Vinte Um

Para Bauru, ao menos a final continua. No 1º jogo só deu Flamengo
Comentários 3

Giancarlo Giampietro

Foram 15 pontos e 7 assistências para Laprovíttola, em 26 minutos

Foram 15 pontos e 7 assistências para Laprovíttola, em 26 minutos

Quando você junta em quadra uma equipe que está se arrastando e outra que está voando, chegando ao auge, pode dar isto, mesmo: 22 pontos de vantagem, não importando que esteja valendo taça. Na abertura da decisão NBB 7 nesta terça-feira, um Flamengo para lá de determinado atropelou o trôpego Bauru por 91 a 69, no Rio de Janeiro.

Após uma surra dessas, se há algo que pode servir de consolo para o time de Guerrinha, dono da melhor campanha da fase de classificação, é o fato de a final do campeonato nacional ter adotado o formato de melhor-de-três neste ano. Os bauruenses têm, então, a chance de se rever seu erros e se recuperar. Só não dá para dizer que seja em casa, já que terão de jogar em Marília, no próximo sábado, para tentar evitar um tricampeonato para o Fla.

>> Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa
>> Os duelos, os números e a luta por hegemonia

Para quebrar a hegemonia rubro-negra na competição, vão precisar promover uma reviravolta drástica em relação ao que vimos numa Arena da Barra que poderia estar mais cheia e vibrante. Pois não lembraram nem de longe o conjunto que já conquistou três títulos na temporada – Paulista, Liga Sul-Americana e Liga das Américas. Esteve, porém, com a mesma voltagem das partidas contra Franca e Mogi nas últimas semanas. A diferença é que agora encara um adversário ainda mais qualificado.

Guerrinha pedia energia. Mas faltou mais que isso

Guerrinha pedia energia. Mas faltou mais que isso

O sistema ofensivo Bauru já não tem o mesmo ritmo e a mesma fluência da primeira metade da temporada. Isso tem a ver com a perda em velocidade, seja pelo desfalque de Jefferson William como pelo desgaste de tantos jogos? Certamente. Mas não é só. Falta movimentar a bola, que tem empacado com facilidade. Nesses momentos de adversidade, os atletas têm procurado a definição por conta própria.

Do outro lado, um Flamengo na ponta dos cascos, muito mais ativo e organizado, numa combinação perfeita para um resultado estrondoso desses. Os atuais bicampeões tiveram forte pegada defensiva desde o início, desestabilizando a armação dos paulistas, congestionando seu garrafão, também sem permitir arremessos livres de fora.

Fischer, Alex, Larry tentavam infiltrar e davam de cara com dois defensores, invariavelmente. O resultado: turnovers e bandejas e chutes forçados em flutuação. Bem postados, os defensores dominaram os rebotes – destaque para a atuação do jovem Cristiano Felício, que já marca melhor que o americano titular, com um deslocamento de pés muito rápido para alguém de seu tamanho. Sabe fechar espaços como veterano. Bauru converteu apenas 36% dos arremessos de quadra, sendo que, nas bolas de dois pontos, foram 42,1%. Muitos erros, muitos rebotes, e o contra-ataque facilitado.

O time da casa venceu a disputa nas duas tábuas por 27 a 12 no primeiro tempo, e aí o estrago já era gigantesco, com o placar sinalizando 49 a 28. No final, a vantagem nos rebotes ficou em 43 a 31. “Viemos preparados para disputar cada bola. Acho que foi o grande diferencial da equipe hoje. Todos brigando pelos rebotes e cobrindo na defesa, algo importante para enfrentar um time que pode jogar com até cinco homens aberto. Conseguimos defender muito bem, anulamos alguns jogadores deles por boa parte do jogo'', afirmou o ala Marquinhos, ao SporTV.

Defesa em postada do Flamengo

Defesa do Flamengo: chute contestado e linha de passe fechada

O Flamengo foi o time mais veloz e mais físico em quadra, amplamente superior no jogo interno tanto no ataque como na defesa. Rafael Hettsheimeir e Murilo acertaram juntos apenas 5 de 15 arremessos de dois pontos, sem espaço para operar no garrafão. Isso teve a ver com energia (o termo usado por Guerrinha em diversos pedidos de tempo), claro, manifesta na disposição defensiva dos atuais bicampeões, mas não dá para explicar uma lavada dessas só por essa via.

Bauru sente muito a falta de Jefferson William, por ser um ala-pivô leve e bom de rebote. É o contraponto perfeito para Olivinha e Herrmann. A dupla de pivôs de hoje tem muita técnica e força, mas é bem mais lenta, comendo poeira em transição e também apresentou dificuldade para completar as rotações defensivas nesta terça. Claro que não ficam apenas na conta dos grandalhões os 91 pontos flamenguistas. Teve cesta para todo mundo: Vitor Benite marcou 16, seguido pelos 15 de Laprovíttola, Marquinhos e Olivinha.

No ataque, Jefferson ajuda a espaçar a quadra para facilitar a vida dos armadores. Mas o time teve tempo para se ajustar a esse desfalque e até ganhou a Liga das Américas com esta formação. Contra o Fla, porém, aconteceram investidas individuais em excesso e nenhuma fluidez. No terceiro período, deu para contar, por exemplo, até cinco posses de bola seguidas sem que nem mesmo três passes fossem trocados.

“Não falo que tenha falado energia, falo que faltou inteligência, e isso foi minando nossa força. Disposição teve, mas faltou cabeça'', disse Alex, ao SporTV. “Essa não foi a nossa equipe. Jogamos de modo errado, no ataque e na defesa. A gente facilitou para que eles tivessem esse aproveitamento. Tem de esquecer e focar na segunda partida.''

Depois da torção de tornozelo de Murilo, Guerrinha escalou quatro abertos ao lado de Rafael ou Thiato Mathias. O panorama mudou um pouco. Bauru já venceu o quarto período por 26 a 21. Isso poderia já representar um começo, mas seria injusto com o Flamengo, que tinha a partida absolutamente resolvida com menos de meia hora de duração. O jeito, mesmo, é correr para Marília, renovar o fôlego e encontrar outro rumo em direção à cesta. E essa é só metade do problema. Pois o Flamengo está jogando muita bola.


Bauru x Flamengo: os duelos, os números e a luta por hegemonia
Comentários Comente

Giancarlo Giampietro

O Bauru de Fischer já venceu o Fla 2 vezes. Agora se reencontram na final

O Bauru de Fischer já venceu o Fla 2 vezes. Agora se reencontram na final

Tem tudo, mesmo, para ser uma grande final. Ou melhor: grandes finais, com a adoção do sistema melhor-de-três.

São dois elencos estelares e caríssimos para os padrões nacionais, com sete jogadores que disputaram a última Copa do Mundo em quadra e cinco atletas da seleção brasileira convocada para o Pan de Toronto, neste ano. Há também um enredo sobre hegemonias, com o Bauru tentando completar uma temporada perfeita, com quatro grandes troféus, enquanto o Flamengo mais uma vez tenta o tricampeonato, mantendo a soberania na competição. Isto é, além do troféu em si, há muita coisa especial para atiçar.

Depois de obter a melhor campanha de uma fase regular do NBB, com aproveitamento de 93,3% (28 vitórias em 30 jogos), Bauru sofreu nos playofs, precisando de dez partidas para despachar Franca e Mogi, pela ordem. A semifinal contra os mogianos foi duríssima, saindo de ambas as séries com saldo de apenas três pontos. Sim, três – como se tivesse conseguido cada um de seus triunfos por um mísero pontinho. Contra os francanos, pelas quartas, o saldo foi de 27 pontos em cinco jogos, todos eles obtidos no primeiro jogo da série. Quer dizer: deu empate nos outros quatro.

>> Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa

Será que a equipe pode reencontrar a forma avassaladora de meses atrás? Foi quando estava iniciando uma sequência que chegaria a 26 jogos sem perder, só pelo NBB – ou 34, se formos contar também a campanha pela Liga das Américas. Para o técnico Guerrinha, não é a pressão para confirmar o favoritismo – fomentado ao longo de suas conquistas, diga-se – que precisa ser driblada. São as pernas, mesmo, que pesam mais.  “Fizemos 82 jogos em 240 dias, é praticamente um jogo a cada três dias.Franca e Mogi jogaram menos jogos, ficamos 23 dias parados, além de o nível das equipes ter aumentado muito'', afirmou.

A lesão de Jefferson William também é apontada pelo treinador como um fator significativo nesta queda de rendimento. “Quando o perdemos, ainda conseguimos ir além, pois ainda estávamos naquele embalo. Depois, começamos a sentir o desgaste de rotação, tanto física quanto tática. Quem jogava 20, 22 minutos passou a jogar 35, 37 minutos'', disse.

Jefferson estava jogando muita bola, sim, e faz muita falta – participou das duas vitórias na temporada regular, inclusive (84 a 77 no Rio e 92 a 84 em Bauru, com médias de 16,0 pontos, 7,5 rebotes em 33 minutos para o ala-pivô ex-flamenguista, e  e 5/11 de três). O elenco construído, no entanto, teve/tem recursos para seguir adiante. A rotação dos grandalhões ficou mais enxuta, mas talvez o jovem Wesley Sena pudesse ter sido mais testados na fase de classificação, para eventualmente dar conta de cinco ou seis minutinhos por jogo durante os playoffs. Não aconteceu, de modo que esse papel caberia, então, a Thiago Mathias, mas o pivô de 27 anos viu seu tempo de quadra despencar contra Mogi: não passou de 4 minutos nas últimas três partidas.

Não vai ter Jefferson em quadra: ala-pivô ex-Fla sofreu lesão no tendão de Aquiles

Não vai ter Jefferson em quadra: ala-pivô ex-Fla sofreu lesão no tendão de Aquiles

Contra um garrafão estelar como o do Flamengo, Rafael Hettsheimeir e Murilo vão ser exigidos ao máximo – e a ótima partida que Becker fez contra o Mogi no desfecho das semis não poderia ter vindo em melhor hora, com 17 pontos, 12 rebotes e 8 lances livres cobrados e convertidos em 35 minutos. Devido ao porte físico e excelentes mãos, Jerome Meyinsse e Cristiano Felício dão um trabalho danado na briga pelos rebotes. Ao lado deles, alas-pivôs como Olivinha e Walter Herrmann acrescentam muita versatilidade, podendo atacar dentro e fora, sem deixar que o poderio reboteiro caia. É difícil imaginar que, em formações mais baixas, Robert Day ou mesmo Alex consigam segurar esses dois, mesmo em minutos reduzidos – a tendência é que tabela ficasse vulnerável.

Na turma de fora, são vários os duelos muito envolventes:

1) o jovem Ricardo Fischer terá um desafio, e tanto, pela frente,  para atacar e ao mesmo tempo se preparar para ser agredido no embate com Laprovíttola, que se impôs contra Nezinho e Deryk pelas semis;

2) Larry Taylor poderá até eventualmente dar uma força a Fischer na defesa, mas já terá mãos cheias ao lidar com Vitor Benite, seu companheiro de seleção – são dois armadores-alas explosivos, que vêm com muita energia para a quadra, e, até pelas características atléticas semelhantes, talvez fosse o caso de Robert Day começar no banco, batendo de frente com Marcelinho; Gui Deodato também entra nessa equação aqui, dependendo do desfecho do confronto entre os armadores principais;

Benite e Larry vão para o Pan em Toronto. Antes, se enfrentam

Benite e Larry vão para o Pan em Toronto. Antes, se enfrentam

3) e aí sobram Alex e Marquinhos, dois velhos conhecidos e concorrentes, que já protagonizaram vários grandes 'rachas' nas últimas temporadas – sempre com o aspecto pitoresco da diferença de altura (15 centímetros) e estilo entre eles. Alex, quatro anos mais velho, com um vigor físico ainda impressionante, implacável na defesa, oferecendo ainda liderança e a confiança de quem já perdeu a conta dos troféus que conquistou por estas bandas. O nível de agressividade de Marquinhos sempre é uma incógnita, mas sua combinação de categoria, estatura e mobilidade faz a diferença de qualquer forma em quadras brasileiros.

Se formos levar em conta o que se passou nos mata-matas, a impressão é a de que o Flamengo chega muito mais inteiro fisicamente e também com a autoestima bastante elevada. Isso vai resultar em maior pegada defensiva? Em mais pressão sobre a bola? Isso se traduziu nos últimos jogos. A equipe deixou para trás os altos e baixos do início do campeonato. Recorde-se, todavia, que não foi uma temporada das mais típicas para o clube rubro-negro, que já precisou jogar em alto nível logo na largada para conquistar seu maior troféu, a Copa Intercontinental, para depois emendar uma empolgante, mas também insólita turnê de NBA pelos Estados Unidos. Dando um gás rumo aos playoffs, o Fla teve relativo trabalho contra São José (cinco jogos também, mas com placares muito mais elásticos em suas vitórias) e varreu Limeira de modo impressionante. “A vitória sobre eles nos deu muita esperança de fazer uma boa final. Nosso início não foi o esperado por todos, mas estamos aqui e vivos'', afirma José Neto.

*   *    *

Uma comparação estatística entre os clubes até a final, levando em conta toda a campanha:

bauru-flamengo-comparativo-numeros-nbb-7

*   *   *

Sobre hegemonias? Esse é o aspecto mais interessante em jogo: de um lado o Bauru pode fechar no melhor estilo uma temporada que, convenhamos, já é histórica, depois da conquista do Paulista e de dois campeonatos continentais, a Liga Sul-Americana seguida pela Liga das Américas. Ganhar o NBB só deixaria tudo isso ainda mais incrível, com uma campanha 100% inédita por estas bandas. Além do mais, seria o primeiro clube paulista a ganhar o título nacional com a nova nomenclatura – e o primeiro desde Ribeirão Preto, em 2003. Já o Flamengo busca um tricampeonato que igualaria façanha de Brasília de 2010 a 2012.

*   *   *

A liga nacional enfrentou alguns problemas para montar a tabela final. Não dá para assimilar muito bem o horário de 21h30 desta terça-feira para subir a bola para a decisão. Por ser Flamengo, espera-se que a casa esteja cheia, apesar das dificuldades de logística que se tem para chegar à Arena da Barra. Se já é difícil acessar o ginásio neste horário, imagino o pesadelo que deva ser sair de lá entre 23h e 0h.

Depois, temos Marília, eventualmente para os próximos dois sábados, se assim a final exigir. Se Jacararepaguá está longe (para o Jota Quest e, claro, dependendo do ponto de partida no Rio), os bauruenses vão ter de correr cerca de 105 km para apoiar seu time. A mudança, neste caso, porém, era inevitável. A Panela de Pressão tem capacidade para apenas 2 mil torcedores, e aí seria muito pouco, mesmo, para um evento deste porte. Não acho que dê para contestar muito o regulamento. A diretoria do clube e da liga encontraram, então, o popular ginásio da Avenida Santo Antônio – parte do Centro Municipal Educacional, Esportivo e Cultural Professora Neuza Maria Bueno Ruiz Galetti. Tem capacidade para 7 mil pessoas e foi inaugurado em 2012. Uma curiosidade dessas que só no Brasil, mesmo? O ginásio foi construído com grana do ministério da Educação e, até novembro do ano passado, só poderia ser utilizado pela secretaria educacional local. Aí que a Prefeitura conseguiu alterar a regulamentação, em acordo com o Ministério Público,  liberado o espaço para atividades diversas. Demais.

O ginásio em Marília, nova casa para o NBB

O ginásio em Marília, nova casa para o NBB


Harden evita varrida, Howard em suspense e mais notas de um jogo maluco
Comentários Comente

Giancarlo Giampietro

James Harden também tem coração

James Harden também tem coração

Algumas notas sobre o jogo maluco que foi a vitória do Houston Rockets sobre o Golden State Warriors nesta segunda-feira, por 128 a 115, evitando uma varrida?

*   *   *

James Harden simplesmente não merecia se despedir de uma partida desta maneira e fez questão de prolongar a temporada do clube texano por conta própria, com 45 pontos, 9 rebotes, 5 assistências, 2 tocos, 2 roubos de bola e 7 bolas de três pontos, em 40 minutos, convertendo 13 de 22 arremessos. Foram 33 pontos no segundo tempo. Tudo verdinho:

James Harden, shot chart, Game 4, Warriors

Uma atuação digna de um franchise player, de um dos cestinhas mais mortais que se vai encontrar por aí. Qualidades que lhe valeram a segunda colocação na votação para MVP. Ainda assim, tenho essa incômoda sensação de que, de modo geral, não se respeite tanto assim o que o Sr. Barba faz em quadra. Talvez por sua capacidade para buscar o contato e sofrer faltas… Talvez pela aparente falta de expressão (afinal, a massa capilar meio que cobre tudo, mesmo)… Enfim. Ou, de repente, ele já é venerado, e esse parágrafo todo foi um desperdício de tempo.

De qualquer forma, David Hardisty, do blog Clutch Fans (dedicado ao Rockets), fez um exercício interessante. Cronometrou o quanto durou a sessão de perguntas e respostas tanto de Harden como de Curry no pós-jogo. O armador do Warriors falou por sete minutos. A entrevista do ídolo local durou 1min35s. “O tombo será a história de veiculação nacional para este jogo”, registrou.

>> Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa

*   *   *

Resumo dos acontecimentos: 1) Josh Smith desembestado; 2) 45 pontos no primeiro quarto para o Rockets (depois de terem marcado 37 no primeiro tempo do Jogo 3… Se tivessem mantido o ritmo, teriam marcado 180 pontos na partida; 3) 22 pontos de vantagem abertos no início do segundo período; 4) Steph Curry busca o toco, passa por cima de Ariza, cai de modo assustador em quadra, batendo a cabeça e deixando todos, absolutamente todos aflitos; 5) Golden State baixa para até sete pontos o placar já nesta parcial; 6) Harden acerta um arremesso de seu garrafão, logo após um rebote ofensivo (abaixo). Tudo isso em 24 minutos. Ok, o que mais faltava? Claro que era uma tempestade em Houston, segurando muitos torcedores no Toyota Center, para que eles pudessem ponderar sobre o quão aleatórios podem ser os acontecimentos da vida. : O

(Como Jeff Van Gundy disse, um chute desses deveria ser validado, não importando que o cronômetro já tivesse zerado. E digo mais: não só deveria valer, como deveria contar cinco pontos no mínimo. Que absurdo.)

*   *   *

O Houston Rockets agora tem quatro vitórias em partidas nas quais precisava evitar a eliminação. Qualquer perspectiva de uma virada miraculosa contra o poderoso Golden State Warriors, porém, passa pela decisão do departamento técnico da NBA sobre Dwight Howard. O irritadiço pivô pode ser suspenso.

Os oponentes sabem o quanto ele pode perder a compostura facilmente. Tyson Chandler já o deixou no limite na primeira rodada. Agora foi a vez de Andrew Bogut. No empurra-empurra tradicional do garrafão, o australiano primeiro empurrou o pivô da casa, que, ao se virar para a bola e a transição defensiva, soltou o braço na direção do adversário. A arbitragem deu falta flagrante 1.

Se você for comparar este lance com dois episódios recentes dos playoffs, fica bem clara uma incoerência na marcação. É quando a famigerada interpretação entra para causar discórdia.

Vejamos a agressão de JR Smith em Jae Crowder, no último jogo da série Cavs x Celtics, que resultou na suspensão do ala por duas partidas:

(Smith acerta o adversário em cheio, com mais força, mas o movimento é parecido.)

E agora o ato de quase-fúria de Al Horford para cima de Matthew Dellavedova, hoje o jogador mais odiado em toda a Conferência Leste, que causou sua expulsão do Jogo 3:

A NBA vai certamente revisar o rolo entre Howard e Bogut. Caso cedida elevar a falta para flagrante 2, o pivô do Rockets será suspenso automaticamente do Jogo 5 em Oakland, por ter acumulado quatro pontos nesse tipo de incidente.  As regras são as seguintes: cada falta flagrante gera um ou dois pontos de penalização para um atleta, dependendo de seu grau. A partir do momento que o jogador passar dos três pontos, receberá um gancho de uma partida, independentemente de já ter sido excluído em quadra.

Ex-vice-presidente da NBA e chefe do departamento técnico, o treinador Stu Jackson afirmou acreditar em uma suspensão para Howard. “A falta flagrante provavelmente vai ser elevada. Foi uma ação temerária e fez contato com a cabeça. Foi um contato muito mais severo que o da falta flagrante de Horford”, afirmou. “Lembrem-se que a avaliação da falta flagrante não tem a ver com intenção. É uma regra em relação a ação e contato.”

“Espero que não'', diz Howard. “Mas não tem muito o que possa fazer a essa altura. Nunca é minha intenção machucar alguém em quadra. Minha reação foi apenas de tentar me livrar dele, mas não posso reagir desta maneira.''

*   *   *

Caso seja realmente suspenso, ao menos Dwight Howard deu uma compensada com a torcida. Por morar num subúrbio distante do Toyota Center, o pivô não conseguiu sair imediatamente. Disse que as vias estavam interditadas devido ao temporal lá fora – foi como se a natureza pudesse sentir toda a turbulência deste Jogo 4 e resolvesse descarregar uma tempestade na cidade. Coisa de maluco:. Depois de banho tomado, entrevistas concedidas, voltou para a quadra para trocar uma ideia com alguns torcedores e curtir um pouco de música. Relatos da mídia de Houston, aliás, dão conta de que o sistema de som da arena tocou, até com certa ironia, “Purlpe Rain”, o clássico de Prince.

Numa relax, numa boa

Numa relax, numa boa

CF6UnHMUEAEeT9e

Cadê o grito da galera?

Mais: o telão central do ginásio divulgou uma mensagem enquanto o jogo ainda estava em andamento, recomendando que os torcedores permanecessem em seus lugares, por precaução devido ao péssimo clima lá fora. Serviço.

Toyota Center, weather, Houston, storm

E outra sobre a torcida: os aplausos no momento em que Steph Curry saía de quadra após sua assustadora queda foram louváveis. Afinal, era o craque que havia despedaçado seus corações há duas noites e, na brincadeira, mandou um torcedor mais agitado se sentar.

*   *   *

Curry, aliás, disse que não tem o menor interesse de ver o vídeo de seu capote, passando por cima de Ariza numa tentativa de toco. “Uma vez já foi o bastante”, afirmou. O armador passou por diversos exames e testes no vestiário até ser liberado de volta ao jogo, depois de constatada uma contusão na cabeça – contusão que não gerou concussão. Ele, Steve Kerr e a diretoria do Warriors asseguram que não havia o menor risco para que continuasse na partida. Depois de um airball e de levar um toco no perímetro, o MVP passou a pontuar com a naturalidade de sempre, mesmo. Importante dizer que há um protocolo bastante rígido hoje em vigência por parte da NBA para a avaliação de possíveis sintomas de concussão cerebral. A avaliação é isenta, independentemente do jogo ou do personagem envolvido.

Stephen Curry, Warriors, Rockets, queda, fall

A queda

*   *   *

Juntos, Rockets e Warriors acertaram 37 de 78 arremessos de três pontos, estabelecendo um recorde para os playoffs da NBA. O aproveitamento foi de 47,4% no geral, com 52,1% para o time da casa. James Harden matou 7 em 11, superando Curry dessa vez (6-13, o mesmo número de Klay Thompson, que enfim fez uma partida para justificar o apelido de Splash Brothers). O recorde anterior dos mata-matas era de 33 acertos em 54 chutes de longa distância, envolvendo curiosamente o mesmo Rockets e o finado Seattle Supersonics, em 1996. Eventual vice-campeão da liga, perdendo para o histórico Chicago Bulls das 72 vitórias, o Sonics matou 20 em 27 tentativas, com rendimento de 74,1%.


CBB divulga time do Pan, rodeada por questões financeiras e políticas
Comentários 1

Giancarlo Giampietro

Um dos treinadores da seleção no Pan está na foto

Um dos treinadores da seleção no Pan está na foto

Começou, e daquele jeito.

ACBB divulgou nesta segunda-feira a primeira lista de Rubén Magnano para a temporada 2015 da seleção brasileira. Foram 12 atletas relacionados para a disputa do Pan de Toronto, a partir do dia 21 de julho. Não consta nenhum  nome da NBA. Em relação ao time da Copa América do ano passado, são apenas três caras. Até aí tudo normal, compreensível. O inacreditável, mesmo, é que, a menos de dois meses para a competição, o argentino não sabe se vai para o Canadá, ou não, já que a Fiba ainda não se posicionou de modo definitivo a respeito de uma vaga para o Brasil no torneio olímpico do Rio 2016.

Para quem está por fora do ba-fa-fá, é isso aí: a federação internacional faz jogo duro e ameaça acabar com essa história de posto automático para o país-anfitrião nos Jogos. Algo com que até mesmo a Grã-Bretanha, sem tradição alguma, com um catado de jogadores, foi agraciada em 2012. Por quê? Pelo simples fato de a CBB enfrentar problemas para pagar uma dívida com a entidade, conforme relatam Fabio Balassiano e Fabio Aleixo. Dívida que decorre do pagamento de US$ 1 milhão por um humilhante convite para a disputa da Copa, depois de um fracasso na Copa América de 2013, no qual a seleção saiu sem nenhuma vitória e com derrotas até para Jamaica e Uruguai. Lembrando que faz tempo que a confederação nacional está no vermelho e hoje faz um apelo em Brasília por algum patrocínio estatal para complemento de renda.

>> Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa

Quer dizer: nos bastidores, o Brasil já está sendo derrotado, e isso não ajuda em nada a vida de um técnico. Seja um campeão olímpico que nem Magnano ou um bicampeão do NBB, como José Neto, a quem caberia o comando da seleção pan-americana caso o argentino precise concentrar esforços na equipe da Copa América, o torneio que classifica as equipes do continente para as Olimpíadas. Ambos os técnicos trabalham juntos há anos, e, numa eventual divisão de esforços, supõe-se que não haverá problema de choque de gestão. Mas, claro, não é um cenário ideal.

Escritório de Carlos Nunes ainda aguarda o fax da Fiba

Escritório de Carlos Nunes ainda aguarda o fax da Fiba

Há dois meses, assistindo a embate entre Flamengo e Mogi, numa de suas raras aparições públicas durante a temporada 2014-15, o treinador principal da CBB  julgou que havia “muita possibilidade'' de que não iria para o Pan.  O torneio de basquete dos Jogos de Toronto vai ser disputado entre os dias 21 e 25 de julho. Já a Copa América vai ser realizada no México a partir de 31 de agosto. “As datas de preparação batem e não posso me descuidar. O foco está na classificação para os Jogos Olímpicos'', afirmou.

Caçulas da NBA estão fora
Outro conflito de agenda ligado à metrópole canadense resultou na exclusão de dois nomes da lista pan-americana: Bruno Caboclo e Lucas Bebê. No caso, a restrição é da parte do Raptors, a única franquia canadense da NBA, que solicita a presença do ala e do pivô no time que vai disputar a Liga de Verão de Las Vegas de 10 a 20 de julho. Os dois estavam nos planos para esse time mais jovem, mas nem foram convocados. Ao menos este foi um avanço, para se evitar o desgaste de uma convocação que certamente resultaria num pedido de dispensa.

“Quero agradecer ao Magnano por ter sido compreensivo e continuar acreditando em mim. É uma decisão difícil, deixar de disputar um campeonato como o Pan, especialmente na cidade em que eu moro atualmente, mas é um investimento que estou fazendo na minha carreira, preciso me dedicar ao Toronto nesse verão'', disse Bebê, em comunicado. “Ele entendeu meus motivos e agradeço. Deixei claro que pode contar comigo, mas que esse era um momento de mostrar meu basquete e buscar meu lugar no Raptors para a próxima temporada. Quero que o meu futuro seja na Seleção Brasileira, ter a minha história com a camisa do Brasil, e vou fazer o meu máximo para que isso aconteça'', completou Caboclo, no mesmo despacho.

Temporada teve mais atividades extraquadra do que em jogos oficiais

Temporada teve mais atividades extraquadra do que em jogos oficiais

Aqui vale uma observação: o Raptors investiu muito para contratar os brasileiros, e a liga de verão é encarada pela diretoria como um evento importantíssimo para o estabelecimento de ambos os jogadores, que tiveram pouquíssimo tempo de jogo em uma temporada cheia de percalços na liga americana. Ambos precisam mostrar serviço, ainda mais depois do frustrante desempenho que o time teve nos últimos meses, até ser varrido pelo Washington Wizards nos playoffs. Mais: se os dois mal jogaram durante o ano, não dá para dizer que mereciam um lugar automático na seleção. Devido ao potencial, poderiam ser chamados, mas o  justo era que lutassem por uma vaga durante o período de treinos.

Os caras do Pan
Até porque a lista divulgada sob a capitania por Magnano é forte, com alguns nomes jovens, mas já de boa rodagem internacional. O destaque da convocação fica por conta do pivô Augusto Lima, um dos atletas que mais se valorizou na temporada europeia, arrebentando pelo Murcia, da Liga ACB. Raulzinho, seu companheiro de clube, e Rafa Luz, também muito elogiado pelo campeonato que fez pelo Obradoiro, são os demais estrangeiros. De resto, nove caras do NBB, divididos entre os finalistas Bauru (três) e Flamengo (dois), além de Franca, Limeira, Mogi e Pinheiros, com um cada. São eles: Ricardo Fischer, Larry Taylor, Vitor Benite, Leo Meindl, Marcus Toledo, Olivinha, Rafael Mineiro, Rafael Hettsheimeir e Gerson do Espírito Santo.

Rafael, Augusto e Raul: boa temporada na Espanha e entrosamento

Rafael, Augusto e Raul: boa temporada na Espanha e entrosamento

Oito desses atletas disputaram o Sul-Americano de 2014, em Isla Margarita, na Venezuela: os três 'espanhóis', Benite, Meindl, Olivinha, Mineiro e Hettsheimeir – ficaram fora Gegê, Arthur, Jefferson William e Cristiano Felício. O que supõe uma continuidade de trabalho. Sob a orientação de José Neto, terminaram u com a medalha de bronze, derrotados pela Argentina na primeira fase e pelos anfitriões na semifinal. Foram partidas equilibradas e inconsistentes de um time com potencial para ser campeão. Fischer estava na lista preliminar, mas foi cortado por lesão. Gerson, uma das boas novidades do NBB, é estreante de tudo. Marcus retorna a uma lista oficial pela primeira vez desde a era Moncho, se não falha a memória. Embora, no meu entender, não tenha feito um grande NBB, Larry aparece como uma espécie de homem de confiança da seleção, tendo participado de todas as principais competições desde 2012.

É um grupo com muito talento, de qualquer forma, com jogadores versáteis e um bom equilíbrio entre velocidade, força física e capacidade atlética. “Formamos um grupo de trabalho que mescla jogadores experientes e jovens que vão atuar pela primeira vez na seleção adulta. O importante é que temos um bom tempo de preparação. Posso garantir que é uma equipe bastante sólida e alguns atletas poderão ser convocados para a Copa América'', disse Magnano, que começará a trabalhar com os atletas no dia 14 de junho, em São Paulo, tanto no Paulistano como no Sírio. Resta saber apenas se ele vai estar no Canadá, ou não. Era para ser uma reposta simples, mas, quando o assunto é a confederação nacional, isso tem se tornado cada vez mais raro.

Boi na linha
Se Magnano não compareceu ao fim de semana do Jogo das Estrelas do NBB, em Franca, em março, o presidente da CBB, Carlos Nunes, ao menos esteve por lá. Em entrevista à repórter Karla Torralba, o dirigente já havia descartado a presença do argentino no Pan. Bom, parece que ele se antecipou um tanto, né? Na ocasião, afirmara que um problema relacionado à mudança do treinador para o Rio de Janeiro seria uma barreira para tanto. Não fazia o menor sentido a declaração. Agora, como vemos, a questão era mais complicada. No mesmo texto, para constar, tivemos mais esta frase aqui: “Vamos ter todos os melhores jogadores. Ainda temos que conversar a liberação dos atletas da NBA, mas a intenção é mandar todos''. Também não foi bem isso o que aconteceu. Havia uma preocupação política: agradar ao COB, lutando por medalha no Pan, para fortalecer o currículo desportivo brasileiro às vésperas de uma Olimpíada em casa. Ainda não sabemos qual o nível das equipes que vai para o torneio. O Canadá promete ser forte – Andrew Wiggins e Kelly Olynyk já sinalizaram que vão participar. Os Estados Unidos, por outro lado, vão com um time alternativo. Mark Few, técnico de Gonzaga, deve mesclar universitários e profissionais, mas não gente da NBA. Talvez atletas da D-League ou do mercado europeu.


LeBron carrega Cavs em esforço que justifica (e relativiza) estatísticas
Comentários 2

Giancarlo Giampietro

A linha estatística de LeBron James deste domingo é qualquer coisa de anormal, mesmo: 37 pontos mais 18 rebotes maaaaais 13 assistências, em 47 minutos de jogo. E sabe o que mais também? Tentou 37 arremessos de quadra, convertendo 14 (37,8%). O que deveria levar todo mundo automaticamente ao seguinte questionamento: e se fosse o Kobe ou o Westbrook? Estaríamos falando de um ato heroico, que justifique a belíssima foto abaixo, ou seria simplesmente um espancamento público?

LeBron, Game 3, East Finals, Cavs, Hawks, triple-double

LeBron, hero, Cavs, Cleveland, playoffs 2015

Agora, antes que os defensores de Kobe, Wess e LeBron se inflamem, vamos apelar para aquela máxima do bom senso: que tal a gente relativizar os números, em vez de processá-los friamente, ignorando o que se passou ao redor do protagonista em quadra. De novo aquele conselho de jamais acessar a tabela de estatísticas e tão somente as estatísticas para dizer se um jogador “brilhou'', “deu show'' ou “amarelou'' e “afundou'' o time.

Assim, de cara, dá para dizer que não é saudável que um atleta precise arremessar 37 vezes para levar seu clube ao triunfo, como aconteceu neste domingo, com o Cavs vencendo o Hawks por 114 a 111 para abrir 3 a 0 na série. Isso, aliás, é algo que contraria até mesmo a visão de jogo do craque, um cara que já foi acusado no início de sua carreira de passar até demais a bola em momentos decisivos. Quem se lembra disso? Foi lá em 2008.

Mas o que a gente vê hoje em quadra é justamente um Cleveland que lembra, em muitos aspectos, sua versão de seis, sete anos atrás, mesmo. Sem Kyrie Irving, sem Kevin Love, o que se tem é um conjunto que gira em torno completamente de seu grande astro. Pivôs competentes e combativos, mas que não criam por conta própria (tal como Zydrunas Ilgauskas e Anderson Varejão) e um bando de chutadores e operários no perímetro (com a diferença de que JR, Shumpert e mesmo Dellavedova superam as contribuições de Daniel Gibson, Damon Jones e dos Sasha Pavlovics da vida).

Uma cena que deixou isso mais evidente foi quando sentiu uma torção de tornozelo na reta final da partida e ficou mancando por umas duas ou três posses de bola. Pediu para ser substituído. Quando olhou bem para o banco, porém, pensou duas vezes e disse que ficaria em quadra. Não dava para chamar Mike Miller, Shawn Marion ou James Jones numa situação daquelas. “LeBron sabia que não venceríamos o jogo sem ele. Ele simplesmente não nos deixaria perder. Fantástico'', afirmou David Blatt. Pois é: está na cara que o Cavs só chegou a três vitórias nesta série devido aos talentos do ex-morador de South Beach.

Se LeBron tentou 37 arremessos, é porque foi preciso. Entre seus companheiros, só mesmo JR Smith tem capacidade de criar jogadas por conta própria na hora do aperto, e nem isso é lá muito recomendado. Sobrou uma carga enorme para o craque monitorar, num esforço muito desgastante. Da mesma forma que aconteceu com Russell Westbrook durante o campeonato e como já ocorreu com Kobe Bryant em meados da década passada, quando ele poderia alcançar 81 pontos numa partida. Uma coisa é esfomear com Kevin Durant, James Harden, Kevin Martin, Pau Gasol, Andrew Bynum ou Lamar Odom ao seu lado. Outra, com Andre Roberson, Anthony Morrow, Serge Ibaka, Smush Parker, Ronnie Price e Carlos Boozer. O ideal, antes de julgar, é deixar qualquer preconceito de lado e procurar se ater aos fatos.

“É preciso confiar nos seus companheiros'', vai pregar qualquer treinador. Claro que sim. E LeBron confia em Thompson, Mozgov, Dellavedova, JR e Shumpert. Nota-se isso a cada pedido de tempo ou mesmo a cada erro deles. Acontece que, na atual conjuntura da equipe, a relação entre a estrela e os coadjuvantes é de submissão, mesmo.

Blatt poderia fazer alguma coisa a respeito? O natural é cobrar, mesmo, algo a mais de um técnico desses, algo além do bumba-meu-boi-LeBron-contra-a-rapa, que o deixa todo estourado ao final da partida. Por outro lado, não dá para ignorar as dificuldades que os desfalques de Irving e Love representam. Você pega um elenco novíssimo no início da temporada, desenha, planeja o que precisa ser feito. Demora para entrosar, para que os atletas se entendam, ainda mais com grandes mudanças no elenco no meio do caminho. Quando chega o momento de decisão, duas peças vitais da equipe caem. Não vai ser em uma semana de treinos que tamanho ajuste sistêmico vai ser feito.

Para fechar, segue, então, um apanhado de dados sobre o que a atuação do astro representa para sua equipe neste jogo em específico e também a quantas anda seu contexto histórico estatístico na fase decisiva da NBA:

4.782 – É o seu total de pontos em jogos de playoff, ultrapassando o carteiro Karl Malone para ocupar a sexta posição na lista. Acima dele, estão: Michael Jordan (5.987), Kareem Abdul-Jabbar (5.762), Kobe Bryant (5.640), Shaquille O'Neal (5.250) e Tim Duncan (5.113). Boa companhia, né?

60% – LeBron foi responsável por 60% dos pontos do Cleveland neste domingo, somando 68 pontos entre as cestas que fez e as assistências que deu. Apenas no terceiro período, esteve envolvido com 29 dos 33 pontos do time – dois deles numa belíssima infiltração seguida por cravada sobre dois (vídeo abaixo). Mais sobre a carga que carregou: foram dele 37 dos 97 arremessos. Dos 60 arremessos do restante do elenco, 30 saíram em chutes de três pontos, numa tática clara de espaçamento da quadra para o astro, com o ataque inteiro girando ao seu redor. E o aproveitamento dessa rapaziada foi excelente, matando 13 em 30 (43,3%).

22 – LBJ foi o primeiro jogador em 22 anos a bater a marca de 35 pontos, 15 rebotes e 10 assistências num confronto de playoff, desde Charles Barkley em 1993, pelo Phoenix Suns. Antes disso, apenas James Worthy havia conseguido essa marca, em 1988, pelo Los Angeles Lakers. Agora, se for falar em um mínimo de 37 pontos, 18 rebotes e 13 assistências, isso nunca havia acontecido antes.

18 – Com 18 rebotes, o astro superou, sozinho, os dois pivôs titulares em seis. Timofey Mozgov somou 5, enquanto Tristan Thompson coletou 7.

12 – Podemos computar já uma dúzia de triple-doubles para o camisa 23 do Cavs em playoffs, ocupando o segundo lugar na lista histórica nesse quesito, atrás apenas de um tal de Magic, que soma… 30. Jason Kidd, porém, ficou para trás, com 11.

6 – Foi o sexto jogo da carreira de LeBron em mata-matas com 30 pontos, 10 rebotes e 10 assistências. O líder para jogos deste nível é o legendário Oscar Robertson, com oito. Wilt Chamberlain e Barkley bateram a marca duas vezes. Se for para se ater apenas a jogos com 30 pontos, o craque chegou ao 75º, superando Jerry West e empatando com Abdul-Jabbar na terceira posição, atrás de Jordan (109) e Kobe (88).

3 – Ainda aconteceram três recordes pessoais para James, contando inclusive partidas pela temporada regular: número de arremessos tentados (os famigerados 37), número de arremessos dentro do garrafão (25) e rebotes ofensivos (8, muitos deles decorrentes dos erros iniciais no primeiro quarto).


Golden State Warriors mostra todo o seu potencial, chutando e defendendo
Comentários Comente

Giancarlo Giampietro

O Golden State Warriors parte para a definição rápida. Se quiser, amigão, pode até chamar de “chega e chuta'', ou “chuta-chuta'', se preferir. Com o que Stephen Curry tem arremessado durante toda a temporada, não há o que se fazer, mesmo. Mas, depois de o time ter destroçado o Houston Rockets no Jogo 3 deste sábado, creio que não há mais como enxergar a máquina de Steve Kerr apenas como um time aríete, de tresloucados (e talentosos) gatilhos de três. Tem muito mais rolando por trás do sucesso

“Foi uma grande lição para nosso time: se defendermos como doidos e cuidarmos da bola, a gente tende a se dar bem'', afirmou o treinador em sua coletiva pós-jogo, numa das raras respostas em que não precisou falar sobre o show que seu armador deu em quadra no triunfo por 115 a 80, abrindo 3 a 0 na série, encaminhando uma varrida para cima do cabeça-de-chave número dois da Conferência Oeste.

Vitória magistral que mostra todo o potencial deste time

Vitória magistral que mostra todo o potencial deste time

Foi uma combinação de ataque e defesa que levou o Warriors a um resultado impressionante desses. Com os grandes campeões devem fazer, numa receita sempre ressaltada por Phil Jackson: a execução de uma boa marcação leva ao jogo de transição eficiente, enquanto um ataque bem realizado facilita a recomposição defensiva. Tudo em plena harmonia. Resta saber apenas se o Mestre Zen enxerga isso neste Golden State, dirigido pelo técnico que o deixou no altar antes de a temporada começar, ou se ainda se apega a uma visão conservadora e anuviada que pode tratar um timaço desses como um bando de delinquentes, que mancham a história do jogo. Pura bobagem.

Depois de duas derrotas apertadas na Califórnia, tentando dar o troco em sua casa, o Rockets deu de cara com um muro. Acertou apenas 28 de 83 arrmessos (33,7%), errando 20 de 25 chutes de longa distância (20%) e cometendo o mesmo número de turnovers e assistências (15) – comparando com médias de 44,7%, 33,7% e 22,3 x 15,1. Os 18 pontos do primeiro quarto e os 37 antes do intervalo foram suas marcas mais baixas nos playoffs.

>> Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa

James Harden foi quem mais sentiu, limitado a apenas três cestas de quadra em 32 minutos e 16 chutes. Deu um jeito de bater 11 lances livres e chegar a 17 pontos, mas com sérios problemas. Não foi apenas o esforço de Barnes, Iguodala e Thompson que atrapalhou o barbudo. “Nossa marcação de ajuda e nossa proteção do aro também'', disse Klay. “Draymond, Andrew e Fetus fizeram um trabalho fabuloso contra ele.''

O que o Warriors faz é, na verdade, revolucionário. Uma equipe que combinou na temporada regular o ritmo de jogo mais veloz  e, ao mesmo tempo, sustentou a defesa mais eficiente. Supostamente, de acordo com a teoria de tudo, essas coisas não poderiam andar juntas. Ou você joga acelerado e abre mão da retaguarda, ou você adota um ritmo moderado para poder proteger seu garrafão de modo adequado. Vamos resgatar alguns exemplos recentes, comparando os resultados?

ataque-defesa-ritmo-warriors

Ritmo mais veloz que os outros quatro times e a melhor defesa disparada

Agora, quer saber um segredo? Durante os playoffs, o time está jogando com uma proposta mais comedida. Entre os 16 classificados, tem apenas o 11º ritmo mais rápido – ou o quinto mais lento. Obviamente que você desconta um pouco essa mudança pelo simples fato de ser uma amostra reduzida de jogo: apenas 13 comparando com os 82 da temporada, enfrentando um adversário que gosta de retardar as ações em quadra, como o Memphis Grizzlies, pelo caminho. São até agora 95,25 posses de bola por 48 minutos, muito mais perto do lanterninha Cleveland Cavaliers (92,67) do que do mais ligeirinho, o Dallas Mavericks (104,4). Se for pegar apenas a final do Oeste, contra um adversário que pede aceleração, o número sobe para 98,59 posses, ainda distante do topo.

O curioso é que, mesmo com um ataque mais lento, o Warriors tem cometido mais turnovers por 100 posses de bola do que na temporada regular (15,7 x 14,4), liderando essa estatística um tanto desagradável. Daí a preocupação de Kerr em mencionar os turnovers em sua declaração. Afinal, se cuidarem com carinho da bola, serão mais chances para Curry e Thompson chutarem. E aí…

Traduzindo em números, temos:

Sinta o estrago

Sinta o estrago. Esse é o gráfico de aproveitamento de Curry nestes mata-matas

Destacar o coletivo do Warriors não impede que a gente se delicie com o que o Chef Curry vem colocando na mesa. Tudo o que um ataque quer é que um cara desses parta para a finalização. Na mesma proporção, a defesa se desespera. Neste sábado, foi até um exagero: 40 pontos em apenas 19 arremessos para Curry, com 12-19 de quadra, 7-9 de três, 9-19 nos lances livres. Mais sete assistências, em 35 minutos. O bombardeio de longa distância é o que mais chama a atenção, mesmo, mas o estrago que o armador fez foi geral. Passeou pelo garrafão com seu drible belíssimo e fez aquelas bandejas que Steve Nash ensinou para a garotada. “Ele vem de um campeonato brilhante. É difícil descrever seu arremesso porque acho que nunca alguém chutou dessa forma a partir do drible, ou a partir do passe'', disse Kerr.

Chef Curry, aliás, é o apelido que vem ganhando força para o astro do Warriors. O engraçado, porém, é que ele prefere “Baby Face Assassin'', o assassino cara de bebê – “Cruel, muito cruel'', diria o Januário. “Entendemos que é um momento especial. Estamos envoltos nessa rotina do dia-a-dia de preparação para os jogos e ir para quadra e pôr em prática todo o esforço que precisamos para fazer essa história acontecer'', afirma o armador.

O lance mais emblemático em termos de crueldade aconteceu na metade do terceiro período, depois de um toco de Dwight Howard em Klay Thompson. A bola o procurou para isto:

Alguns minutos antes, ali do mesmo cantinho, já havia matado uma bola para silenciar – e mandar sentar – um torcedor texano mais enxerido:

“Isso que é divertido num jogo de playoff fora de casa. Você encontra esses caras que querem te perturbar, caras que pagam muita grana por esses assentos e querem fazer valer o dinheiro. Se eles querem falar, podem ouvir de volta, espero'', afirmou Curry. De fato. O torcedor do Rockets pagou uma nota e tem o direito de se chocar – ou se divertir – com uma apresentação dessas. Não só do armador, como de um todo.

Na saída do Jogo 2 em Oakland, quando James Harden teve a última bola em mãos para poder igualar a série, os atletas do Warriors em geral afirmaram que estavam se sentindo bem pelo fato de nem terem jogado tão bem assim e estarem com 2 a 0 no placar geral. Aí que o Rockets e o restante da NBA puderam ver todo o potencial da equipe em prática.  Defendendo e chutando muito. Um basquete para ser campeão e rever conceitos.


JR Smith: da confusão ao encaixe para reforçar o Cavs
Comentários Comente

Giancarlo Giampietro

E aí? Não é que deu certo?

E aí? Não é que deu certo?

O supertimes tendem a dar muito certo. O Boston Celtics de Pierce, Garnett e Allen precisou de apenas um training camp para se entender perfeitamente e caminhar para o título, o primeiro da franquia desde a era Larry Bird, após 22 anos. Em Miami, levou um pouco mais de tempo para LeBron e Wade se acertarem e terem na quadra o mesmo entrosamento da sala de estar, ou do jatinho privado, no caso. Karl Malone não conseguiu o anel com o Lakres, mas foi até a final ao lado de Shaq, Kobe e Payton, mesmo numa temporada 2003-04 espalhafatosa e acidentada.

Agora, no momento de construir uma equipe, o gerente geral X não vai obrigatoriamente buscar sempre os melhores componentes, o que há de melhor disponível no mercado. Existe, ou deveria existir uma preocupação com o encaixe dessas peças, tanto do ponto de vista esportivo, como na questão do convívio social. Não que todo elenco de NBA requeira uma aura fraternal. Família Kerr, Família McHale… Coisa mais cafona. Se tiver, porém, tanto melhor. Apenas espera-se que os jogadores tenham um mínimo de respeito mútuo para que o projeto possa ser levado adiante.

Tudo isso para chegar ao Jogo 1 da final da Conferência Leste, também já conhecido como O Jogo de JR Smith – assim como a sétima partida entre Clippers e Spurs pertence a Chris Paul. O que o ala ex-Knicks fez na quarta-feira foi para deixar qualquer observador maluco, independentemente de sua ocupação ou filiação. Torcedor, jogador, técnico, olheiro, dirigente, do Cavs ou do Hawks. Todos de queixo caídos, por diversas razões.

Fato 1: JR anotou 28 pontos, seu recorde pessoal nos mata-matas, sendo que 24 deles vieram em arremessos de três pontos. Seu aproveitamento ultrapassou o limite do absurdo, com oito conversões em 12 tentativas de longa distância.

Fato 2: JR converteu, então, 66,7% de seus arremessos de fora. O Cavs, excluindo seus números, ficou em 2-14 (14,3%). O Hawks chutou 4-23 (17,4%).

Fato 3: Dos 28 pontos de JR, 17 aconteceram entre a marca de 3min27s do terceiro período e a de 9min59s do quarto. Foram cinco disparos de três nesse intervalo, vencido por Cleveland por 22 a 4, para que uma vantagem de 85 a 67 fosse aberta no placar. O time da casa reagiria, mas o estrago foi grande demais.

Fato 4: Sabe quantos pontos os demais reservas de David Blatt fizeram? Nenhum. Zero. Nada.

Fato 5: As oito cestas de três do ala representam a segunda melhor marca de um jogador que tenha saído do banco em uma partida de playoff. Jason Terry encaçapou 9 pelo Mavs em 2011.

Foi uma exibição especial de um talento especial, que pode assombrar os adversários se empolgado. Ao mesmo tempo, talento cujo detentor também afugentou muitos dirigentes durante a temporada – e toda a sua carreira, na real. Vale a pena ler uma reportagem de Brian Windhorst no ESPN.com, na qual ele detalha como o Knicks estava desesperado para se livrar de Smith, até o Cleveland topar a empreitada. “Francamente, o Knicks estava tentando limpar seu contrato da folha salarial na próxima temporada, mas também queria afastá-lo do time. Reclamando sobre sua situação e o status decadente do Knicks, Smith não estava apenas falhando em produzir, mas também dando muito trabalho. Na verdde, o Knicks estava tentando encontrar um meio de se livrar deles há meses'', escreve.

Se o seu antigo time o estava tratando dessa forma, que tipo de problema ele poderia causar num vestiário que já andava um tanto turbulento? (Para não falar, claro, de todo o dossiê já público sobre sua prática avançada do lunatismo.) Foi o tipo de reflexão que o gerente geral David Griffin teve de fazer antes de levar o negócio adiante. A preocupação era tamanha que o cartola chegou a pedir autorização para o Knicks para conversar com o jogador antes de assinar qualquer coisa.

Para bater o martelo, teve cobertura. Sondou LeBron e Blatt e ouviu sim de ambos. O astro não só avalizou a troca, como também a incentivou. Disse que tomaria conta do reforço. O treinador também não se mostrou preocupado com a bagagem fora de quadra: se fosse pensar apenas no jogo, as habilidades de JR seriam perfeitas para um time que precisava de mais capacidade atlética no perímetro e mais arremesso. A combinação deu certo, como podemos notar, e nem mesmo a suspensão que sofreu por agressão a Jae Crowder foi recebida de forma negativa pelo clube. Windhorst relata: todos acharam o gancho de dois jogos exagerado, apoiando o ala. Provavelmente nenhum treinador tenha se empenhado tanto como Blatt vem fazendo, na hora de defendê-lo.

Xácomigo: LeBron disse que cuidaria de JR

Xácomigo: LeBron disse que cuidaria de JR

E aí veio essa atuação fantástica para o Cavs roubar o mando de quadra do Hawks na primeira partida para dar razão a todos. Cheio de confiança, Smith fez chover bolas de três em Atlanta, com alguns arremessos num grau de dificuldade altíssimo. Depois, figura que só, diria aos jornalistas presentes: “Prefiro tentarsempre um arremesso contestado a um chute livre. É meio entediante quando você arremessa livre''. E não é que os números comprovam sua preferência? O ala converte 48% nos chutes marcados, comparando com os 40% quando está isolado.

É praticamente impossível que ele consiga repetir esse tipo de desempenho, e nada perto disso pode ser cobrado, mesmo. Mas o fato é que o cestinha se sente respaldado e tem liberdade para atacar, botando pressão na defesa adversária e abrindo a quadra para LeBron fazer das suas, assim como havia acontecido na campanha 2012-13 pelo Knicks, com um sistema aberto de Mike Woodson ao redor de Carmelo. Um grande contraste com o sistema de triângulos, um ataque que propicia liberdade nos movimentos (as jogadas não são rabiscadas), mas pede muito paciência para esperar boas oportunidades de finalização. Esse alto astral, essa lua de mel muito provavelmente não vá durar ad eternum, pois a volatilidade de Smith beira o incontrolável. De qualquer forma, pelos resultados apresentados até aqui, a aposta já valeu.

O chuta-chuta parece até meio desmedido em algumas situações? Sim, tem hora que o Cavs exagera como um tudo. Por outro lado, pensem nos pivôs do time: Timofey Mozgov, Kevin Love (antes) e, principalmente, Tristan Thompson. Os três têm uma presença intimidadora perto da tabela. O canadense devora a tábua ofensiva com voracidade – contra o Hawks, foram cinco; na temporada e nos playoffs, coleta 14% das sobras. No ranking de times, apenas o Dallas Mavericks coleta mais rebotes no ataque nestes playoffs. Faz mais sentido, então, ter um chutador como JR nessa configuração. Você quer que ele acerte tudo, claro. No caso de erro, contudo, há quem esteja lá para tentar compensar. As características de cada atleta se interligam. A partir daí se forma a química em quadra. No vestiário, lideranças como LeBron e Perk entram em cena.

Iguodala num gesto em prol da química da melhor campanha da liga

Iguodala num gesto em prol da química da melhor campanha da liga

Esse tipo de situação se repete em diversos times que ainda estão no páreo, em diferentes níveis. Pegue o Houston Rockets, por exemplo, e sua rotação no perímetro. Patrick Beverley faz uma falta danada, mesmo que não seja exatamente um armador de ponta. Não sei nem mesmo se dá para enquadrá-lo como um “armador'', “armaaaaador'', mesmo. E talvez nem precise. Afinal, James Harden é o condutor do ataque, quem controla a bola, enquanto Beverley oferece chute de três do lado contrário e muita pegada defensiva. Os dois se complementam. Não que um jogador como Goran Dragic ou Kyle Lowry (ex-jogadores do clube, especulados nos últimos meses como possíveis alvos de Daryl Morey) não possa dar certo, mas qualquer um deles exigiria um bom ajuste tático e técnico por parte do segundo colocado na eleição de MVP desta temporada. Beverley, diga-se, foi contratado antes mesmo de Harden, mas se tornou uma companhia perfeita. Agora vai virar agente livre. Em Houston, sua importância é amplificada. Sem um ala-armador como Sr. Barba ao seu lado, será que renderia com a mesma eficiência ou relevância?

Em Oakland, Andre Iguodala foi convencido por Steve Kerr a sair do banco de reservas. Não quer dizer que hoje seja um jogador inferior a Harrison Barnes. Entrando com a segunda unidade, porém, ao lado de Shaun Livingston, pode apertar a defesa e sufocar adversários, em teoria, inferiores, além de partilhar a bola e fazer o ataque fluir. Por outro lado, o envolvimento de Barnes com os titulares elevou sua produção. O jovem dá mais amostras de seu potencial. Agora, como seriam as coisas sem a companhia de chutadores como Curry e Klay ao seu lado? É mais fácil jogar como a terceira, quarta opção em quadra do que como a referência, o foco da segunda unidade, né? Como nos tempos de Mark Jackson.

O Atlanta Hawks como um todo talvez seja o maior exemplo disso, no qual o todo se tornou indiscutivelmente maior que a soma de suas partes – temos um supertime moldado de outra forma, sem superestrelas, mas com um nível acentuado de entrosamento e preparação. Essas são questões que qualquer torcedor deveria fazer antes de cobrar, comentar ou vibrar com qualquer contratação. Nem sempre o talento individual deve prevalecer. No caso de JR Smith, a verdade é que os recursos individuais nunca foram um problema. Difícil era enquadrá-lo. Ou melhor: encaixá-lo.


James Harden, um turnover e a liberdade de se tomar uma decisão
Comentários 1

Giancarlo Giampietro

Parece que a ampla maioria da rapaziada que embarcou no plantão corujão na madruga desta quinta para sexta entendeu que o técnico Kevin McHale cometeu um erro gravíssimo ao não pedir tempo e parar o jogo quando Harrison Barnes errou uma bandeja em reverso meio exagerada, com o rebote sobrando para seu Houston Rockets. Na mão de James Harden. Restavam 9 segundos no cronômetro, e o placar era de 99 a 98 para o Golden State Warriors.

McHale deixou o jogo correr, e o Sr. Barba saiu em disparada, e em três segundos, o Rockets tinha vantagem numérica na transição ofensiva, com quatro atletas contra três cruzando primeiro a linha que divide a quadra. Havia diversas possibilidades de execução ali, todas, claro, precisando ser processadas em questão de décimos de segundo (mais sobre elas adiante). O segundo jogador mais votado na eleição do MVP da temporada, porém, não as aproveitou. Deu uma hesitada com a bola, errou. A marcação apertou, a bola escapou. Nem mesmo o chute ele conseguiu executar. Warriors 2 a 0 na série.

harden-turnover-game-2-warriors-rockets

O desfecho foi todo atrapalhado, sufocante, é verdade. Mas ainda penso que foi a decisão correta – ou melhor: a decisão que me agrada mais, com um treinador demonstrando poder de confiança nos seus atletas, em vez de exercer um papel supercontrolador. Aliás, essa não é uma das grandes reclamações sobre a NBA de hoje? As constantes intervenções, paradas? Lembrando que, no basquete Fiba, não haveria a chance de se pedir tempo ali. Que os jogadores consigam solucionar problemas em quadra, ué. Ainda mais quando estamos falando de uma liga em que o salário médio é de US$ 4 milhões, o maior em todas as competições de alto nível do esporte mundial. Não só do basquete, mas no geral, mesmo. Caras que podem ser um tanto mimados por vezes, mas que, em quadra, presume-se grande maturidade.

Disse McHale sobre a jogada: “Era o Harden descendo a ladeira. Se tenho nosso melhor atleta criando a partir de uma jogada quebrada, aceito isso em qualquer dia da semana''. Trevor Ariza, que já ganhou um título pelo Lakers em 2009: “Harden tinha a bola, e toda vez que ele está com a bola, sentimos que temos uma chance''. O barbudo, então, fala por si: “Se tivermos essa jogada dez vezes, vamos para ela dez vezes''.

>> Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa

Realmente, não vejo problema nisso. Harden teve a chance de definir, apenas falhou. Isso não significa que, com pedido de tempo e uma jogada desenhada, o Rockets teria garantido um arremesso livre. Jogadas como essa são estudadas exaustivamente pela oposição, gente. Mesmo uma bola decisiva no final certeira, a partir das instruções de um treinador, acaba geralmente contestada. Não é, Pierce? O ala do Washington executou lances mirabolantes neste mata-mata, mas com alto grau de dificuldade. Não sobrou livre para aprontar em nenhum buzzer beater. Aí cabe ao treinador desenhar algo mais criativo, claro. Mas mesmo uma versão alternativa corre o risco de já ter sido filtrada por uma comissão técnica vasta, apoiada por um batalhão de scouts, como no caso do Golden State Warriors. Que, por sinal, calha de ser a melhor defesa da NBA.

Vamos, então, ao lance derradeiro – se o torcedor do Houston quiser pular essa parte, tudo bem. Está na marca de 2min49s:

1) Barnes erra em sua infiltração, e Draymond Green vai com tudo para o rebote ofensivo, em vão, e acaba até mesmo saindo de quadra, enquanto seu companheiro está no chão, desequilibrado. Para que parar o jogo aqui, especialmente quando o seu time está treinado para jogar em velocidade?

warriors-rockets-game-2-final-play-1

2) Em coisa de dois segundos, o que temos? Três jogadores do Rockets descendo a quadra contra três defensores. Quadra aberta, ainda mais quando a bola está nas mãos de um Harden, daqueles que consegue encontrar espaço num garrafão abarrotado.

warriors-rockets-game-2-final-play-2

3) Harden acabou avançando um pouco além da conta? Talvez, mas os visitantes estão novamente em vantagem numérica, com quatro atacantes adiantados em relação aos defensores, ainda que os cinco Warriors apareçam no grame (Dwight Howard, com seu joelho dolorido, limitado, ficou para trás). Mais de 2 segundos se passaram.

warriors-rockets-game-2-final-play-3

4) Aqui chegamos ao momento que julgo crítico. Percebam o corredor que Terrence Jones tem pela frente, e o garrafão escancarado. Klay thompson está logo atrás de Curry, preocupado com o camisa 13. Draymond Green estava atrasado na recuperação e, do lado direito, Iguodala tem um Corey Brewer para vigiar. Pior: Jones estava na mira de Harden. Um passe a partir do drible o encontraria livre, e aí era subir para a cravada. Iguodala se recuperia a tempo? Talvez, mas conseguiria parar um jogador mais alto, atlético em alta velocidade? Talvez só com falta. Só percebam que menos de um segundo passou do frame acima para este:

James Harden, turnover, Game 2, Rockets, Warriors, West Finals

5) Harden perdeu o bonde de Jones, no final. Aqui, a linha de passe já era. E aí ele passa para Howard, vindo de trás. Pois havia parado de driblar e estava numa posição delicada, já cercado também por Barnes. Este é o momento em que o astro ou McHale deveriam ter pedido tempo, enfim. Havia segundos de sobra para tramar algo.

warriors-rockets-game-2-final-play-5

6) Harden fez o passe para Howard e recebeu a bola de volta. Agora já tem uma barricada a sua frente. Kevin McHale afirmou, depois, que neste instante pensou em parar o jogo. Deveria ter feito, restando 2s5 no cronômetro. Aí veio o turnover, e c'est fini. Game over.

warriors-rockets-game-2-final-play-6

Harden teve uma brecha clara para o passe. Poderia também ter sido mais agressivo e batido para a cesta de vez – mas talvez estivesse preocupado também em não deixar alguns segundos para um eventual troco de um time que conta com Steph Curry. McHale realmente deveria ter invadido a quadra e brecado tudo. Havia tempo para rabiscar. Mas é fácil falar assim, né? Dividindo uma jogada de 9 segundos em seis frames. Sabendo que ela não deu certo. Na hora, tanto o treinador como o ala-armador precisam processar tudo o que se passava em quadra, jogando contra o relógio. Ambos falharam.

É tudo um aprendizado, no fim.

Como protagonista, lembremos, é apenas a primeira vez que Harden faz uma final de conferência, que chega tão longe nos playoffs. Em 2012, fez uma péssima série decisiva contra o Miami Heat, mas era apenas o número três, atrás de Durant e Westbrook. Não dá para falar em tremedeira também, por favor, já que o cara foi responsável por 10 dos últimos 12 pontos do Rockets e ainda municiou Dwight Howard para a outra cesta de quadra – terminou com 38 pontos, 10 rebotes, 9 assistências, 3 roubos de bola, descansando apenas sete minutos. Imagino que, na próxima chance que tiver, o barbudo não vai hesitar em agredir a cesta, assim como fez durante toda a temporada. Sua frustração incontrolável na saída de quadra indica isso.

Agora é só esperar que McHale aposte nele mais uma vez.

*    *    *

Sobre o Chef Curry? Afe.

O MVP já soma 57 bolas de três pontos nestes playoffs. Precisa de apenas mais uma para igualar o recorde de Reggie Miller em 2000. Naquela ocasião, o ala do Pacers foi até a final da liga, perdendo para o Lakers de Shaq e Kobe. A dúvida que fica é se Steph vai passar dessa marca com dois ou três minutos de jogo em Houston, no sábado. O queridinho da América tem um aproveitamento de 87,5% (14-16) nos arremessos em que teve liberdade durante os mata-matas – só não confundam com lance livre. De longa distância, foram 8 em 10 tentativas sob essas condições. Quando contestado no perímetro, esse número cai para 44%  e 3-12, respectivamente.

Ah, e esta aqui não vale, ufa:


Loteria da NBA sorri para o torcedor do Lakers (e de Minnesota)
Comentários 3

Giancarlo Giampietro

Roda a roda! Bingo! Quem dá mais?

Parece gincana até, mas a loteria da NBA é coisa séria. Ou melhor, a liga americana conseguiu transformar até mesmo o sorteio da ordem de seu recrutamento de calouros num grande evento para TV. Um trabalho de marketing, de valorização do produto incomparável, fale a verdade. A audiência desta terça teve a maior audiência desde que a ESPN passou a transmitir a cerimônia, com um aumento de 10% em relação ao ano passado. Ajuda, claro, que Los Angeles Lakers e New York Knicks estivessem envolvidos no processo.

Para quem não viu, a ordem dos dez primeiros ficou a seguinte:

NBA Draft order, 2015

Pois é. O Minnesota Timberwolves, a pior campanha da temporada, conseguiu, hã, defender sua posição no topo da tabela, enquanto o Knicks, vice-lanterna, caiu para quarto. O Los Angeles Lakers, numa condição extremamente preocupante, poderia se ver obrigado a ceder sua escolha para o Philadelphia 76ers, caso ficasse fora do Top 5. Acabou, para alívio geral de Byron Scott, pulando para segundo. Enquanto o Philadelphia 76ers, que no final das contas não conseguiu ter nem mesmo o maior número de derrotas em seu questionado projeto, continuou em terceiro.

Alguns comentários, então, a respeito:

- Caso Flip Saunders não tente fazer nenhuma loucura, o Minnesota Timberwolves vai ter em seu elenco o número um dos últimos três Drafts. Isso jamais aconteceu na história da liga. E quem deve ser o primeiro colocado, o escolhido? A esmagadora maioria dos scouts aponta o jovem pivô Karl-Anthony Towns, de Kentucky, como o melhor prospecto. O torcedor brasileiro mais antenado vai lembrar que Towns já enfrentou a seleção brasileira vestindo a camisa da República Dominicana. É um talento formidável, mesmo, com muita versatilidade no ataque e uma presença defensiva respeitável. Tem apenas 19 anos e talvez só não esteja pronto para causar impacto imediato. Mas é visto como uma aposta segura em seu desenvolvimento. Acontece que, segundo as especulações de bastidores, entre todos os principais candidatos ao topo do Draft, o Wolves seria o único na dúvida entre Towns e o imenso Jahlil Okafor, de Duke. Saunders e seu estafe não estariam tão preocupados assim com as supostas deficiências do pivô (a falta de mobilidade ou interesse na defesa e o lance livre deficitário). Lembramos que Okafor começou a temporada por Duke como o candidato mais badalado, mesmo.

- Os dois são os favoritos a primeira e segunda escolhas. O que quer dizer que estariam dividos entre os lagos de Minnesota e os Lakers de Los Angeles.

Minneapolis_lakers_logo(…)

Sacou?

(Tu-tu-tun-tá!)

Para quem não pegou, o trocadilho vem do apelido Lakers. Não existem lagos em Los Angeles, gente. Essa foi apenas uma herança de uma franquia que saiu dos arredores da geralmente gélida Minneapolis para se basear em Hollywood, perto da praia. Uma mudança pouco estratégia, não é verdade? Aliás, a contraposição dessas duas cidades já gerou logo na noite do Draft a especulação de que os agentes dos novatos mais bem cotados possam fazer jogo duro com o Wolves, tentando empurrar seus clientes para o Lakers, que, além de qualquer fator geográfico ou climático, ainda é a segunda franquia mais vitoriosa da liga, a despeito dos fracassos recentes.

E aí? Quem está disposto a ser maltratado por Kobe?

- Só para ficar no clima piadístico ainda, talvez o fato mais comentado  que a própria definição do Wolves como o primeiro colocado – e a do Lakers, como segundo – tenha sido o de que Jahlil Okafor conseguiria segurar até 13 bolas de tênis em uma de suas mãos. Sim, mais de uma dúzia. Ver para crer:

A brincadeira aconteceu em um estúdio de gravação do Bleacher Report

A brincadeira aconteceu em um estúdio de gravação do Bleacher Report

Com a seguinte imagem, fica mais fácil de entender como é bem possível essa quantia:

bc8459d84fa1c4768e66fbc95f1f2363_crop_exact

 – Sobre o Knicks: Phil Jackson não compareceu ao evento, que, talvez para os padrões vencedores do Mestre Zen, pode parecer humilhante. Os jornalistas mais combativos de Nova York, porém, relembraram o fato de Pat Riley ter subido ao palco no ano em que o Miami Heat teve a pior campanha de sua história. Fato é que, antes de tentar seduzir agentes livres para jogar ao lado de Carmelo Anthony e aceitar o sistema de triângulos, Jackson vai ter de se concentrar no Draft e caprichar na quarta escolha – ou trabalhar com o telefone sem parar para encontrar alguma proposta que lhe agrade. Seria uma bobagem o Knicks trocar o pick. Afinal, vai ter a chance de adicionar um jovem, barato e provavelmente talentoso jogador ao seu elenco. Caso queira fazer uma troca, vai ser obrigado a assimilar um salário muito provavelmente bem maior e que poderia interferir até mesmo nos planos a partir de julho. Sim, o técnico mais vencedor da liga, mas um executivo inexperiente ainda, está sob pressão, depois de uma campanha ridícula em Manhattan.

- A lista dos representantes dos clubes na loteria contou com gente como Larry Bird, Russell Westbrook, Byron Scott, Vlade Divac, Alonzo Mourning e Nerlens Noel. Cabia, então, para o Knicks um Jackson ou um Carmelo, não? Pelo menos alguém mais carismático – e que tenha muito mais responsabilidade sobre os problemas nova-iorquinos – do que o gerente geral Steve Mills. “Acho que estamos abertos a muitas coisas'', disse Mills, após a decepção do quarto lugar. “Sabemos que podemos conseguir um bom jogador nessa escolha, mas estamos abertos a conversas com os outros times e avaliar opções diferentes.''Se o Knicks mantiver seu posto no Draft, deve se dividir entre os armadores D'Angelo Russell (mais técnico, chutador, comparado a James Harden) e Emmanuel Mudiay (atlético, explosivo, no estilo de um Derrick Rose), dependendo de quem sobrar. O ala Justise Winslow, campeão por Duke, também correria por fora. Dia desses, inclusive, foi a um jogo do Yankees com Carmelo.

- Ficar em terceiro talvez tenha evitado mais dor-de-cabeça ao torcedor do Philadelphia 76ers. Sim, estamos cientes que os mais fanáticos abraçaram o projeto de Sam Hinkie com ardor, confiando naquilo que já se chama de O Processo, com caixa alta. O Processo é como se fosse uma pessoa já, sempre presente na tomada de decisão do dirigente. De qualquer forma, voltando ao ponto: a não ser que Wolves e Lakers sobrevivam, não vai passar nenhum pivô por eles, o que empurraria Philly para a seleção de Russell ou Mudiay, que cobririam a lacuna deixada por Michael Carter-Williams. Empilhar Okafor com Joel Embiid e Nerlens Noel não faria o menor sentido, ainda que o discurso seria o de que Hinkie não se importa com o entrosamento do time agora e esteja pensando no futuro.

- No final das contas, não teve nenhum susto. Do tipo: o Utah Jazz saltar da 12ª posição para a terceira. Se fosse o caso, a torcida do blog ficaria para Indiana Pacers e Oklahoma City Thunder, dois clubes que não tinham a menor intenção de participar da loteria, mas se viram forçados a entrar na roda devido a uma sucessão de graves lesões. Um novato de ponta seria uma bela recompensa. Não rolou: continua, respectivamente, em 10º e 14º. Vestido desta maneira, porém, não havia como Wess dar sorte ao seu clube:

Mais uma edição da Russell Fashion Week

Mais uma edição da Russell Fashion Week

- Uma atualização sobre Georginho e Lucas Dias: os dois estão treinando numa academia no Arizona neste momento, se preparando para um giro de treinos/testes individuais com os clubes americanos. A procura está grande, e pelo menos seis convites já foram feitos. Ambos estão listados para participar do adidas Eurocamp em Treviso, entre os dias 6 e 8 de junho. Danilo Fuzaro, que passa a ser discutido com mais frequência e aparecer nas projeções pré-Draft, também aguarda um convite para o evento, que dá exposição boa não só para os times americanos como também para grandes clubes europeus.


Derrocada do Clippers começou muito antes da virada do Rockets
Comentários 1

Giancarlo Giampietro

Howard segue em frente. Blake parou pelo caminho

Howard segue em frente. Blake parou pelo caminho

O Houston Rockets foi o primeiro time desde 2006 a sair vencedor de uma série depois de ficar em desvantagem por 3 a 1, tomando duas surras em Los Angeles e perdendo o primeiro jogo sem um tal de Chris Paul em quadra. O que a gente tira desse resultado?

Que foi um colapso homérico do Clippers, claro.

Mas como entender uma façanha, para os texanos, ou um vexame desses, para os californianos? Resumir a um termo até meio chulo como “amarelão'' não cola. Afinal, dá para questionar a seriedade, a determinação ou força mental de um time que venceu agora há pouco o Spurs em San Antonio. Duas vezes. Por mais que tenham relaxado demais no Jogo 6, com a vitória praticamente garantida, fato é que perderam três partidas consecutivas para um rival aparentemente dominado, tendo imposto um saldo de 68 pontos nas primeiras quatro partidas.

O técnico David Thorpe, analista da ESPN e mentor de uma extensa lista de atletas da liga, entre eles o ala Corey Brewer e Kevin Martin (um atual jogador do Houston e outro ex-integrante), mandou a seguinte mensagem no Twitter após a virada improvável: “Pessoal, se vocês algum dia questionaram o quanto os executivos causam impacto em grandes times, agora já sabem. O Rockets venceu esta série na sala da diretoria''. Parece a melhor resposta, mesmo.

Banco? Qual banco?

Banco? Qual banco?

Não vamos perder tempo aqui discutindo quem é melhor em quadra: Harden, Howard, Paul, Griffin, Jordan… São todos talentos de ponta. Ambos os times fizeram campanhas excepcionais, empatados com 56 vitórias e 26 derrotas. Tudo podia acontecer na série. Em termos de técnico, o Clippers tinha uma presumida a vantagem, contando com Doc Rivers, um dos poucos campeões da liga ainda em atividade. Um excelente treinador, que comandou o ataque mais eficiente da temporada. Mas que foi sabotado pelas decisões do presidente o clube. No caso, ele próprio.

O Clippers tem a segunda folha salarial mais cara da liga e um dos quintetos iniciais mais fortes da liga, se não o mais forte. Concorre lá em cima com o time titular de Spurs, Warriors e Cavs em termos de rendimento. Mas essa galera não teve quase nenhuma ajuda durante uma maratona de temporada, que culminou com as duas séries mais desgastantes destes playoffs. O que fica mais claro, mesmo, é a diferença no projeto de ambos os clubes, prevalecendo a estrutura dos texanos, mais inquietos, ativos na liga, em detrimento de um oponente que se exauriu em quadra devido aos recursos escassos que tinha em quadra.

estatisticas-banco-clippers-doc-rivers-2015No total, durante 14 jogos da fase decisiva, ou 3.360 minutos disponíveis, os reservas do Clippers receberam apenas 926 (27,5%). E aqui estamos contando toda a carga de Austin Rivers, o jovem ala-armador que começou duas partidas como titular no lugar de um Chris Paul lesionado. Confira nas tabelas ao lado a diferença de produção dos reservas entre os quatro semifinalistas do Oeste. A segunda unidade do Clippers não lidera nenhuma categoria, mesmo com os minutos a mais abertos pela lesão muscular de seu principal armador. Se nos números totais, o time aparece com destaque, isso se deve apenas pelo fato de terem feito duas séries de sete jogos. Em médias absolutas de quatro estatísticas básicas, os substitutos não aparecem não lideram nenhuma coluna. (Os asteriscos aqui: Memphis também perdeu Mike Conley Jr. por três partidas, dando mais minutos a Beno Udrih e, principalmente, Nick Calathes, enquanto, no Rockets, estou contando Terrence Jones como o reserva, por ter encerrado o duelo passado desta maneira).

Tá certo: o Clippers, mesmo com esse plantel limitado, ficou muito perto de eliminar o Houston. Tinha uma vantagem de 19 pontos no terceiro quarto do Jogo 6, em casa. Depois de ter batido o San Antonio Spurs, os atuais campeões, a equipe que é exemplo quando o assunto é explorar todas as peças disponíveis. Justamente, não? Isso só reforça o problema. A série contra os compadres de Tim Duncan já foi muito exigente. Mas era apenas a primeira etapa.

O que levou o mesmo David Thorpe a trocar mensagens de texto com Corey Brewer durante o sétimo jogo no Staples Center, cujo conteúdo agora foi revelado. “Nós dois pensávamos que acabaria o gás do Clippers. O importante era não deixar que abrissem 3 a 0″, escreveu. Quer dizer: está aqui um técnico muito bem conectado, que já trabalhou com dezenas de atletas profissionais de alto nível e recebeu/recusou diversas propostas da liga, falando com um de seus pupilos, e os dois meio que admitindo que, tivesse a equipe californiana um banco melhor, muito provavelmente o Rockets não teria a mínima chance de evitar uma varrida. Mas não era o caso, e o Rockets conseguiu um triunfo apertado no Jogo 2 por 115 a 109 para estender um pouco mais o confronto. Deu no que deu. Na verdade, não foi um colapso, não foi súbito – e, sim, um desmoronamento gradativo.

Uma sucessão de erros
E aí vale dissecar a formação de ambos os elencos. É aqui que se escancara a diferença no projeto de ambos os clubes, prevalecendo a estrutura de Houston – tido nos bastidores da liga como “um clube grande'' –, com lideranças irrequietas, em detrimento de um oponente que se exauriu em quadra devido aos recursos escassos que tinha em quadra. Algo difícil de entender considerando que a parte mais difícil já havia sido feita: quando Doc herdou o Clippers de Neil Olshey, já tinha um timaço, com as estrelas garantidas, com Paul, Griffin e Jordan sob contrato.

Dos atuais titulares, o único que chegou sob a chancela do novo manda-chuva foi JJ Redick. Um belo reforço, mas cujos desdobramentos já foram um tanto suspeitos. Para ter o ala, foi orquestrada uma troca tripla com Bucks e Suns, que custou ao clube um prodígio como Eric Bledsoe e mais uma escolha de segunda rodada do Draft. Bledsoe já não aguentava mais ser reserva de CP3 e estava prestes a virar agente livre. Precisava sair, mesmo. Mas ainda era uma excelente moeda de troca. Então não é que Redick tenha vindo de graça, numa barganha. Além disso, nessa mesma transação, o clube recebeu Jared Dudley. O ala fez uma péssima campanha inaugural em Los Angeles, é verdade, mas foi dispensado rapidamente por questão de economia, para escapar de multas pesadas em cima da folha salarial. Daí que, neste campeonato, foi um dos líderes do surpreendente Milwaukee Bucks. Para se desfazer dele, Doc pagou mais uma escolha de Draft, dessa vez de primeira rodada. Um desastre, fruto de impaciência e de um conflito de interesses quando você é o técnico e o dirigente. O treinador quer peças para agora. O dirigente precisa cuidar do que vem pela frente.

>> Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa

É aí que entram as escolhas de Draft. Mercadorias importantíssimas na NBA de hoje devido ao baixo salário que os calouros recebem. É a grande chance de se contratar jogadores bons, para compor a rotação, pagando pouco. Ainda mais no caso de um Clippers que já paga US$ 48 milhões para seus três principais atletas – e espera pagar ainda mais, na hora de renovar com Jordan. Acontece que não só o técnico-presidente saiu gastando picks por aí, como também não soube aproveitar as que tinha. Em 2013, optou pelo ala Reggie Bullock – um cara vindo de North Carolina, com fama de bom chutador e defensor, o tipo de operário que se encaixaria perfeitamente no atual sistema. Depois de 658 minutos em uma temporada e meia, aos 23 anos, Bullock foi repassado para o Phoenix Suns na transação por Austin Rivers. Neste ano, foi a vez do ala CJ Wilcox, de Washington. Um senior, supostamente pronto para contribuir. Pois o cara terminou a temporada regular com 24 anos (é cinco anos mais velho que Bruno Caboclo, para se ter uma ideia) e apenas 101 minutos de tempo de quadra, em 21 jogos. Inexplicável – a não ser que a diretoria já esteja pronta para considerá-lo um fracasso, o que pegaria muito mal.

Farmar e Hawes: pareciam nomes certos, até que...

Farmar e Hawes: pareciam nomes certos, até que…

Por estar acima do teto salarial, restava a Rivers outras duas alternativas além do Draft para reforçar seu time: as exceções (midlevel e biannual) que cada franquia recebe para efetuar contratações, desde que tenha flexibilidade econômica para tal – que não tenham extrapolado qualquer limite do bom senso de acordo com as regras da liga, basicamente. Os alvos foram Spencer Hawes e Jordan Farmar. Bons nomes. Hawes foi cobiçado por muita gente no mercado, enquanto Famar tinha experiência de playoff e vinha de excelente jornada pelo vizinho Lakers. Acontece que, aí, quem falhou foi o treinador. Em nenhum momento a dupla de agentes livres se sentiu confortável, com dificuldade para mesclar suas habilidades com as do núcleo já pré-estabelecido. Com o quinto maior salário do elenco (mais de US$ 5 milhões), Hawes participou de apenas oito das 14 partidas nos mata-matas e recebeu 57 minutos. Só entrava em caso de extrema emergência, ou com o placar resolvido. Uma bomba. Farmar? Foi dispensado no meio do campeonato após desavenças com o comandante. O que não vai impedi-lo de embolsar boa parte dos US$ 4,2 milhões de seu contrato, mesmo que já esteja em ação na Turquia.

Sem muito mais dinheiro ou alternativas para investir e sem confiar nos atletas mais jovens, restou a Rivers apelar a veteranos para compor seu elenco de apoio. Caras de salário mínimo, que estivessem sobrando no mercado. Acontece que, neste campeonato especificamente, não pintou nenhum PJ Brown ou Sam Cassell no mercado. Vieram nessa, então, Glen Davis, Hedo Turkoglu, Epke Udoh, Chris Douglas-Roberts, Nate Robinson, Lester Hudson, Jordan Hamilton e Danthay Jones. Só Big Bagy e o truco (pasme! já é um ex-jogador em atividade) foram aproveitados na rotação – o que é surreal da par. CDR saiu junto de Bullock. Robinson estava contundido e deu lugar a Hudson. Jones carregou o Gatorade, enquanto Hamilton, que vinha bem na D-League, teve o azar de sofrer uma lesão. Em suma: nada deu certo.

Do outro lado, o Rockets
Vocês sabiam que o finalista do este custa US$ 13 milhões a menos que o time que acabou de eliminar, mesmo contando com dois superastros e com um elenco capaz de suprir as lesões de seu armador titular e de um pivô lituano em franca evolução? Pois então. Para montar este grande time, o gerente geral Daryl Morey precisou mover mundos e fundos. Não foi uma herança.

Padrinho da comunidade nerd da NBA, Morey manipulou sua folha salarial com visão de longo prazo, sabendo também dosar agressividade e paciência, números e scout. Ao mesmo tempo. Cansado de ver um time medíocre morrer na praia, seja numa primeira rodada de playoff, ou mesmo já na temporada regular devido a uma forte concorrência no Oeste, o dirigente se envolveu em uma série de negociações disposto a acumular jogadores de potencial e relativamente baratos, além de ter acertado a mão na maioria de suas escolhas de Draft. O elenco seguia competitivo – para não desagradar ao departamento financeiro e torcedores –, ao mesmo tempo que se posicionava para uma eventual troca de impacto. Foi quando Sam Presti topou uma oferta hoje risível por James Harden (Kevin Martin, Steven Adams, Jeremy Lamb e Mitch McGary, mais os direitos sobre o ala Alejandro Abrines, do Barcelona).

Morey batalhou os telefones para ter Harden em Houston

Morey batalhou os telefones para ter Harden em Houston

Com o Sr. Barba no elenco, ficou mais fácil de convencer Dwight Howard a virar as costas para o Lakers no mercado de agentes livres. Não dá para subestimar um movimento desses – qual foi o último craque a largar Hollywood desta maneira? Kobe pode ter dado uma boa força ao empurrar o pivô para fora de sua franquia, mas o fato é que o clube texano estava muito bem posicionado, técnica e financeiramente, para fechar o negócio.

E o que mais? Trevor Ariza veio praticamente pela metade do preço de Chandler Parsons, num negócio da China, de deixar Yao Ming todo pimpão. O ala campeão pelo Lakers em 2009 não só marca muito mais, como tem um estilo de jogo que casa melhor com Harden e Howard, dois jogadores que controlam a bola no ataque. Jason Terry e Pablo Prigioni chegaram em trocas periféricas, pouco discutidas, mas que hoje se mostram importantíssimas depois da lesão de Patrick Beverley (que veio, lembrem-se, do basquete russo, para vaga que um dia pertenceu a Scott Machado). Corey Brewer custou uns rocados, Troy Daniels e duas escolhas de segunda rodada de Draft, com restrições. Terrence Jones foi draftado, assim como o caçula Clint Capela, de apenas 20 anos e jogando minutos importantes contra o Mavs na primeira rodada. O suíço, o ala-armador Nick Johnson e o ala KJ McDaniels podem render para o futuro, ou serem envolvidos em futuras trocas. De negócios por ora mal-sucedidos, temos Kostas Papanikolau, ala da seleção grega e titular do Barça que não rendeu o esperado, e Joey Dorsey, alguém até decente para ter como o quinto na rotação de grandalhões – mas cujo contrato custou ao time o novato Tarik Black, outro achado no mercado do departamento de scouts. Ah, claro, e o Josh Smith: de graça e compadre de Dwight Howard. Valeu, Stan.

Não quer dizer que Houston também não erre feio. Pagou US$ 9,2 milhões em salários de jogadores que nem foram utilizados durante a temporada: Luis Scola (ainda!), Francisco Garcia, Jeff Adrien e Francisco Garcia. A maior bolada pertence a Scola, superior a US$ 6 milhões, no último ano de um contrato anistiado por Morey em 2012. Agora, se o dono Les Alexander libera sua diretoria para assinar cheques sem pestanejar, esse prejuízo deve ser relativizado. Além disso, o simples fato de o cartola ter se desfeito dessa para montar um elenco que julgava melhor já dispensa o uso de um eletroencefalograma. Se há algo que não se pode reclamar em relação ao gerente geral, é de esmorecimento ou passividade. Morey ouviu um não de Chris Bosh, contratou e trocou Jeremy Lin. Cedeu Kyle Lowry ao Toronto. Não fechou com Goran Dragic quando o preço era mais baixo. Mas fechou tantos, mas tantos negócios bons que chegou uma hora em que o zum-zum-zum nos corredores da liga era o de que seus pares se sentiam intimidados na hora de negociar com ele. Temiam tomar uma rasteira, sem nem perceber o que estava acontecendo.

Em Los Angeles, Doc já não tem nem muito o que discutir com a concorrência.  A não ser que esteja disposto a falar sobre Chris Paul e Blake Griffin. Ou isso, ou está de mãos atadas, num momento em que o que deveria predominar seria a tensão, suplantando a decepção por essa derrota histórica. DeAndre Jordan vai para o mercado de agentes livres em alta, despertando o interesse de muitos clubes. Se perder o pivô, vai fazer o quê? Sua folha salarial já está estourada. Aí teria de resgatar Spencer Hawes. Um jogador com o qual falharam ambos: técnico e dirigente.