis saber, mesmo pagando o salário. O Dallas Mavericks foi atrás, para ver o que ele poderia oferecer, mas também o deixou passar rapidamente.  Há casos e casos. Existem aqueles que tinham o talento, mas se perderam por razões disciplinares, motivacionais, psicológicas e monetárias: (alô, Michael Olowakandi, Jerome James, Eddy Curry). Mas também são muitos os que simplesmente não se desenvolveram do modo que se esperava, seja por limitações próprias ou por treinamento falho. O torcedor deprimido do Seattle SuperSonics pode dizer algo nessa linha sobre Saer Sene, Robert Swift e Johan Petro. Enfim, são vários os nomes, e cada um vai ter o seu preferido.

Gobert, ao que tudo indica, deve passar longe dessa lista.

Algo para o qual, na disputa pelo bronze, Jonas Valanciunas será alertado. Enquanto isso, em Utah, é bom que Enes Kanter nem arranje muitos compromissos, que seus minutos podem estar a perigo. Gobert tem o tamanho que não se ensina e vem aprendendo os macetes que fazem a diferença entre se ter um poste no garrafão ou um verdadeiro paredão. O voto de Pau Gasol ele já tem.

*   *   *

Uma curiosidade: Rudy Gobert e Raulzinho foram companheiros na Liga de Verão de Orlando de 2013, quando o armador também foi draftado pelo Jazz. O francês recebeu alguns passes açucarados da revelação brasileira. Ainda não será neste ano que os dois se reencontrarão em Salt Lake City. Quem sabe na temporada 2015-16?

*   *   *

No ataque, Gobert ainda não faz muito mais coisa do que pegar a bola perto da cesta e cravar. Seus movimentos no mano-a-mano ainda são desengonçados, pouco efetivos. Do modo como influenciar uma partida na defesa, porém, ninguém vai cobrar que se torne nem mesmo uma referência de costas para a cesta.


0% NBA, Sérvia bate França e encontra EUA na final da Copa
Comentários 1

Giancarlo Giampietro

Teodosic, Bogdan-Bogdan: são de NBA, só não estão lá. Há vida na Europa

Teodosic, Bogdan-Bogdan: são de NBA, só não estão lá. Há vida na Europa

Algoz do Brasil, a Sérvia fez mais uma partidaça nesta sexta-feira. Tomou um susto danado da França, é verdade, mas conseguiu se segurar acima no placar para se garantir na final da Copa do Mundo. Vão desafiar os Estados Unidos no domingo.

É um confronto muito interessante, do ponto do vista brasileiro. Por aqui, a impressão é de que, no mundo do basquete, só a NBA importa, não? Este blog, mesmo, sublinha a tese, provavelmente com 95% de seu conteúdo dedicado à liga americana no decorrer de sua temporada. Mas a modalidade tem muito mais que isso. Como os sérvios podem atestar: em seu elenco, não há ninguém com contrato assinado com uma franquia dos Estados Unidos ou com o Toronto Raptors. Na decisão, vão enfrentar o Team USA, que… Bem, vocês entenderam, né?

Então está aí a seleção balcânica, mostrando que existe todo um mundo lá fora para ser observado. Agora, uma coisa é dizer que a Sérvia não tem nenhum atleta na NBA hoje. Outra, bem diferente, e afirmar que a equipe não tem nenhum atleta de NBA. Boa parte de seu elenco poderia estar por lá. Por diversas circunstâncias, só não há ninguém em atividade nos Estados Unidos neste exato momento.

(Antes de mais nada, um clamor aos navegantes: por favor, ignorem o fato de que na ficha do pivô Miroslav Raduljica, no site oficial do torneio, apareça “Milwaukee Bucks''. Reforçando: por favor, ignorem isso. Primeiro que, antes de o Mundial começar, ele foi trocado para o Clippers. Durante a primeira fase, acabou dispensado pelo ex-primo pobre de Los Angeles. Seu contrato foi rescindido. Está desempregado. Dizer que ele é da NBA, é a mesma coisa que, na Copa de futebol, falar que o David Luiz era o zagueiro do Chelsea, quando todos sabiam que já havia sido negociado com o Paris Saint-Germain.)

Gobert está na NBA: são 4 na França

Gobert está na NBA: são 4 na França

Seus melhores atletas já ganham uma boa grana defendendo gigantes europeus ou times de Euroliga: Milos Teodosic, Nemanja Bjelica, Nenad Krstic, Stefan Markovic e Bogdan Bogdanovic – provavelmente o mesmo destino de Raduljica após um torneio excepcional. Outros são muito jovens, ainda com tempo pela frente: Nikola Kalinic e, mais uma vez, Bogdan-Bogdan, que já foi selecionado pelo Phoenix Suns no último Draft e sobre o qual já escrevemos muito aqui. O restante está todo espalhado pelo continente e talvez não possa sonhar alto. Apenas o pivô Rasko Katic, de 33 anos, joga em seu país, pelo Estrela Vermelha – e ele mal entra em quadra pela seleção.

Desse grupo, é de se pensar o que o genial e genioso Milos Teodosic  poderia fazer na liga americana, ainda mais quando ele se apresenta tão solto e confiante como vem fazendo no Mundial, sem aquela nuvenzinha na cabeça. Por um lado, é um dos jogadores mais perigosos nas situações de pick-and-roll, algo que sempre vai ser feito na NBA. Tem visão de jogo e um arremesso em movimento que é espetacular. Por outro, sua aversão pela defesa é até folclórica na Europa, combinando com o jeito, hã, boêmio de tocar a carreira.

Nesta sexta, na partida mais emocionante da competição, Teodosic e seus companheiros derrubaram uma França que, mesmo com todos os seus desfalques, jogou o Mundial com jogadores sob contrato com clubes da NBA: Boris Diaw (Spurs) e Nicolas Batum (Blazers), sensacionais e importantíssimos para seus times, e os promissores Rudy Gobert (Jazz) e Evan Fournier (Magic), que ainda estão no início de suas trajetórias. Desse quarteto, Batum foi instrumental para que os franceses chegassem muito perto de uma vitória histórica.

A série “Cada Jogo É Uma História'', alardeada durante todo o campeonato, correu sério risco,. As duas seleções se reencontraram 12 dias depois do confronto pela fase de grupos, o qual os Bleus venceram por 74 a 73. E de virada – os sérvios chegaram a abrir 11 pontos na liderança. Na semi, a vantagem chegou a ser de 18, e os caras voltaram a levar um susto danado. não que não tenham assustado: chegaram a apertar as coisas de modo dramático no quarto período, 64 a 60, com 4min30s restando no relógio. A Sérvia, porém, se segurou, aproveitando seus lances livres e criando algumas boas jogadas contra uma forte defesa  para vencer por 90 a 85.

Sérvios comemoram com o técnico Sasha Djordjevic, que faz ótimo trabalho

Sérvios comemoram com o técnico Sasha Djordjevic, que faz ótimo trabalho

No primeiro tempo, os franceses simplesmente não conseguiram reproduzir a energia dos jogos anteriores contra Croácia e, principalmente, Espanha. Muito por conta da excelência de seu adversário, mas também por conta do forte componente emocional do triunfo contra os espanhóis, por tudo o que envolvia a partida: rivalidade entre as gerações, um favorito ao título e, ao mesmo tempo, o time da casa e o ginásio bombando.

O time chegou entre os quatro melhores do torneio com uma defesa sufocante, de muita envergadura, sem forçar muitos turnovers, mas contestando todo e qualquer arremesso, desde o semicírculo até a linha de três pontos. Nesta sexta, isso só aconteceu no quarto período. Os sérvios mataram 59% de dois pontos e 53% de três e conseguiram uma terceira vitória seguida impressionante. Recordem que, nas oitavas, haviam batido a Grécia por 90 a 72. Depois, aiaiai: 84 a 56 para cima do Brasil. Agora, o triunfo nem foi tão elástico, mas não deixa de ser convincente.

A Sérvia encontrou uma química perfeita em quadra, combinando força e leveza. Pode punir a defesa adversária tanto com o jogo físico de Raduljica e Nenad Krstic, como no jogo exterior ultralentoso de Teodosic e Bogdanovic, com a ajuda da consistência de Stefan Markovic e da explosão física de Nikola Kalinic. Claro que, no final das contas, num jogo de alto nível desses, foi o armador Teodosic quem mais desequilibrou. Tal como no duelo com o Brasil, destruiu no primeiro tempo com 18 pontos.

Outro de NBA, Batum jogou demais dos 2 lados da quadra

Outro de NBA, Batum jogou demais dos 2 lados da quadra

Embora o craque canalize muito do ataque, seu time tem se comportado de modo solto no setor ofensivo, com muita movimentação de bola, diversos passes extras e  saídas precisas e oportunistas no contragolpe. Agora, quando Batum praticamente tirou a estrela sérvia, de ação, as coisas engrossaram, mesmo. Teodosic só havia matado um arremesso em todo o segundo tempo, até converter um chute extremamente pressionado 2min55, para o fim (77 a 68). Ele usou muito bem os corta-luzes para se desmarcar. O duro é que, na sequência, Batum respondeu na medida, com mais uma bomba de três.

Os chutes de longa distância voltariam a cair com Diaw e Heurtel, diminuindo a vantagem para três, com menos de dois minutos. A pressão era extrema, mas Bogdan-Bogdan, Krstic e Kalinic fizeram o suficiente no ataque para estancar a hemorragia e marcar o encontro final com os Estados Unidos. Uma final de 12 astros da NBA contra o… Resto?

*  *  *

Foi uma partidaça de Batum: 35 pontos (24 em bolas de 3!!!) e toda a defesa em cima de Teodosic. Incrível. E algo que muita gente esperava do ala francês. Seu talento não se contesta. Nos Estados Unidos, porém, muita gente estava esperando sentado para ver quando o francês ligaria o modo “matador'' em seu jogo. Aconteceu nesta semi: 11/16

*  *  *

Raduljica fez a cesta mais inusitada do Mundial, em uma situação delicada: a França havia encostado no placar, diminuindo a vantagem sérvia para apenas seis pontos. Restando 5min44s, Bogdan-Bogdan soltou uma bomba de passe na direção do seu pivô, que não conseguiu fazer o domínio. Era impossível, mesmo. Acontece que, involuntariamente, o grandalhão acabou espalmando a bola, que subiu o suficiente para bater no quadradinho e entrar para dois pontos. Ufa! Raduljica sorriu, enquanto, no banco, o capitão Nenad Krstic fez o sinal da cruz.

Na descrição do site da Fiba, foi computada como uma bandeja. No fim, não tem com descrever melhor que isso, mesmo:

raduljica-espalmada

* * *

O técnico Aleksandar “Sasha'' Djordjevic está de parabéns. Um armador cerebral e histórico nos tempos de Iugoslávia, ele faz apenas seu terceiro trabalho como treinador, depois de ter dirigido o Olimpia Milano em 2006-07 e o Benneton Treviso em 2011-12. Assumiu a seleção balcânica no ano passado, com um EuroBasket no currículo, ficando em sétimo. Para constar, seu currículo como jogador: tricampeão europeu, vice-campeão olímpico (Atlanta 1996) e campeão mundial em 1998 (sem NBA). Aos 47 anos, aposentado em 2005, parece ter excelente relação com seus comandados, falando a língua deles. Para quem preenche a folha corrida dessa equipe, sabe que não é das tarefas mais fáceis: os problemas de vestiário são uma constante por lá.

* * *

Quem está adorando a capanha da seleção sérvia é este cara aqui:

Olha o que o tradutor do Google nos deu: “Que defesa, algumas duplas, que coragem! Bem feito. Teo, eu te amo na mão! Equipes contribuíram com um sorriso! O prazer é vê-los'' (risos). Sem rodada de Copa Davis para disputar, o número um do mundo no tênis também vai se deleitando com sua seleção nacional. Ama o Teodosic e acha que o Raduljica faz todo mundo sorrir.

*  *  *

Uma curtinha, para fechar. Ao comentar a barba de Raduljica, a dupla da ESPN – Cledi Oliveira e Wlamir Marques – chegou ao James Harden, claro, e a frase do verdadeiramente mítico Wlamir  para fechar o assunto foi:  “Aquele lá (Harden) acho que é o maior peladeiro que tenho visto hoje no basquete mundial''. Demais. : D