Vinte Um

Davi Rossetto: longe da vitrine, o amadurecimento e 100% na LDB
Comentários Comente

Giancarlo Giampietro

Aos 22, Davi fala como veterano e demonstra clara evolução na quadra

Aos 22, Davi fala como veterano e demonstra clara evolução na quadra

Quando se viu obrigado a deixar uma vitrine como o Pinheiros para embarcar em um projeto novo como o do Basquete Cearense, muitos poderiam ter olhado para o armador Davi Rossetto e apontado uma baita retrocesso. Ainda mais para um jogador com passagem pelas seleções brasileiras de base e tal.

Pois a mudança não poderia ter encaminhado o jovem paulistano em melhor direção. Longe da casa dos pais pela primeira vez, ele admite que, em Fortaleza, teve um ganho de maturidade que influenciou diretamente na estabilização de sua carreira. “Ou eu amadurecia, ou o sonho ia embora. Botei o pé no chão, fiquei mais responsável e isso gerou consequências dentro de quadra”, diz ao VinteUm.

Agora, de pouco adiantaria esse crescimento fora de quadra se, aos 22 anos, ainda não lhe fosse dada a oportunidade de bater bola com regularidade em jogos oficiais. O que, claramente, é fato raro no NBB 7. Atletas de 23 anos ou menos, ainda em formação, dificilmente veem a luz dos ginásios.

>> Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa

O clube cearense, nesta edição, se tornou uma das exceções. Só não dá para saber o quanto isso tem a ver com a perda de seu principal patrocinador na virada de temporada, pedindo mão-de-obra mais barata, ou o se o uso mais frequente das revelações já fazia realmente parte do plano de ação.

“Sem dúvida que o treinamento extra é muito importante, seja técnico ou tático, mas esses minutos em quadra te fazem amadurecer de uma maneira mais completa”, afirma o armador.

Mais minutos para passar a bola

Mais minutos para passar a bola

Se for para falar do rendimento atual, não há como negar que, com garotos e menos medalhões, o time caiu de modo significativo na tabela. Hoje, ainda tenta entrar na zona de classificação para os playoffs, disputando a 12ª posição com o Macaé, com sete vitórias em 25 jogos (aproveitamento de 28%). Na sexta edição, terminara a temporada regular em nono, com 46,9%. De qualquer forma, as dores enfrentadas nesta temporada podem render frutos mais adiante. Na Liga de Desenvolvimento deste ano, esse núcleo jovem vem arrebentando. Foram 23 vitórias em 23 jogos, para um inédito aproveitamento de 100%. Espanto geral? Não para Davi e seus companheiros: “Vou ser bem sincero: não surpreende”, diz.

Um ponto precisa ser ponderado, é verdade: a média de idade do Basquete Cearense da LDB é bem mais elevada, por exemplo, que a do vice-líder Pinheiros, que venceu 20 partidas. Dos dez jogadores mais utilizados, apenas dois estão abaixo dos 20 anos: o armador Alberto e o pivô Leal. O Pinheiros tem apenas três atletas acima dos 20 em sua rotação regular, estando o trio entre os quatro que menos minutos recebem nesse grupo.

Essa diferença de idade faz diferença, não há como negar. Ainda mais quando se vê a equipe de Fortaleza ao vivo, praticando estilo físico de basquete, marcando com muita pegada para sustentar a melhor defesa do campeonato. Os rapazes sofrem em média apenas 56,0 pontos por rodada.

Victor de Gusmão, Erick Camilo e Davi: base 'experiente' na LDB

Victor Gusmão, Erick Camilo e Davi: base 'experiente' na LDB

Agora, isso não é o suficiente para explicar as 23 vitórias consecutivas, né? O técnico Espiga também conta com um entrosamento de sua base, com uma química excelente, sabendo administrar bem os minutos de todos. E tem em Davi um grande assistente na hora de botar o plano em prática.

O armador já vinha fazendo uma boa temporada divisão principal do basquete nacional, em prova clara de sua evolução. De jogador que recebia apenas 8 minutos em média há duas temporadas do NBB, fica em quadra por aproximadamente 32 minutos nesta edição. Melhor: ele vem correspondendo, com 13,1 pontos, 4,7 assistências e 1,2 roubo de bola, todas as melhores marcas de sua carreira.

Na LDB, soma 12,5 pontos, 4,3 assistências, 5,6 rebotes e 1,3 roubo – curiosamente, em menos minutos (27,1). Mas sua influência vai muito além dos números. O que mais chama a atenção em seu jogo: a agressividade na defesa – tem muita velocidade no deslocamento lateral, com excelente preparo físico, colando nos adversários. Ele é a cara do time.

Além disso, consegue controlar o ritmo da equipe no ataque de modo simples e eficiente, característica indispensável para qualquer armador, servindo ao já experiente pivô Erick Camilo, ex-São José e Paulistano, do explosivo ala-armador Victor Gusmão, entre outros. Com esse conjunto e um rendimento impecável até o momento, o Basquete Cearense entra como favorito na segunda fase da LDB, que começa nesta segunda-feira, no Pinheiros, com os oito melhores clubes da competição divididos em dois quadrangulares. Confira a tabela.

Curtindo essa campanha especial, mas sabendo que, sendo jovem, não tem nada garantido pela frente, ainda mais num basquete brasileiro que já maltratou muitas de suas promessas, Davi falou ao blog, esbanjando maturidade:

21: Surpreende chegar ao final da primeira fase de maneira invicta?
Davi Rossetto:
Vou ser bem sincero: não surpreende. No ano passado, a gente teve uma campanha muito boa para um time que tinha acabado de se formar. Treinamos três meses e perdemos quatro ou cinco jogos na fase de classificação. Com a reestruturação do projeto, sabíamos que a ‘minutagem’ no adulto mudaria, saindo um pouco de coadjuvante para protagonista ia ajudar e render frutos aqui. Óbvio que, até por a temporada ser longa, sendo um campeonato com semanas de jogos consecutivos, talvez não esperasse que fosse invicto, mas acreditávamos que poderíamos fazer uma boa campanha e terminar esta fase na primeira posição. Era para isso que a gente vinha trabalhando, então não chega a ser muito surpreendente.

Basquete 100% Cearense

Basquete 100% Cearense

Sobre os minutos no adulto, queria abordar justamente isso com você, que tem o privilégio de desfrutar de um bom tempo de quadra no NBB, algo muito raro no Brasil.
É verdade. O Bial tem como característica gostar de revelar jogadores, dar oportunidade. Nosso time sub-22 é muito aguerrido e enfrenta desafios. Aí acho que a gente acabou conquistando-o. Nesse momento de reestruturação do projeto, com o patrocinador master saindo, a gente soube aproveitar bem o momento. Sem dúvida que o treinamento extra é muito importante, seja técnico ou tático, mas esses minutos em quadra te fazem amadurecer de uma maneira mais completa.

Quando você foi para o clube cearense, já tinha em seu horizonte esses minutos a mais? Era algo que vislumbrava?
Claro, a minha ideia quando saí do Pinheiros era ter mais tempo. Era nisso que pensava. Mas, por incompetência minha, não produzi na minha primeira temporada e tive média de apenas cinco minutos. Aos poucos, fui entendendo melhor a minha função, trabalhando mais forte, com mais seriedade. Na segunda, tive 20 minutos e agora já estou próximo de 34. Sei que não é uma coisa habitual, ficar 34 minutos em média, mas é uma coisa que vou levar para a minha carreira inteira. Eu tinha aprimorado várias partes do meu jogo, mas talvez não soubesse bem a hora de usar isso. E essa minutagem maior, atuar com jogadores experientes te traz isso. Tem sido muito importante para minha evolução e maturidade.

Davi Rossetto, Basquete CearenseComo é seu dia-a-dia de treinos?
A gente não tem separação do sub-22 com o adulto. O treino é o mesmo, tudo junto. Normalmente temos um período de treino físico, de academia, e depois um treinamento na quadra. De tarde, vamos para mais um trabalho técnico e tático. Basicamente isso: o trabalho na academia e dois treinamentos em quadra.

Existem exercícios específicos de fundamento para vocês?
Bastante. Separamos os alas e armadores dos pivôs, com a comissão técnica passando para nós esses exercícios para nos aprimorarmos, que vão transferir muito para nós. Tem vezes que é uma sessão extra, com aqueles que tenham jogado menos, ou para aquele jogador que tenha uma deficiência mais específica. Mas, em geral, é o treino que fazemos pela manhã, depois do treinamento físico. De tarde, com o grupo inteiro, nos concentramos mais em questões estratégicas.

Sabemos que no Brasil a transição da base para o profissional pode ser um momento delicado, com vários jogadores tomando rumos diferentes. Como foi esse período para você? Chegou a pensar em parar, ou estava sempre seguro de que era o basquete que queria?
Quando fiz 18 anos, prestei vestibular e comecei a cursar minha faculdade, na EFES, Escola de Educação Física e Esporte da USP. Entrei em 2010, que foi um ano que peguei bastante seleção. Viajei muito, tem concentração, e não consegui ter continuidade nos estudos, até porque a faculdade era integral. Ali tive a dimensão de que não, que era o basquete que queria, que iria até o final. Se não estivesse com a cabeça tão voltada para o basquete, desistiria, sim. Não faria uma coisa meia boca. Não tentaria levar um ou outro nas coxas, como o pessoal fala. Para onde fosse voltar minha atenção, seria 100%. Escolhi o basquete e até hoje não me arrependi mais. Sou jovem, claro, e não descarto que possa me arrepender (risos).

Bom, vai caminhando bem, mesmo. Está satisfeito com a decisão. Embora satisfeito provavelmente não seja a melhor palavra…
Estou feliz. Satisfeito acho que a gente nunca pode sentir. Tem aquela frase de que o animal satisfeito acaba dormindo. O dia em que estiver satisfeito, vou dormir, e alguém vai me passar. Estou feliz e acredito que estou no caminho certo.

Davi Rossetto, CBB, base, Mundial, Sub-19Da sua geração da seleção, qual o panorama agora?
Bom, o Lucas Bebê está na NBA, o Raulzinho foi draftado. Tem o Vezaro, agora em Bauru, que acabou torcendo o joelho. O Felício no Flamengo. Eu e o Taddei aqui. O Gabriel Aguirre está nos Estados Unidos. Leo Meindl em Franca, Bruno no Minas… A geração continua e acho muito promissora ainda. Ficamos em nono no Mundial e pretendíamos mais. Acreditávamos em mais.

Tivemos o exemplo da geração do Mundial Sub-19 de 2007, que tinha o Paulão como um dos destaques, que teve um desfecho bem diferente, com muita gente parando cedo. Daquela para a sua, se passaram cinco, seis anos. Para você, a sobrevivência da sua turma se deve a uma qualidade individual das peças ou a mudanças promovidas no ambiente dos clubes brasileiros?
Acredito que o basquete brasileiro, com a criação da liga de desenvolvimento, dá mais oportunidades para que o jogador tenha uma sequência, tenha mais tempo para fazer a transição. Da nossa geração, por mais que estejam todos jogando, confesso que vejo muitos ainda nessa fase de transição. O Bebê, mesmo, está na NBA, mas ainda está nessa condição. Aquela geração de 2007… Não vou dizer que eram menos talentosos, não. Era uma boa geração, mas que, quando chegou aos 19 anos, ou era profissional, ou tinha de ir para um time mais fraco, uma liga mais fraco, e corriam o risco de desmotivar cedo e parar. Agora temos mais quadra, mais visibilidade e podemos adquirir mais maturidade, e não só no basquete. O que é importante, porque a cabeça de um cara de 19 anos não é nada parecida com a daquele que tem 22. Com 22, você passa mais segurança para quem pode contratá-lo. E a LNB foi fantástica na criação dessa liga. O NBB mais forte também colabora muito para isso, claro. Para que não fiquemos na dependência de uma só geração de jogadores para a seleção e permite que essa troca de faixas seja mais constante.

Se formos comparar você, hoje, ainda muito jovem, mas com maiores responsabilidades no NBB com o garoto que saiu da base do Pinheiros, o crescimento maior é nessa maturidade ou no aspecto técnico? Ou não dá para separar uma coisa da outra?
Na verdade não dá para separar. Um tem influência direta sobre o outro. Mas vou dizer que o que mais me ajudou para mim foi o amadurecimento, mesmo. Mais do que treinar, treinar, treinar, ou jogar, jogar, jogar. Foi refletir, pensar com uma outra cabeça. Sair da casa dos meus pais pela primeira vez, para me deparar com outras situações. Ou eu amadurecia, ou o sonho ia embora. Botei o pé no chão, fiquei mais responsável e isso gerou consequências dentro de quadra. Por isso não dá para separar. Mas, se tiver de destacar, falo do amadurecimento fora de quadra.

Para fechar: o Pinheiros, sabemos, virou uma vitrine não só para o basquete nacional como internacional. Teve o caso do Bruno Caboclo no ano passado, e agora os olheiros de fora estão vindo ver o Georginho, o Lucas. No seu caso, você acabou tendo de sair desse clube. Para muitos, poderia soar como um grande retrocesso. Esse tipo de coisa passava pela sua cabeça? Pois, agora, parece não ter nenhum remorso por essa decisão.
Olha, não sei nem se vai ficar bem eu falar isso, mas o Bruno Caboclo é um menino que hoje está na NBA, mas nem jogava no Pinheiros. Para mim, sempre tive claro que não iria para a NBA. Sabia que, se não tivesse a minutagem, não teria como. Para esses meninos, vejo um potencial fantástico e um trabalho de desenvolvimento muito bem feito. Mas eles não jogam. Tem dias que o Lucas não entra. O Georginho também, estando para ir para a NBA. Na minha reflexão, para ter uma carreira internacional, a ideia era ganhar minutos. No Basquete Cearense, via e vejo tudo o que precisava. O estafe estava comprometido em me fazer melhorar. Teve o desafio de mudar de cidade, algo que me exigia coragem, mas que deveria fazer. Quando converso com o pessoal lá, nunca ouvi que tenha feito uma burrada. Só me parabenizam. Passados três anos, foi o melhor para mim. Cada caso é um caso, mas, no meu, eu tinha de jogar. E veio o Basquete Cearense. Hoje eu me confundo… Olha, parece até o Bial falando (risos). Mas hoje me confundo com o Basquete Cearense. Vejo esses meninos do meu time, penso em defendê-los. Parei de pensar só no Davi e comecei a gostar de defender uma causa, o nosso projeto.


Euroligado: as coisas ficam mais nebulosas
Comentários Comente

Giancarlo Giampietro

Andrei Kirilenko está de volta ao CSKA. Enferrujado que só

Andrei Kirilenko está de volta ao CSKA. Enferrujado que só

Dentre tantas possibilidades de “Mal do Século'' do jornalismo, no Brasil, na Suécia ou na Cochinchina, a capacidade de reagir de modo exagerado a uma notícia lá na parte de cima do ranking. Então não é porque o CSKA Moscou sofreu a segunda derrota nas últimas três rodadas, que tudo o que o time construiu até este momento precisa ser demolido pela crítica. Mas que as coisas na Euroliga ficaram mais nebulosas e, por isso, mais interessantes? Ah, se ficaram.

De líder e favorito disparado um mês atrás, com 15 vitórias seguidas, o clube russo agora se vê na terceira posição do Grupo F, o Grupo da Morte que, com o perdão da confusão, já não parece mais tão mortal assim – mas, de repente, pode ser, sim. Hoje, nos despedindo de fevereiro rumo a março, temos nas duas chaves do Top 16 um clima de suspense no ar.

(Clima de suspense no ar: taí um clichê que não pode ser descartado, né? A sonoridade da frase supera o desgaste do uso corrente.)

Responsável pela quebra da invencibilidade do CSKA há três semanas, o Olympiakos agora lidera o grupo, com sete vitórias e uma derrota, no início do returno, restando seis partidas pela frente. Protagonista da segunda derrota moscovita, o Fenerbahçe agora pulou para segundo, com as mesmas seis vitórias e duas derrotas de sua vítima, mas levando a melhor no saldo de pontos do duelo. Lembrem-se que os dois primeiros ganham mando de quadra nas quartas de final – e, numa série melhor-de-cinco, isso conta muito. Mas este não é o único drama a ser explorado: na quarta posição, tendo perdido o confronto direto nesta sexta, Anadolu já se vê incomodamente pressionado pelo Laboral Kutxa, algo que parecia impensável há pouco tempo atrás.

Do outro lado, no Grupo F, a história para ser acompanhada é a tentativa de reação do Barcelona de Huertas. Depois de sofrer três derrotas no primeiro turno, estando no quarto lugar, o clube catalão tem a missão de superar o Panathinaikos e o Maccabi Tel Aviv dentro da zona de classificação. Ao menos o dramático triunfo diante do Alba Berlin rende um pouco de conforto em relação a sua vaga nos mata-matas.

O jogo da rodada: CSKA Moscou 75 x 81 Fenerbahçe

Pode comemorar, Fener. Foi uma baita vitória

Pode comemorar, Fener. Foi uma baita vitória

Foi a partida que passamos ao vivo pelo Sports+ nesta sexta, ao lado do Mauricio Bonato. Daquelas que, ao final da transmissão, você se sente um sortudo de ter participado. Apelamos aqui a mais um clichê, então: aquele que evoca o boxe para fazer metáforas em outros esportes. Pois foi como uma luta franca de pesos pesados, mesmo, cada um trocando golpes até que, no minuto final, um ato de descontrole de Milos Teodosic pois tudo a perder para os anfitriões. Foi para estragar a festa de Andrei Kirilenko.

Sim, o Kirilenko! Quem se lembra dele? Relegado ao ostracismo da NBA após sofrer com dores crônicas nas costas e também bater de frente com Lionel Hollins, o astro russo foi mandado para Philadelphia. O que hoje, a liga americana, é o mais próximo que temos da Sibéria. AK47, claro, nem mesmo se apresentou ao clube. Até que, passada a data final para trocas, sem que ninguém demonstrasse interesse significativo em tirá-lo do Sixers, ele assinou sua rescisão contratual enfim e fechou prontamente com o CSKA, clube pelo qual foi o MVP em 2012. Resta saber se o craque vai conseguir entrar em forma para ajudar a equipe na reta final europeia. Outra questão fica por conta da tão sagrada química: o ala-pivô Andrei Vorontsevich, por exemplo, está jogando muito bem e seria uma tremenda injustiça se lhe tirassem muitos minutos. Vamos acompanhar.

Contra o Fener, o veterano jogou por apenas cinco minutinhos, claramente enferrujado. Marcou dois pontos e deu uma bela assistência para cravada de Sasha Kaun, que lhe prestou todas as homenagens e reverências em quadra. Tem moral, claro. De destaque, mesmo, fica seu corte de cabelo bem comportado. Era até difícil de identificá-lo em quadra.

Não foi a melhor partida para se estrear. O clube turco chegou a Moscou disposto a jogar duro, conseguindo a proeza de limitar o ataque adversário a míseros dez pontos no primeiro quarto. Na segunda parcial, porém, tudo mudou, com o CSKA marcando 27 pontos para tirar o atraso. No intervalo, os visitantes venciam por dois pontos (39 a 37).

Apesar de ver o rival deslanchar, Zeljko Obradovic deve ter ficado satisfeito pelo que seus rapazes fizeram em quadra. No duelo com seu pupilo, ex-braço direito e compadre Dimitris Itoudis, o sérvio optou por um jogo truncado, de meia quadra, anulando as possibilidades de jogo em transição para a equipe russa, algo que faz tão bem. Também soube preparar um esquema para limitar os tiros de três pontos, com muito sucesso (levou apenas cinco em 20, 25%). Outro setor que funcionou: a disputa pelos rebotes, com 16 ofensivos e 43 no geral.

Em termos de destaques individuais, também vale mencionar  Jan Vesely, que, com sua sua capacidade atlética invejável, também marcou presença no garrafão, com 14 pontos, 5 rebotes e inacreditáveis 80% nos lances livres (4/5, sendo que sua média na temporada de 39%). Voltando de lesão, Bogdan Bogdanovic se desdobrou na defesa e ainda contribuiu com 13 pontos. Nemanja Bjelica somou um duplo-duplo de 11 pontos e 13 rebotes em apenas 25 minutos e teve muito sangue frio no final para selar o triunfo.

Foi necessário, já que no segundo tempo as equipes se alternaram constantemente no placar. Perdi a conta de quantas vezes trocaram uma liderança de um só pontinho no quarto período. Até que, no minuto final, Teodosic reclamou uma barbaridade de uma falta marcada em disputa de rebote ofensivo e foi expulso de quadra – um raro momento de destempero para o genioso armador nesta temporada, a melhor de sua carreira. Foi um estrago daqueles: seu compatriota Bjelica teve quatro lances livres para cobrar, matando três. Na posse de bola seguinte, Bogdanovic acertou mais um lance livre, e a vantagem do Fenerbahçe chegou a 78 a 72. Aí já era.

Na trilha de Huertas

Satoransky, agora titular

Satoransky, agora titular

Já havia acontecido na decisão da Copa do Rei contra o Real, com o Barça saindo derrotado, mas a notícia aqui é que o armador brasileiro perdeu seu posto de titular para Tomas Satoransky. O jovem tcheco abraçou a chance que ganhou de Xavier Pascual e ajudou o clube espanhol a vencer o Alba Berlin, apenas na prorrogação, com 11 pontos e 8 assistências em 28 minutos. Huertas jogou por apenas 16 minutos e terminou com 5 pontos e 2 assistências. Juan Carlos Navarro retornou, com 14 pontos em 19 minutos, com 6/6 nos lances livres.

Lembra dele? Samardo Samuels (Olimpia Milano)
É, a gente poderia falar que Samuels foi aquele brutamontes que acompanhou Anderson Varejão nos anos de pindaíba do Cleveland Cavaliers pós-e-pré-LeBron. Mas, no fim, depois de uma fatídica Copa América de 2013 para o basquete brasileiro, a referência obrigatória ao atleta se tornou a Jamaica, que terminou de humilhar a seleção de Rubén Magnano na Venezuela com uma vitória/derrota histórica. Dureza. Pois bem. O pivô está hoje em sua segunda temporada Olimpia Milano. Na quinta, teve talvez aquela que seja a partida de sua vida, ao acumular 36 pontos (27 no primeiro tempo!), 9 rebotes e um índice de eficiência de 47 pontos, completamente anormal para os padrões da liga, em vitória sobre o Nizhny Novgorod por 85 a 76. Ele converteu 14 de seus 16 arremessos de dois pontos, um recorde na fase de top 16. Como diria o Bonato, saca só:

Em números
119 – É o saldo de pontos do Real Madrid após oito rodadas do Top 16. O mesmo Real que já suscitou textos e textos na imprensa espanhola sobre uma suposta crise interna no departamento de basquete do clube, sobre a possível demissão de Pablo Laso e tudo mais. O time realmente fez alguns jogos preocupantes na temporada, mas, no geral, vai se acertando desde o retorno de Rudy Fernández de uma cirurgia na mão direita. Para relativizar o saldo, o CSKA é aquele que mais se aproxima dessa marca nessa fase, com 64.

10 – Mais uma rodada de Euroliga, mais uma atuação formidável de Vassilis Spanoulis, que liderou o Olympiakos a uma vitória por 77 a 72 sobre o lanterninha Unicaja Málaga. O armador grego teve aproveitamento de 100% nos lances livres, acertando todas as duas 10 tentativas. Também distribuiu 10 assistências em um duplo-duplo com 18 pontos.

9 – Juntos, os 'armadores' Darius Adams e Mike James somaram 9 turnovers pelo Laboral Kutxa, justamente no confronto com Thoma Heurtel, o antigo titular da posição no clube basco, hoje no Anadolu. Ainda assim, com uma excelente partida do pivô Colton Iverson, a equipe espanhola conseguiu uma importantíssima e surpreendente vitória, por 87 a 84. O grandalhão, cujos direitos na NBA pertencem ao Boston Celtics, marcou 17 pontos e pegou 11 rebotes em 24 minutos. Do seu lado, Heurtel saiu de quadra com 17 pontos e 5 assistências em 26 minutos. Juntos, os esfomeados Adams e James ficaram com 8 pontos e 6 assistências. Que coisa.

7 – Talvez o Fenerbahçe nem se importe com isso de mando de quadra nas quartas de final. Em Moscou, o time de Obradovic chegou a sua sétima vitória consecutiva fora de casa.

As jogadas da semana


O intrincado caminho para o desenvolvimento de Caboclo e Bebê
Comentários 8

Giancarlo Giampietro

622_828a5c2b-8615-3086-8ab7-f334b09f9ee2

O Toronto Raptors já surrava o Milwaukee Bucks, em casa, quando Lou Williams recebeu a bola no meio da quadra e viu Bruno Caboclo bem posicionado para o passe, já cruzando a linha de três pontos. O passe foi na medida, e o ala partiu direto para a enterrada. A essa altura, princípio de quarto período, o Air Canada Centre já estava agitado. Depois do lance, entrou em polvorosa, para celebrar o calouro que adotaram prontamente como um xodó. Foi uma estreia perfeita, talvez o momento mais especial da temporada, do ponto de vista brasileiro. Era 21 de novembro, ainda muito cedo no campeonato, mas tudo se encaixava como um conto de fadas para um garoto que nem bem havia jogado como profissional no Brasil e já estava lá na NBA querendo mandar seu recado.

Acontece que aquele seria um episódio isolado, quase um espasmo. O ala mal jogaria depois. De acordo com os planos do time, não há nada de errado com isso. Desde o momento em que anunciou a seleção de Caboclo na 20ª posição do Draft, o Toronto Raptors, representado pela figura de seu gerente geral Masai Ujiri, pregou paciência. O jogador seria lançado aos poucos. Beeem aos poucos. Para o pivô Lucas Bebê, mesmo três anos mais velho, o panorama era o mesmo. Tudo muito calculado.

O difícil, porém, é fazer que as revelações brasileiras, que tanto querem jogar, entenderem e abraçar a causa, o projeto: já se circula pelos bastidores da NBA que o clube canadense tem vivido algumas das semanas mais complicados no processo de desenvolvimento dos dois. Múltiplas fontes da liga americana – de outros clubes, frise-se –, passaram ao VinteUm relatos de uma turbulência em Toronto envolvendo Bruno e Lucas.

>> Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa

Os dirigentes do Raptors, com o gravador ligado, se concentram em fatos positivos – algo mais que natural, considerando que, em termos práticos, qualquer cartola, quando fala de seus jogadores, está se referindo a patrimônio do clube, seja para o uso na quadra ou como bem de valor.

Conversei em Nova York com quatro fontes diferentes ligadas ao time: Ujiri, o chefão; o treinador Jama Mahlalela, quem mais passa tempo em quadra com o brasileiro; o chefe do departamento de scouting internacional Patrick Engelbrecht, o homem que ‘descobriu’ Caboclo; e Kyle Lowry. Eles discorreram sobre o trabalho com os jovens brasileiros. São aqueles que mais os veem em ação no dia a dia de treinos, uma vez que jogos, para valer, são escassos. As declarações, no entanto, ganharam um contexto muito diferente dias depois do All-Star Weekend, a partir da notícia sobre a visita-surpresa dos jogadores aos camarotes do Carnaval do Rio de Janeiro, na Marquês de Sapucaí.

Bruno Caboclo, Lucas Bebê, carnaval, Toronto, Rio

Caboclo e Bebê mal têm jogado pelo time canadense. Depois do furor da estreia, o ala só seria utilizado em mais três jogos, com um total de 16 minutos. Seria na D-League em que ele ganharia mais tempo para botar em prática aquilo que tem treinado diariamente com a comissão técnica. Bebê não foi enviado para a liga de desenvolvimento da NBA, mas também foi pouco acionado pelo técnico Dwane Casey (menos de 24 minutos em seis partidas). De novo: nada ao acaso.

Por tudo o que o blog ouviu, tanto empenho nos treinos e as poucas oportunidades para jogar levaram os atletas a um nível de frustração alarmante, sucedida por atitudes questionáveis fora de quadra. “Muita exposição, muito cedo'', “não há como negar que coisas ruins aconteceram'', “há problemas em Toronto com os dois''… Esses foram alguns dos comentários endereçados. O que se sabe, nos corredores da liga, é de atos indisciplinares, que não precisam ser publicados. São uma mistura de imaturidade e um certo deslumbre com todas as armadilhas que podem cercar a vida de qualquer jogador da liga norte-americana, quanto mais de dois jovens estrangeiros.

A ida ao Rio de Janeiro para o Carnaval não pegou bem. Pessoalmente, ao ver as fotos da Sapucaí, de início não achei crime algum naquilo. Não foram os primeiros, nem serão os últimos atletas da NBA a sair pela noite, e, além do mais, eles estavam em meio a uma semana de folga. Aliás, não custa lembrar que a ATP (Associação dos Tenistas Profissionais) usou o desfile das escolas de samba para promover o Rio Open, levando Rafael Nadal, David Ferrer e Guga Kuerten para a avenida. Antes da estreia dos espanhóis no torneio – Ferrer seria o campeão.

Por outro lado, os brasileiros viajaram um tanto tarde, já perto da data de retorno aos treinos. Além disso, dá para entender perfeitamente a linha crítica a esse passeio, uma vez que, se eles mal jogam pelo time, precisariam aproveitar qualquer dia disponível de treino para tentar melhorar e buscar espaço no time. Não sei se existe certo ou errado aqui. E, de qualquer forma, já há dois problemas nessa divagação: 1) a opinião de um blogueiro não vale de nada comparada com a de quem trabalha com os jogadores diariamente; 2) a escapada veio nesse contexto já tenso.

A primeira passagem de Bruno pela D-League, por exemplo, terminou bem antes do esperado, depois de apenas três jogos, e não foi devido aos seus altos e baixos em quadra – o que era esperado. “É o que acontece com o jogador jovem. Vai ter esses altos e baixos, jogos de um ou três pontos, vai fazer 20 pontos em outro dia. Ele tem de passar por essa curva de aprendizado. Não acho que possamos esperar muito de seus jogos”, diz o gerente geral Ujiri. O problema não foi a quadra. O brasileiro deu trabalho ao Fort Wayne Mad Ants fora dela e teve de ser resgatado às pressas pelo Toronto.

bruno-caboclo-d-league-mad-ants-loss

Agora, o ala está de volta ao clube de Indiana, com temperaturas gélidas, literalmente ou não. Tem novamente jogado muito pouco: foram 14 minutos totais nos dias 19 e 20 de fevereiro, com um aproveitamento melhor na segunda, contra o Westchester Knicks, na qual fezoito pontos em 10 minutos, com a equipe conquistando sua única vitória em todas as cinco partidas em que escalou o paulista de Osaco. No dia 22, ele nem mesmo entrou em quadra – por decisão do treinador Conner Henry. Independentemente do que acontece atrás das cortinas, este já está longe de ser um cenário ideal para o progresso do ala como jogador.

Em sua estreia pelo Fort Wayne, detalhada aqui, Caboclo fez um primeiro tempo excepcional, mas depois se atrapalhou bastante na volta do intervalo, cometendo muitas faltas e um turnover crucial em uma derrota para o Iowa Energy. No jogo seguinte, sem remorso algum, o técnico Henry deu apenas cinco minutos para o brasileiro, que não escondeu seu descontentamento. Esse tipo de situação jamais aconteceria num clube que fosse exclusivamente controlado pelo Raptors. Nesse sentido, o modelo conduzido por Miami Heat, Houston Rockets, San Antonio Spurs e Golden State Warriors, entre outros, é visto como o ideal.

“Bruno vai ter momentos em que vai parecer muito bom e outros em que vai parecer muito ruim. Vai ser assim. Ele precisa jogar, ganhar experiência. Podemos fazer os exercícios, os treinos a cada dia, mas precisamos que ele jogue mais. Vamos mandá-lo para a D-League para isso”, diz Jama Mahlalela, o assistente do Raptoras, que também ressalta a importância da próxima liga de verão para o brasileiro, a segunda de sua carreira. “Aí será com o nosso sistema, nossos treinadores e minutos prolongados para ele mostrar o que pode'', explica.

Toronto, todavia, não pode depender apenas de um punhado de jogos em julho para desenvolver seus jovens talentos. Por isso, está sondando seriamente o mercado da liga de desenvolvimento em busca de uma filial de seu uso exclusivo. Desta maneira, teriam mais autonomia para botar em prática o que têm de planejado não só para os brasileiros, como para qualquer prospecto no futuro. Esse é um ponto crucial que um scout já havia destacado ao blog, ao término da liga de verão de Las Vegas no ano passado.

Bruno Caboclo, Summer League, Toronto

Duas fontes independentes também disseram ao VinteUm que a franquia busca um time no estado de Nova York, bem próximo de sua base. A cidade de Rochester seria uma possibilidade, estando a apenas 140 km de distância. Por que não no Canadá? Para evitar dificuldades com visto de trabalho e outras burocracias que podem ser facilmente resolvidas num ambiente mais estável como o da NBA, mas seriam muito maiores numa competição bem mais volátil como a D-League. Só não é, de forma alguma, um processo simples de se executar. A criação de mais um time depende de uma série de avaliações, técnicas e comerciais, por parte de ambas as ligas, além da viabilização de toda uma estrutura paralela para o Raptors gerir.

A relação entre a franquia canadense e o Fort Wayne Mad Ants é amistosa, profissional, mas não pode ser aprofundada pelo fato de o clube da liga menor ter total autonomia em suas operações – é o único que não desfruta de um relacionamento direto com um time da NBA. Quando o técnico Conner Henry recebe um talento vindo de cima, de qualquer uma das 13 agremiações com as quais têm convênio, não tem a obrigação de usá-lo, independentemente das necessidades ou do currículo do jogador. Além do mais, o Mad Ants também joga hoje para vencer e vencer, sendo o atual campeão, inclusive. Sua prioridade difere muito em relação ao restante de seus concorrentes.

“É uma situação difícil, acaba sendo complicado manter qualquer tipo de continuidade. Mas existe um diálogo, sim, e podemos expressar o que pretendemos quando mandamos nossos calouros e a melhor maneira de acomodar isso”, diz Mahlalela. “Não é uma situação perfeita, mas você trabalha com as condições que tem e parte daí.”

Caboclo, Ujiri, Toronto

Mesmo com os momentos difíceis nos bastidores, segundo o que VinteUm apurou, o Raptors em nenhum momento envolveu ou ofereceu os brasileiros em negociações na semana passada, antes do encerramento da janela para trocas na NBA, na quinta-feira. Quatro clubes diferentes foram consultados a respeito. Nenhum ouviu sequer um pio de qualquer rumor em torno de Bruno ou Lucas. O consenso é que Ujiri investiu muito – tanto do ponto de vista financeiro, como esportivo – nos dois jogadores e ainda confia no desenvolvimento de seu imenso talento.

É bom lembrar que o contrato de calouros da NBA tem apenas dois anos garantidos – os terceiro e quarto anos são opcionais para as equipes. No caso de arrependimento, os times têm, então, menos compromissos assumidos, menos dinheiro comprometido, e podem facilmente seguir em outra direção. Vide o caso de Fabrício Melo e o Boston Celtics: após um só campeonato, o pivô mineiro foi trocado por Danny Ainge para o Memphis Grizzlies, que o dispensou de imediato, consumindo seu salário final de mais de US$ 1 milhão. Melo ainda tentou assinar com o Dallas Mavericks, mas não passou no corte do training camp. Hoje está afastado do basquete, após ter contrato rescindido com o Paulistano, por conta de graves problemas particulares.

Mas, em Toronto, estamos falando de um conjunto de dirigentes que se encantou há pouco tempo com Caboclo. Gente que sabia que não seria uma transição simples para um adolescente. “Sim, o que se pede é paciência, mesmo. Ele é um garoto muito jovem, tentando se desenvolver. Sabíamos que levaria um tempo para isso acontecer. Mas está tudo bem para nós também. Ele vai ter de passar por esse processo, vai levar alguns anos, mas vamos ser pacientes”, diz Masai Ujiri.

O jovem ala com o qual tiveram contato no período pré-Draft inspira a confiança de que, independentemente dos percalços, o Raptors ainda pode colher bons frutos adiante. “Temos de lembrar: estamos falando de um garoto. Sabemos que é uma peça para o futuro de nosso clube e não para amanhã. Para nós, o que conta é o progresso contínuo, dia após dia”, afirma Engelbrecht. “Ele é um desses caras que se sente em casa no ginásio. É seu ambiente natural, no qual ele fica realmente confortável, quando está treinando. Para nós, esse foi um dos pontos principais para apostar. Pensamos que, não importasse o nível de talento que tivesse, sua dedicação o levaria adiante. Isso nos deu a segurança para realmente considerá-lo naquela escolha.”

Bruno Caboclo, Toronto Raptors, treino, workout

Houve momentos, nas primeiras semanas de convívio em Toronto, em que o clube precisou até mesmo pedir para o ala maneirar em suas idas ao ginásio. Houve dias em que estava ultrapassando a casa de quatro horas de treino, usando estagiários para ajudá-los em séries de arremesso etc. Para a comissão técnica, o ideal é trabalhar por menos horas, mas com muita intensidade.

Em termos práticos, o Raptors vem trabalhando em duas frentes com Caboclo. “Estamos tentando deixá-lo mais forte agora. Estamos nos concentrando em deixar sua base mais forte, mesmo. É para isso que este ano vai servir. Além disso, vamos desenvolvendo também algumas habilidades individuais de NBA, um trabalho extenso em cima disso”, diz Ujiri. Bebê também passa pelo mesmo processo, embora com menos ênfase – já está num ponto diferente de aprimoramento.

O que se mais trabalhou até agora foi realmente o aspecto físico, com a supervisão do renomado Alex McKechnie, escocês que é o diretor de ciência esportiva do clube e que trabalhou pelo Lakers de 2003 a 2011. Durante as 'férias', Caboclo e Lucas passaram por um período intenso em um centro de treinamento de Vancouver que tem McKechnie como um dos proprietários. “Foi uma ótima oportunidade para o Alex realmente avaliar o corpo deles, encontrar os pontos fortes e fracos em seus corpos e, a partir daí, elaborar um plano para atacar essas fraquezas”, afirma Engelbrecht.

Agora em Toronto, os brasileiros se dedicam a exercícios diários, específicos antes ou depois dos treinos oficiais comandados por Dwane Casey. É aí que entram Mahlalela e outro assistente, Bill Bayno. Bebê, mais velho e bem mais experiente, vindo de três temporadas na Liga ACB espanhola, o principal campeonato nacional da Europa, estaria mais perto de ser aproveitado. “Esperamos que nessa segunda metade da temporada ele possa ter oportunidades. Não necessariamente ganhando um papel definido no time, mas uns cinco minutos aqui e ali. Em jogos que tenhamos uma vantagem confortável, talvez ele possa entrar no segundo quarto para se testar, para provar um pouco e dar mais motivos para que ele possa continuar treinando forte”, diz Engelbrecht. “Ele tem feito um ótimo trabalho. Esperamos que a comissão técnica se sinta confortável com o nosso time caminhando para o fim da temporada e possa dar a ele alguns minutos. Mas essa é uma decisão dos treinadores. Masai e os técnicos conversam sobre o que querem em termos de desenvolvimento.”

A palavra, então, passa a Mahlalela, um dos técnicos: “Acho que é mais provável, sim, que encontremos minutos primeiro para Lucas do que para o Bruno, mas acho que ele tem de fazer por merecer e, se for chamado, tem de estar pronto para jogar. Ele tem um feeling natural para o jogo, o que nos deixa mais à vontade em colocá-lo em quadra para ver o que pode fazer”. O técnico, porém, relembra: “Ele é mais velho, mais maduro, mas também ainda é um novato na NBA, está tentando encontrar seu caminho e ainda é um trabalho em andamento”.

Em termos de habilidades como atleta, não há dúvida de que há muito potencial para ser explorado pela dupla. Aquela estreia incrível de Caboclo contra o Bucks ainda está na memória, como prova clara e irrefutável disso. Só é necessária a consciência de que aquela euforia passou e o caminho para o sucesso vai passar por semanas e semanas de treino, mesmo, sem muito glamour, sem os holofotes. “Ele vai poder olhar para aquele momento no futuro e perceber o quão especial foi”, diz Mahlalela. “Mas ele tem de continuar trabalhando. Foi um momento único, mas que não vai acontecer o tempo todo.”


Gerson, a novidade intensa do Mogi no NBB 7
Comentários Comente

Giancarlo Giampietro

Gerson, Mogi das Cruzes

As cravadas que se tornaram rotina. Mas tem muito mais no jogo do pivô

Sabe aquela do coisa faça o que eu digo, só não faça o que eu faço, né? Pois bem. Para qualquer atleta é fácil olhar para o jornalista, para o técnico, ou para o torcedor, antes ou depois de um jogo, e falar sobre a importância da de jogar duro numa quadra de basquete, pregar o jogo com energia máxima como o caminho viável para as vitórias.

Em sua primeira temporada como profissional no basquete brasileiro após se formar em quadras universitárias norte-americanas, o pivô Gerson do Espírito Santo bateu muito nessa tecla: da “intensidade'' de como defende o Mogi das Cruzes a cada rodada. Mas, se esse termo corre o risco de ficar banalizado em meio a tanta gente que o emprega, o discurso do jovem de 23 anos talvez não faça justiça ao que tem feito pela equipe paulista, terceira colocada no NBB 7, para se tornar uma das revelações da temporada.

“O Gersão é um monstro. É um cara que dá a vida pelo time, no rebote ofensivo, na ajuda em bloqueio, na execução do bloqueio, que são coisas que as vezes podem passar desapercebidas. Esse trabalho sujo que ele faz, essa entrega dele não tem preço'', afirma o armador Gustavinho ao VinteUm. “Ele é um cara que chega a ser até bitolado no basquete. Treina mais que todo mundo, ama jogar, mesmo.''

>> Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa

Quando você vê o jogador descendo a quadra, não tem como desviar a atenção. Trata-se de um pivô de 2,05 m de altura com agilidade e explosão física fora do comum para alguém de sua estatura. Vai ser difícil encontrar um grandalhão tão atlético por estas bandas: um baita achado no mercado para o Mogi, uma das melhores contratações, em termos de custo-benefício da sétima edição do campeonato nacional. Para quem já estava familiarizado com o estilo do pivô, todavia, não chega a ser uma surpresa.

“Já havia jogado com ele aqui no Pinheiros, quando ele era mais novo, de categoria de base. Ele já tinha essa raça quando treinava com a gente no adulto. Sempre botou disposição para caramba, e os técnicos acreditavam nele, vislumbraram o potencial'', disse Gustavinho, olhando para trás, em 2009, antes de o pivô ir para os Estados Unidos.

A vibração de Gerson se encaixou perfeitamente em Mogi

A vibração de Gerson se encaixou perfeitamente em Mogi

Na estrada
Foi com a mesma velocidade que tem em quadra que Gérson despontou no basquete brasileiro e saiu de cena, deixando as categorias de base do Pinheiros para tentar uma rota seguida por muitos brasileiros: entrar em um Junior College dos Estados Unidos para, depois, tentar voos mais altos. O fato de Rafael “Baby'' Araújo e João Paulo Batista terem conseguido não quer dizer que seja algo fácil: sem dominar a língua, você se embrenha em pequenas cidades e vai se virar como pode. Por outro lado, o atleta já estava habituado a viver longe de casa.

O pivô começou a jogar quando garoto em sua cidade natal de Valença, no Rio. Não era federado, porém, disputando apenas competições no interior do estado. O próximo passo, então, foi se transferir para o América de Três Rios e, aí, sim, se registrar como jogador de basquete. Não demorou muito para que pegasse uma seleção fluminense e, num Campeonato Brasileiro em Santa Catarina, ganhasse os olhares de Zé Luiz Marcondes, da base do Pinheiros. Nem chegou a se apresentar direito pelo clube adulto quando se mandou para os Estados Unidos em 2010.

O que pesava mais nessa decisão? A vontade de estudar ou de se formar como jogador de basquete? “Eu fui para jogar, mesmo, e aproveitei para poder me formar (em artes liberais, pela Colorado State). Mas meu principal objetivo era tentar aprender o máximo sobre o jogo de basquete, sim. Foi o que me levou para lá'', diz Gerson ao VinteUm.

Em Colorado State, experiência de ter disputado o torneio nacional da NCAA em 2013: venceram Missouri na primeira rodada e foram eliminados pela eventual campeã Louisville na segunda etapa; o time teve a segunda melhor campanha da Mountain West Conference, atrás de New Mexico, acima da UNLV e de San Diego State

Em Colorado State, experiência de ter disputado o torneio nacional da NCAA em 2013: venceram Missouri na primeira rodada e foram eliminados pela eventual campeã Louisville na segunda etapa; o time teve a segunda melhor campanha da Mountain West Conference, atrás de New Mexico, acima da UNLV e de San Diego State

O sonho, claro, era a grande liga americana. “Com certeza que, para qualquer jogador, quando você é novo, a NBA é uma meta. Eu queria saber até onde conseguiria ir com o meu jogo'', diz. Mas o caminho até lá certamente não seria fácil, dando largada no College de Southern Idaho. Considerando o amplo universo de atletas que começam suas carreiras universitárias nos chamados JuCos, escolas de transição, que ajudam no desenvolvimento de estudantes que não tenham as notas necessárias para saltar do high school para a faculdade. Sonny Weems, Qyntel Woods e o próprio Baby são alguns exemplos que me ocorrem agora, de gente que tiveram sucesso nessa escalada.

Gerson ao menos conseguiu se mudar para a região das Montanhas Rochosas, ao sair de Southern Idaho para a Universidade de Colorado State. Os Rams não são necessariamente o conjunto mais tradicional para formar jogadores profissionais, mas ultimamente têm tido mais sucesso nessa empreitada. O pivô Jason Smith, do New York Knicks, saiu de lá, assim como o armador Milt Palacio, ex-um-monte-de-time, e o pivô Colton Iverson, draftado em 2013 pelo Boston Celtics e hoje jogador do Baskonia, vulgo Laboral Kutxa, clube de Euroliga.

“Meu jogo melhorou muito, mas acho que minha cabeça foi o que fez o diferencial para poder chegar até aqui. Maturidade, crescendo, aprendendo mais fora de quadra, tendo a cabeça de ir lá e trabalhar todos os dias foi a melhor coisa para mim. Sempre treinei da melhor maneira possível para tentar conseguir esse meu objetivo (de NBA)'', diz. “Mas sabia que qualquer coisa era possível e, se não desse, poderia voltar ao Brasil.''

Em casa
Gerson começaria, então, sua jornada de profissional num campeonato com outra sigla de três letras, o NBB, embora não soubesse exatamente o que o aguardava. “Acompanhei muito pouco. Comecei a seguir mais quando cheguei ao meu último ano na universidade, pois sabia que provavelmente voltaria para cá'', afirma, com franqueza.

Por outro lado, o Mogi das Cruzes estava mais atento ao que o jogador vinha fazendo nos Estados Unidos. “É um jogador que no ano passado já estávamos seguindo, vendo toda a sua trajetória por lá'', diz o técnico Paco Garcia ao VinteUm. “Seus agentes buscavam um lugar em que ele não perdesse nada daquilo que havia aprendido nos Estados Unidos. A intensidade, a seriedade do trabalho, a disciplina. Aí acharam que Mogi era um bom lugar para que ele retornasse.''

A briga incessante pela bola

Vejam só: de novo a tal da “intensidade''.  Justamente aquilo que o pivô aprendeu nos Estados Unidos. “A intensidade do jogo, o jeito que se corre pela quadra, como as coisas são bem rápidas, a intensidade da defesa. A gente fala muito em quadra, tanto na defesa como no ataque. Isso é uma das características do jogo americano que tento trazer para o Brasil'', conta.

Desta forma, o trabalho com Paco Garcia não lhe parece estranho. O técnico já construiu uma reputação de exigente e detalhista ao extremo em suas cobranças, muitas vezes em rompantes que podem ferir o ego de jogadores. Aqui, não é o caso. “Olha, eu gosto muito, porque no universitário eu tinha um treinador (Larry Eustachy) que era tão exigente e detalhista quanto o Paco. Acho que isso até ajudou o meu jogo na hora de voltar ao Brasil. Se conseguisse mostrar meu trabalho e o tanto que tento entregar aquilo que me pedem para colocar em quadra, ia me destacar.''

O espanhol conferiu isso rapidamente. “Ele buscou seu espaço. No Paulista, já ganhou muitos minutos e passou a jogar também na Sul-Americana. Acho que ele pode ser um jogador importante no Brasil em muito pouco tempo. Ele salta muito, vai bem nos rebotes, tem muita intensidade para marcar. Tinha certeza de que seria um jogador valioso para nós'', afirma o treinador. “O Gerson sempre teve esse potencial'', destaca Gustavinho. A gente o chamava de mini Garnett. Agora ele está com muito mais base, mais força e mais atlético.''

Jogando de frente para a cesta: sua preferência no ataque

Jogando de frente para a cesta: sua preferência no ataque

Subindo
Esse tipo de postura somada a seus atributos físicos e atléticos o tornaram um sucesso imediato em Mogi, formado com o americano Tyrone Curnell uma dupla que aterroriza os adversários pelo fuzuê que podem armar em quadra. Foram duas contratações que, se não tão badaladas como as de Shamell e Paulão, acabaram se tornando tão ou mais fundamental para que o clube elevasse seu jogo. O time passou de grande surpresa dos mata-matas da sexta edição do NBB para candidato ao título, ocupando hoje a quarta posição na classificação geral, a uma vitória de se igualar ao atual bicampeão Flamengo. Nos últimos dez jogos, foram nove triunfos.

Na Liga Sul-Americana, mesmo que ainda buscasse melhor entrosamento e lidasse com algumas distrações no vestiário, a equipe conseguiu alcançar uma inédita decisão. Acabou levando uma surra de Bauru, é verdade. Mas estariam prontos, agora, para tentar dar o troco e desafiar o poderoso elenco de Guerrinha?

“Nosso time foi reunido há seis, sete meses. Vieram muitos jogadores novos. Só agora que a gente está conseguindo ter a melhor química, como gosto de falar. Está todo mundo unido, com o mesmo foco, independentemente de quem vai bem em um jogo ou outro, de quem vai chutar a última bola, de quem vai fazer o quê. Todo mundo sabe mais ou menos a sua função dentro da quadra. Todo mundo quer colocar seu companheiro para a frente, e acho que estamos na melhor fase por causa disso'', diz Gerson.

Esse ambiente foi muito benéfico e acolhedor para suas próprias características.  “Na posição dele, temos o Paulão, que foi o melhor pivô do NBB passado'', diz Gustavinho. “E o Gerson não se importa se vai jogar 15, 20 ou 30 minutos. Quando sai de quadra, vai sempre dar a mão para os caras, parabenizar. Ter um cara desses no time… Pelo amor de Deus, sem palavras. É a mesma alegria de sempre.''

O jovem atleta tem médias de 8,5 pontos e 7,0 rebotes em 23 minutos, com aproveitamento de 56,6% nos arremessos de quadra e mais que saudáveis 74,2% nos lances livres. É o quarto principal reboteiro do NBB, atrás de Shilton, do Minas Tênis, Caio Torres, do São José, e Steven Toyloy, do Palmeiras – todos jogadores muito mais experientes. Também aparece entre os 30 melhores da competição em índice de eficiência, sendo o terceiro mais jovem nesse grupo, depois de Léo Meindl, do Franca, e Ricardo Fischer, do Bauru.

Não causa espanto. Basta ver o modo como Gerson se movimenta em quadra e a voracidade com a qual ataca as tábuas defensiva e ofensiva, além de sua excelente técnica para finalizar as jogadas no pick and roll, cortando para a cesta. E tem isso: como Gustavinho já nos contou, a relevância deste fluminense em quadra vai muito além dos números. Um desempenho que, para mim, valeria uma convocação para o Jogo das Estrelas da competição, algo que não aconteceu.

Num ano em que a seleção tem duas competições para disputar – Copa América e Pan-Americano –, é de esperar que um certo argentino esteja tomando nota. “Olha, acabei de voltar ao Brasil e esse é meu primeiro ano de profissionOal. Penso em trabalhar forte, a cada dia melhorar meu jogo, aprender mais com os jogadores que tenho aqui no time, como o Shamell e o Paulão.  O que acontecer fora do que faço dentro do Mogi vai ser por mérito. Claro que seria bacana, mas tento não pensar na frente, e só pensar um dia de cada vez, trabalhando'', diz.

E trabalhando como?

“Tendo cada vez mais intensidade em quadra'', diz, naturalmente.


Georginho e Lucas Dias vão testar o Draft da NBA
Comentários 1

Giancarlo Giampietro

Lucas Dias e Georginho, duas apostas do Pinheiros

Lucas Dias e Georginho, duas apostas do Pinheiros

Com tantos olheiros da NBA viajando ao Brasil para assistir aos jogos do Pinheiros pelo NBB e pela LDB, isso não chega a ser uma bomba, mas tem de ser avisado que o armador Georginho e o ala Lucas Dias terão seus nomes declarados na lista de concorrentes ao Draft 2015 da NBA, o processo de recrutamento de calouros da liga americana.

Os jovens atletas que não têm sua candidatura automática têm até o dia 26 de abril para se inscrever nesse páreo. São aqueles que defendem equipes do basquete universitário americano e ainda não vão se formar neste ano e os estrangeiros nascidos a partir de 1994. Que é o caso de George, de 1996, e Lucas, de 1995.

O ato de declarar não significa participação obrigatória no recrutamento. Os jogadores e seus agentes têm até 15 de junho, 10 dias antes do evento, para decidir se vão manter a candidatura e encarar o processo de seleção – e aí são 60 vagas abertas. Até lá, muita informação vai correr em todas as vias possíveis: agente-clube, clube-mídia, agente-mídia etc. Devido ao espaço reduzido de operação para tanta gente, o ambiente de 'guerra fria' da NBA só se intensifica.

>> Depois da impaciência, o desenvolvimento para Lucas Dias
>> Conheça Georginho, armador que é ameaça de triplo-duplo

Georginho, hoje, é quem desperta maior curiosidade, quem está mais bem cotado. A coisa esquentou para valer especialmente depois de ter sido promovido pelo DraftExpress, o site especializado mais influente, ao primeiro round em sua projeção. Para Jonathan Givony, o armador brasileiro seria, no momento, o 28º melhor prospecto deste ano. Quer saber como o armador do Pinheiros entrou no radar da NBA? Aqui, passo a passo da promissora trajetória do atleta.

Ainda está muito cedo, mas hoje, em 23 de fevereiro, o brasileiro aparece com boas perspectivas. Não só pela concorrência em sua posição ser fraca, mas principalmente por todo o potencial que tem. Os scouts mais interessados acreditam que ele poderia ser selecionado até mesmo entre os 20 melhores. Para a turma do fundão da primeira rodada, ele é visto como um investimento de longo prazo, com a possibilidade de render uma recompensa bastante valorosa.

Em Nova York, durante o camp Basketball without Borders, um executivo de um time da Conferência Leste me disse, em off, que ele e seus companheiros de escritório já teriam interesse em escolher o armador até mesmo no Draft do ano passado, na segunda rodada. Isso, claro, se George pudesse se declarar. Não era o caso, uma vez que completaria apenas 18, e a idade mínima para concorrer ao processo é de 19.

Georginho, ao fundo, chama a atenção, mas a exposição agora é geral

Georginho, ao fundo, chama a atenção, mas a exposição agora é geral

O armador pode ser o principal alvo, mas a exposição ao seu jogo só faz bem a Lucas, ao ala-armador Humberto e a todos os seus companheiros e adversários. Na semana passada, durante a conclusão da temporada regular da LDB, pelo menos seis times visitaram Mogi das Cruzes para ver o Pinheiros de perto: Dallas, Detroit, LA Clippers, Miami, Portland e Toronto. Some-se aí Indiana, San Antonio, Sacramento – com direito a Mitch Richmond e tudo –, e temos um mínimo de nove times avistados nos ginásios brasileiros, mais de um quarto da liga.

Virão ainda mais, agora que sabemos as datas da segunda fase da liga de desenvolvimento, com oito clubes divididos em dois quadrangulares que serão realizados nos dias 2, 3 e 4 de março, em São Paulo, na própria sede do Pinheiros. A fase decisiva, de semifinais e final, será disputada nos dias 8 e 9, com sede ainda a ser definida.

Em 23 partidas pela competição, Lucas Dias tem médias de 21,3 pontos, 9,3 rebotes, 2,0 roubos e 1,5 assistência, em 30 minutos. Georginho soma 12,6 pontos, 4,0 assistências, 6,1 rebotes e 1,8 roubo, em 28 minutos. No caso de saída para a liga americana, cada jogador pode render ao Pinheiros US$ 600 mil pela rescisão contratual, pagos pelo clube interessado, tal como aconteceu com Bruno Caboclo no ano passado.

>> Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa

O Brasil tem marcado presença constante nos últimos Drafts da NBA. Em 2013, Lucas Bebê foi selecionado a mando do Atlanta Hawks na 16ª posição. O armador Raulzinho saiu em 47º, sendo repassado do mesmo Atlanta Hawks para o Utah Jazz. E 2014, a grande surpresa foi a escolha de Caboclo pelo Toronto Raptors em 20º.

A grande diferença é que, dessa vez, não há mais segredos. Se Caboclo foi fisgado pelo clube canadense muito cedo no processo do ano passado, o nome de Georginho consta agora na lista de observação de, provavelmente, todas as equipes. Depois da LDB, o armador  deve disputar algumas partidas do Campeonato Paulista Sub-19. Em abril, vai encarar um evento que pode ser determinante para suas pretensões de Draft: o Nike Hoop Summit, na segunda semana de abril, reunindo em Portland as mais badaladas revelações do basquete internacional para um período de treinamentos seguido por um jogo, no dia 10 de abril, contra os destaques do high school dos Estados Unidos. O time americano já tem sua seleção definida. Existe a possibilidade de Lucas também participar da partida, ainda no aguardo de uma confirmação dos organizadores do evento.


O mundo lá do alto: uma entrevista surreal com Gheorghe Muresan
Comentários 6

Giancarlo Giampietro

Gheorghe Muresan

Na literatura do basquete, há toda uma antologia dedicada aos pivôs, os grandalhões, os homens altos, the big men. Sobre como eles enxergam o mundo de modo diferente de nós de 1,80 m  (ou menos, ou um pouquinho mais… bem-vindo ao clube!). Tudo é realmente uma questão de ponto de vista. Afinal, eles veem de cima. Tudo para eles é, de alguma forma, pequeno. Talvez pequeno e simpático. Talvez pequeno, simpático e curioso.

Foi justamente essa a sensação que tive quando Gheorghe Muresan, lá do alto de seus 2,31 m de estatura – um recorde na NBA, batendo Manute Bol por milímetros – abaixou a cabeça para me olhar. Na verdade, para me observar. Quase como se fosse um guerreiro da Terra Média olhando para um pimpolho de um hobbit. Dava para notar, no fundo, fundo, que Muresan me encarava com admiração. “Que homenzinho mais engraçado'', devia pensar em romeno. Sairia algo mais ou menos assim, segundo o Tradutor do Google: “Ce un om amuzant mic''.

Eu queria ter tirado uma foto ali, mesmo, para flagrar sua expressão, e apresentá-la aqui como prova. Mas vocês acreditam quando escrevo, né? Pois bem, Muresan, o ex-pivô do Washington Bullets – que teve uma passagem meteórica pela capital americana, numa carreira que se iniciou promissora, mas foi abreviada por lesões – estava olhando para baixo, enquanto eu tinha o pescoço flexionado no mesmo ângulo exigido para avistar o cume do Empire State.

O que Muresan estaria enxergando dali de cima?

O que Muresan estaria enxergando dali de cima?

O que se seguiu a partir daí foram precisamente 3min56s de uma conversa muito maluca. A entrevista mais nonsense que me lembro de ter feito – e olha que nesse universo de possibilidades, constam coletivas com Paulo Maluf se defendendo das acusações de sempre e conversas com jogadores sub-17 da Costa do Marfim.

Como um gigante, com sua perspectiva única de mundo, o dócil Muresan atendeu ao VinteUm na beira de uma das quadras do camp Basketball without Borders, em Nova York. Ele havia dado as caras por lá para bater um papo com alguns garotos convocados pela NBA. Coincidentemente, só passou pela estação de treino em que estavam os pivôs. Estava de saída quando foi interceptado por um repórter que vive num país muito bonito. Vejam no que deu:

21: Você ainda está envolvido com atividades de basquete? Quando está em quadra, como hoje, vendo a garotada bater bola, sente saudade da época em que jogava?
Sim, tenho trabalhado com um monte de garotos na região de Washington, e também feito alguns trabalhos para o Washington Wizards, meu ex-time. Sou um embaixador do clube na comunidade da capital. Ah, tem tantas coisas com as quais posso me envolver agora… Bem diferente daquela época em que eu só me concentrava no meu time, no que tinha de fazer em quadra.

Billy Crystal tem 1,70 m

Billy Crystal tem 1,70 m. Ele contracenou com e dirigiu Muresan no filme Meu Gigante Favorito, de 1998

Como o cinema, não?
(Risos) Sim, como o cinema. Foi algo bem divertido. Mas já não faço mais… Antes de tudo, queria dizer que você vem de um país muito bonito. Muito bonito, mesmo, com pessoas boas.

Já foi para lá, então?
Para onde?

O Brasil. Já visitou meu país?
Não… (E de repente solta…) Não ! Fui, sim. Desculpe, claro que fui. Fui para Anápolis (em Goiás), alguns anos atrás. Mas fiquei doente lá, acredita? Tive de ir para a emergência do hospital, inclusive.

Não!?
Estou falando sério.

Mas o que houve? E o que você estava fazendo lá?
Aí passei mal e fui para o hospital. Tive uma cirurgia lá.

Cirurgia?!
Não me lembro de muita coisa, mas passei por uma cirurgia para tirar o “XXXX'' e ficou tudo bem.

(Nota: o XXXX não é falha de edição, não. É que, sinceramente, não consegui entender de modo algum o que Muresan falou. Antes de me chamarem de filho do dicionário, saibam que fui até o Consultor Oficial para Assuntos de Língua Inglesa e Sotaques Matreiros do blog e não obtive sucesso, levando esse consultor a um colapso nervoso; depois, me dirigi ao assessor da NBA responsável pela condução do camp, e… Nada. “Simplesmente não tenho ideia do que ele falou aqui. Desculpe, mesmo'', me disse. Sentiram o drama? O mais legal é que, no final das contas, faz diferença? Pode ter sido “apêndice'', “amídala'' em qualquer dialeto da Transilvânia, vai saber. O que importa é que o cara foi operado no Brasil, correu tudo bem e pôde me proporcionar essa conversa de maluco.)

Desculpe, mas cirurgia do quê?
“XXXX''

(Ah, com boa vontade, dava para escutar algo como “Globe Trotter'' na resposta dele, mas aí já seria o cúmulo do absurdo, né? Então, se alguém tiver uma sugestão a partir dessa dica de fonética, favor encaminhar para a secretaria.*)

O que você estava fazendo em Anápolis? Eram férias, mesmo?
Seu país é bonito.

Poxa, obrigado, mas você foi a passeio? Conhece alguém lá?
Fui visitar só.

Muresan foi escolhido pelo Bullets na 30ª posição do Draft de 1993, quando tinha 22 anos.  Disputou 307 partidas até 2000, com médias de 9,8 pontos, 6,4 rebotes e 1,5 toco em 21,9 minutos. Em 1997, jogou os playoffs contra o Chicago Bulls de Jordan, perdendo na primeira rodada. Sua melhor temporada individual, porém, foi a de 1995-96, quando foi eleito o jogador que mais evoluiu na liga

Muresan foi escolhido pelo Bullets na 30ª posição do Draft de 1993, quando tinha 22 anos. Disputou 307 partidas até 2000, com médias de 9,8 pontos, 6,4 rebotes e 1,5 toco em 21,9 minutos. Em 1997, jogou os playoffs contra o Chicago Bulls de Jordan, perdendo na primeira rodada. Sua melhor temporada individual, porém, foi a de 1995-96, quando foi eleito o jogador que mais evoluiu na liga

Bom que correu tudo bem no final, então. E agora que você está aqui em Nova York, acompanhando a molecada, se lembra do tempo em que começou a jogar? Como foi seu início no basquete?
Eu tinha 15 anos, foi pelo Cluj, na Romênia. Mas esses garotos aqui são muito mais talentosos. Espero que eles não se cansem, não parem de trabalhar, de se dedicar, sabendo que estão sendo observadas por pessoas interessantes. Estão com alguns dos melhores técnicos para treinar com eles, dos melhores que se pode encontrar ao redor do mundo.

Foi alguém que te descobriu, ou você, quando mais jovem, queria jogar já?
Foi meio por acidente, quando me levaram para o Cluj. Mas, quando comecei a praticar, não demorou para me apaixonar pelo esporte.

Bom, e alguns anos depois você já estava na França e, depois, na NBA, com Chris Webber e Juwan Howard. Até que aconteceram as lesões…
É, tínhamos um time bom. Foram bons anos. Mas o Wizards também tem um time muito bom agora, inclusive com um cara brasileiro. É um time muito legal.

Pois é, o Nenê, que é importante…
Oh, é um jogador muito bonito, um jogador muito bom, habilidoso.

O que ele oferece para o Wizards?
Ele dá experiência ao time, é muito bom de grupo. Um bom líder. Vou indo, ok?

Claro. Obrigado pela entrevista!
Obrigado, você.

*ATUALIZANDO!!! Eduardo Baltasar Francisco, o famoso Duda, amigão de infância, solucionou o mistério em torno da cirurgia de Muresan. Seguindo minhas mirabolantes dicas de fonética, mas sem ter ouvido a gravação original, é coisa de 99,9% de certeza de que o romeno tenha falado “GALLBLADDER''. Ou: vesícula biliar. Eureka!

Para constar: Duda é basqueteiro e futuro psiquiatra, não necessariamente nessa ordem – uma combinação que, vocês sabem, se encaixa perfeitamente com o que se passa aqui no VinteUm. “Por enquanto, sou melhor basqueteiro, mas agora estou focando para me tornar melhor psiquiatra'', diz. Abusado, afirmou ainda que enterraria na cabeça do Muresan. Num scout informal, eu diria que o camarada tinha muita impulsão, belo controle de bola e era ótimo tanto no chute de média para longa distância como na finalização perto da cesta: dava trabalho demais para marcá-lo. Daí a desafiar o simpático, mas gigante Muresan? Aí eu pagaria para ver… ; )


12 trocas de última hora: quem saiu ganhando na NBA?
Comentários 5

Giancarlo Giampietro

Jovem Enes Kanter chega a OKC para reforçar o banco e oferecer pontos no garrafão

Jovem Enes Kanter chega a OKC para reforçar o banco e oferecer pontos no garrafão

“Meu Deus''.

Depois de 11 12 trocas fechadas, com 36 39 jogadores envolvidos (mais de dois elencos completos, ou três de elencos mínimos de 13!) numa única quinta-feira, essa foi a simples e exausta reação do jornalista Adrian Wojanarowski, do Yahoo! Sports, talvez com a orelha quente e os dedos da mão calejado de tanto que usou o telefone.

Wojnarowksi, vocês sabem, é o jornalista mais quente quando chega a hora de anunciar negociações por toda a NBA. Mas hoje o trabalho foi tanto que nem ele aguentou. As coisas foram muito além do imaginado. Foi uma loucura.

(Atualização nesta sexta de manhã: para vermos o quanto a jornada foi maluca, mesmo: houve ainda uma 12ª troca entre Oklahoma City Thunder e New Orleans Pelicans, com o envio do armador ligeirinho Ish Smith para N'awlins, apenas para abrir espaço no elenco para o que segue abaixo. como disse o jornalista Marc Stein, do ESPN.com, mais uma fera nesse tipo de ocasião: “Talvez tenham sido 12 trocas.Perdi minha habilidade de fazer matemática em algum lugar durante esta tarde''.)

>> Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa

Em termos de nomes, o destaque fica por conta do retorno de Kevin Garnett a Minnesota, 20 anos depois de ter sido draftado pela franquia. Uma história muito legal, mas cujas repercussões para a liga são reduzidas, é verdade. Thaddeus Young foi para Brooklyn, ocupar sua vaga no quinteto titular do Nets.

Quando KG foi draftado pelo Wolves, Wiggins tinha 4 meses de idade

Quando KG foi draftado pelo Wolves, Wiggins tinha 4 meses de idade

Pensando nos times de playoff… Ou melhor: pensando nos times que tentam chegar aos playoffs, Oklahoma City Thunder e Miami Heat foram os times que saíram triunfantes dessa jornada de extrema tensão – três trocas foram fechadas literalmente na última hora permitida.

Foi numa dessas negociações que OKC adquiriu o pivô Enes Kanter e o ala Steve Novak, do Utah Jazz, e o armador DJ Augustin e o ala Kyle Singer, do Detroit Pistons. De uma só vez, o gerente geral Sam Presti reformulou todo o seu banco de reservas e deixou seu time muito mais forte para as batalhas que se aproximam. Kanter oferece o tipo de jogo interior que a equipe jamais teve durante essa gestão, enquanto Augustin e Singler são belos arremessadores e jogadores competitivos que devem se encaixar perfeitamente na cultura, na química do time. Não obstante, Durant e Wess ainda viram o Phoenix Suns (meio que) se despedaçar, dando a entender que não se mete mais na briga pelo oitavo lugar do Oeste. Resta a Anthony Davis e os Monocelhas o papel de oposição ao Thunder.

Para reforçar sua segunda unidade, Presti precisou se desfazer apenas de Reggie Jackson (um enorme talento, mas já sem paciência alguma com o clube, prestes a entrar no mercado de agentes livres), que foi para Detroit para tentar salvar a temporada de SVG, Kendrick Perkins (RIP, provavelmente agora rumo ao Clippers), Grant Jerrett (um prospecto interessante, mas que não teria espaço tão cedo), os direitos sobre  o alemão Tibor Pleiss (um belo jogador) e uma ou outra escolha de Draft que ainda não foi revelada. O Utah apenas limpou o salário de Novak e ganhou alguma compensação futura por Kanter. Melho que nada.

O Miami Heat coneguiu algo aparentemente impensável: levou Goran Dragic (e o irmão Zoran). Está certo que o time da Flórida já aparecia na seleta lista de clubes desejados do armador esloveno, mas o difícil era imaginar que tipo de pacote Pat Riley poderia construir para convencer o Suns a abrir mão de um descontente Dragic, mas que ainda tinha valor de mercado e era seu principal jogador. Acabou fechando a conta ao mandar duas escolhas futuras de Draft (os anos ainda não estão definidos, mas devem ser daqui a um boooom tempo). De última hora, o New Orleans Pelicans também entrou no negócio e obteve o armador Norris Cole e o ala-pivô Shawne Williams. Para o Arizona, também foram o pivô Justin Hamilton e os veteranos John Salmons e Danny Granger. Afe.

Éramos três: sobrou apenas Bledsoe, agora com Knight na jogada

Éramos três: sobrou apenas Bledsoe, agora com Knight na jogada

Se antes Jeff Hornacek tinha armadores em excesso, viu, depois de Dragic, mais dois serem despachados, vindo Brandon Knight em contrapartida. Foi um dia violento para o caderno de jogadas do treinador. Ao menos Knight tem bom arremesso de três e se encaixa bem como segundo armador ao lado de Bledsoe – desde que, claro, não crie caso, como fez Dragic. Mais: o atleta revelado pela universidade de Kentucky vai se tornar agente livre restrito ao final da temporada. Qual será sua pedida? Haverá algum desconto em comparação com o esloveno? A conferir.

Numa troca tripla, o jovem Tyler Ennis foi enviado para Milwaukee Bucks, que também recebeu o pivô Miles Plumlee e Michael Carter-Williams, do Philadelphia 76ers. O Sixers ganha uma escolha de Draft do Lakers, via Suns, que é protegida para o top 5 do próximo recrutamento de calouros – só com muito azar Suns e Lakers perdem essa, de modo que, discretamente, o Sixers mostra que realmente não confiava em MCW como seu armador do futuro. Os números nem sempre contam toda a história… Ainda mais num sistema que infla as estatísticas. Ah, além disso o time ganhou uma escolha de Draft futura, via OKC, para recolher JaVale McGee, de Denver. Um perigo colocar um lunático desses ao lado de Joel Embiid, camaronês que ainda não fez sua estreia e, segundo dizem, já desperta uma certa preocupação por seu comportamento fora de quadra.

Carter-Williams e McDaniels pareciam promissores em Philly. Estão fora: reformulação até quando?

Carter-Williams e McDaniels pareciam promissores em Philly. Estão fora: reformulação até quando?

Depois, o Suns negociou o pequenino Isaiah Thomas com o Boston Celtics, que cedeu Marcus Thornton e uma escolha de draft de primeira rodada para 2016, pertencente ao Cleveland Cavaliers. E o Celtics, do hiperativo Danny Ainge, devolveu Tayshaun Prince ao Detroit Pistons, ganhando a dupla estrangeira Jonas Jerebko e Luigi Datome (acho que SVG foi mal nessa, mas… vale pela nostalgia). No geral, Ainge se envolveu em seis trocas neste campeonato: Rondo para Dallas, Green para Memphis, Wright para Phoenix, Nelson para Denver e as duas desta quinta. Celtics, Suns e, claro, Sixers são os clubes com mais escolhas de Draft para os próximos anos. Resta saber se vão transformar esses trunfos em jogadores de verdade.

Teve mais, com a sempre regular presença do Houston Rockets de Daryl Morey, que agora conta com Pablo Prigioni e com o ala novato KJ McDaniels. Para tê-los, mandou Alexey Shved para o New York Knicks, com mais duas escolhas de segunda rodada, e além de ter repassado o armador Isiah Canaan e uma escolha de 2ª rodada para o Sixers.

Lembrando que tudo começou quando o Portland Trail Blazers acertou com o Denver Nuggets a transação do ala Arron Afflalo, dando Thomas Robinson, Will Barton, Victor Claver e uma escolha de primeira rodada e outra de segunda, e quando Washington Wizards e Sacramento Kings trocaram Andre Miller e Ramon Sessions. Miller vai reencontrar George Karl.

Meu Deus.

Quem ganhou e quem perdeu com tudo isso?

Sam Presti: o cartola-prodígio andava apanhando muito mais que o normal nos últimos meses, num processo de deterioração que começou com a saída de James Harden. Para piorar, graves lesões de Durant e Westbrook acabaram pondo a equipe numa situação delicada em uma Conferência Oeste extremamente dura. A pressão estava evidente, e ele mesmo admitiu isso. A resposta, em teoria, foi demais – os nomes não causam alvoroço, mas foram grandes achados. Depois de flertar, e muito, com Brook Lopez, encontrou em Kanter um ótimo plano B: o turco não vai ser muito exigido em OKC.Precisa apenas pontuar e pegar rebotes com eficiência saindo do banco e pode melhorar na defesa ao se integrar a um sistema mais bem entrosado. O que pagar para o turco ao final da temporada, quando ele vira agente livre restrito? Bem, não é a prioridade no momento. Singler merece minutos na rotação de perímetro, revezando com Roberson e dando um descanso a KD. Augustin já mostrou que sabe ser produtivo vindo do banco e ainda oferece um ritmo de jogo diferente, podendo cadenciar as coisas. Bônus: o armador é bem próximo a Durant, ajudando a compensar a perda de Perk no vestiário.

Quem aí quer partilhar a bola com Chalmers e Birdman, Dragic?

Quem aí quer partilhar a bola com Chalmers e Birdman, Dragic?

Goran Dragic: pelo simples fato de ter exigido uma troca em cima da hora e ainda conseguido uma transferência para um dos três clubes que imaginava defender (Lakers e Knicks eram os outros). Pelo preço que pagou, está implícito também que Riley vai concordar em assinar um contrato de US$ 100 milhões por cinco anos com o esloveno, que, além do mais, troca o sol do Arizona pelo da Flórida, e ainda leva o irmão na bagagem. Se em Phoenix precisava dividir a bola com Eric Bledsoe e Isaiah Thomas, agora vai tomá-la das mãos de Mario Chalmers.

Dwyane Wade: a temporada do Miami Heat parecia destinada ao purgatório até que… Primeiro apareceu o fenômeno Hassan Whiteside. Depois, essa megatroca. Que coisa, hein? Ter Dragic por perto significa menos responsabilidades criativas para o astro da franquia, tanto em transição como nas combinações de pick-and-roll/pop com Chris Bosh e Whiteside. Menos responsabilidades = mais descanso para o ala-armador, que já foi afastado por três períodos diferentes nesta campanha devido a problemas musculares. E é sabido que, assim como nas temporadas anteriores, o Miami só vai aspirar a alguma coisa se Wade estiver em forma nos mata-matas. Com LeBron ou com Dragic. Mais: precisamos ter um Cavs x Heat nos playoffs, não? Precisamos.

Reggie Jackson: mais um que forçou uma negociação e teve seu desejo atendido. Agora vai ter uns 30 jogos pelo Pistons para mostrar ao mercado que pode, sim, ser um armador titular, e de ponta. Stan van Gundy estava fazendo maravilhas por Brandon Jennings e agora tenta dar o seu toque especial a este jogador explosivo, com grande faro para pontuar, mas que foi um tanto inconsistente em Oklahoma City.

Arron Afflalo agora é chapa de Damian Lillard

Arron Afflalo agora é chapa de Damian Lillard

Terry Stotts: agora vai poder olhar para o seu banco de reservas e ver alguém quem confiar para hora que o jogo apertar e Nicolas Batum ainda estiver com a cabeça na lua. É de se questionar se o treinador fez de tudo, mesmo, para assimilar um prospecto interessante como Will Barton. O fato, porém, é que o Blazers não podia esperar uma revisão nas rotações de seu treinador e, assim como Memphis, Dallas, Houston etc., sente que existe uma boa chance este ano e foi de all in para cima de Afflalo, pagando caro num futuro agente livre.

Os experimentos de Jason Kidd: o Milwaukee Bucks perdeu seu cestinha e principal criador em Brandon Knight, mas ganha em Michael Carter-Williams um armador alto, de envergadura. Com ele em quadra, Kidd vai poder simplesmente instaurar um sistema de “troca geral'' na defesa, trocando todas as posições, além de fechar para valer seu garrafão e as linhas de passe. Miles Plumlee, atlético e forte, também ajuda pra isso. Vai ser ainda mais chato enfrentar o Bucks.

Jerami Grant: quem? Bem, o filho do Harvey Grant, sobrinho do Horace, e ex-companheiro de Fab Melo em Syracuse. Selecionado na segunda rodada do Draft pelo Sixers, demorou para estrear ao se recuperar de uma lesão no tornozelo. Enquanto esteve fora, KJ McDaniels fez barulho pela equipe, com suas jogadas acrobáticas dos dois lados da quadra. Aos poucos, porém, Grant foi ganhando espaço, com flashes de muito potencial devido a sua envergadura e tamanho. Agora, terá mais minutos para convencer Sam Hinkie de que pode ser uma peça para o dia em que Philly quiser ser novamente competitivo. Talvez demore, todavia…

Pablo Prigioni: o argentino deixa a pior equipe da liga para se juntar a uma que sonha com o título. Nada mal para o veterano que está nas últimas em quadra. Nova York por Nova York, sempre dá para retornar nas férias, né?

Doc Rivers? Ele estava rezando para que ao menos um jogador de seu agrado fosse dispensado, e está a alguns minutos/horas de ver Kendrick Perkins virar um agente livre. O Utah Jazz não vai manter o pivô em seu elenco, abrindo caminho para uma rescisão. O vínculo entre Doc e Perk é óbvio, e o elenco do Clippers é dos raros casos para o qual o campeão pelo Celtics em 2008 ainda seria uma boa notícia em termos de basquete – e não só de liderança. O Cleveland Cavaliers, no entanto, pode atrapalhar seus planos.

Andrew Wiggins, Zach LaVine e Anthony Bennett: desde que saibam escutar os xingamentos de Kevin Garnett e entender o recado. KG vai tocar o terror no vestiário do Wolves e, ao mesmo tempo, servir como um líder, mentor que Kevin Love jamais foi. Ricky Rubio vinha assumindo essa, mas tem de entender a companhia especial que chega também de modo inesperado.


Apresentando Georginho, o próximo alvo da NBA
Comentários 15

Giancarlo Giampietro

George Lucas Alves de Paula, o Georginho: 1,95 m, 18 anos, do Pinheiros

George Lucas Alves de Paula, o Georginho: 1,95 m, 18 anos, do Pinheiros

Imagine a cena: a meninada do time mini do Círculo Militar toda eufórica no banco de reservas, achando que o jogo está no papo, que iriam levar aquele quadrangular do Campeonato Paulista. Talvez o primeiro caneco deles, nessa iniciação ao esporte. Estavam na frente no placar, restando poucos segundos para o fim. Aí, de repente, cai aquela bomba, para deixar todos esses mesmos garotinhos de coração partido – o esporte “ensina'', vão dizer os professores. Do outro lado, Georginho sai comemorando pela quadra, irradiante, também sem acreditar. Ele acabara de fazer uma bola de três pontos milagrosa, atirada do meio da quadra. O título era do Associação Clube, de São Bernardo.

>> Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa

“Foi quando acreditei que poderia ser, mesmo, um jogador de basquete, quando achei que esse era o meu futuro'', afirma ao VinteUm o garoto que hoje defende o Pinheiros tanto no NBB como na LDB – mas especialmente na liga de desenvolvimento. É curioso isso: como, para os atletas, não importando a idade, parece que suas primeiras memórias estão sempre muito distantes, não importando a idade. Cada jogo é uma história, afinal, não? Quando George Lucas Alves de Paula relembra essa jogada mirabolante, parece estar falando de um século passado. Mas foi apenas há seis anos, quando tinha 12.

Georginho, nos tempos de mini, quando foi o melhor jogador do campeonato – em 2009

Recordar é viver: Georginho, nos tempos de mini, quando foi o melhor jogador do campeonato – em 2009

O armador conta que rolou aquela confusão de sempre: o técnico, os meninos e, claro, os pais dos adversários todos reclamando que havia estourado o tempo já, que não deveria ter validado. “Na hora, foi bem, digamos assim, polêmico, mas depois assumiram a derrota'', diz. Seu agente, Eduardo Resende, da EW Sports, completa: “A bola não bateu nem no aro, fui direto, nem tinha o que falar'' Aquela coisa: foi um lance tão inacreditável que, depois de passado o susto, o pessoal admitiu que não havia muito o que fazer, que era conceder a vitória, e paciência.

Os ânimos ficaram tão calmos que, mais tarde, o familiar de um de seus amigos do São Bernardo lhe conseguiu a gravação da partida. Gravação feita justamente pelo pai de um dos jogadores do Círculo Militar, que fazia compilações de melhores momentos para os moleques. O armador já assistiu milhares vezes. Recentemente, porém, já não mais o revisita. “Não costumo ver agora mais.  Não sobra tempo'', diz.

>> Leia também: Depois da impaciência, o desenvolvimento para Lucas Dias

Aos 18, Georginho tem uma rotina intensa de treinos no Pinheiros, com até três sessões diárias, dependendo da época, aproveitando-se de uma estrutura exemplar do clube paulista para desenvolver seu imenso talento. Um talento que já o coloca na mira da NBA.

Nesta semana, o armador está jogando em Mogi das Cruzes, com seus companheiros adolescentes de clube, pela quarta etapa da principal competição de base do país. Podem aguardar a presença de diversos scouts da liga americana. Em Nova York, seu nome já era assunto entre aqueles que observam os meninos ainda mais novos no Basketball Without Borders. Muitos tentando aprender a pronúncia correta para Mogi. Sai “Mougui'', invariavelmente. O burburinho só aumentou depois de o DraftExpress, do meu chapa Jonathan Givony, ter feito uma análise detalhada de suas qualidades, virtudes como prospecto. Givony, inclusive, tirou George da projeção para o Draft de 2016, inserindo-o na lista deste ano, como o 27º melhor prospecto.

Antes mesmo de o DX 'causar' geral, procurei aqui em São Paulo conversar com diversas fontes que acompanham o progresso desse garoto natural de Diadema. Também tive a chance de conversar por cerca de 30 minutos com o próprio jogador, naquela que seria a primeira entrevista, assim com ares de 'oficial, exclusiva, de sua ainda incipiente carreira. “Não sei aonde posso chegar, mas sei que posso treinar muito. Não conheço meus limites ainda'', diz. Vamos embarcar nessa, então.

Desafios e facilidades
Georginho, Pinheiros, NBA draft, prospect, George Lucas Alves de Paula

A primeira coisa que chama a atenção em Georginho como um jogador de basquete são seus atributos físicos. Estamos falando de um armador de excelente estatura (1,95 m), mãos e braços enormes – “Envergadura dois metros e tralalau'', segundo Marcel  de Souza, o técnico do adulto – e já bastante forte para a idade. É rápido e muito habilidoso com a bola. Seus movimentos, se não tão explosivos, são muito fluidos, naturais, fáceis.

“A primeira coisa que impressiona no George é seu biotipo e sua desenvoltura atlética. Junto a isso vem também sua qualidade técnica. Para um armador alto, tem muita facilidade no controle de bola'', diz Brenno Blassioli, técnico que trabalhou com o garoto nos últimos dois anos no Pinheiros, mas que teve de se desligar do clube para acompanhar a esposa Sheilla, craque da seleção feminina de vôlei, na Turquia. “Ele é um jogador que passa segurança ao técnico na hora da pressão.''

Essa é uma combinação de tamanho e técnica faz do armador uma figura promissora para  qualquer cenário. No Brasil, então, se torna ainda mais anormal. Vai ser muito difícil encontrar jovens jogadores que lhe consigam fazer frente na base. Daí a importância de ele, mesmo que não jogue, treinar com os veteranos, especialmente na atual composição do elenco do Pinheiros, com diversos concorrentes/mentores interessantes. Aos 37, Joe Smith tem mais tempo de carreira do que Georginho tem idade. Seu irmão Jason é absurdamente forte. Jéfferson é bastante explosivo. Paulinho hoje está afastado por conta de uma cirurgia no joelho, mas, em forma, é um pesadelo para ser marcado. O Pinheiros confia nisso: que o mero treinamento diário já vá empurrar o jogador na direção certa, pedindo paciência para quem vê de fora.

Ano a ano no Grande ABCD paulista, até pegar a seleção

“Essa questão é muito relativa'', diz Brenno. “Você pode olhar por outro ângulo e ver que, num clube mais fraco, os garotos treinariam com jogadores mais limitados, criando vícios ruins técnica e taticamente. Hoje, com a LDB, os jogadores mais jovens têm a chance de treinar com jogadores de qualidade no adulto e colocarem em pratica na quadra. Prefiro que o George e Humberto compitam pela posição de Jeferson, Joe e Jason do que entrarem numa zona de conforto num time mais fraco.''

Essa competição vai, invariavelmente, forçar que qualquer jogador se aprimore. Quanto a isso não há dúvida, ainda mais para alguém que sabe ouvir bastante – e ainda que não represente exatamente os mesmos desafios de se ir para a quadra em jogos oficiais. “É muito bom estar na quadra com eles. O Joe, mesmo, é um cara que me dá muitas dicas, aprendo muito com ele. É um desafio para mim ter de conseguir marcá-los. Dá para tirar muito dessa experiência. Consigo pegar coisas que eles fazem contra mim e aplicar contra os da minha idade'', diz Georginho.

Em quadra na LDB ou pelo Sub-19, você vai ver o armador se impor fisicamente, atacando o aro, invadindo o garrafão com tranquilidade. Até por isso, há quem questione se o garoto vai se desenvolver como um armador completo, mesmo. Gente com receio de que ele possa terminar como um ala pontuador. Dos jogos a que assisti e por tudo o que ouvi das fontes diversas, só mesmo um acidente o empurraria nessa direção limitada. “No ano passado foi a primeira vez que ele jogou com atletas da mesma qualidade técnica, então o trabalho principal dele era fazer Lucas, Humberto e o Wesley jogarem, sem perder sua agressividade'', diz Brenno.

“Ele está longe de ser um puro armador, pelo fato de ser um bom finalizador. Porém, tem melhorado muito em sua visão de jogo. Foi o que mais trabalhei com ele ano passado. Está no caminho certo, mas precisa ainda melhorar muito mais. No basquete de hoje é muito difícil um puro armador ter sucesso se não tiver finalização. E ele tem tudo para representar um modelo de armador moderno, que é o combo guard“, detalha o treinador, numa excelente entrevista, diga-se.

Triplo-duplo
Falar em jogador completo, capaz de executar diversas tarefas em quadra, é algo que só vai agradar a Marcel, hoje em sua primeira temporada como treinador do time principal do Pinheiros. Ainda que não dê muito tempo de quadra para o jovem armador, o ex-jogador da seleção brasileira não esconde sua admiração pelo seu talento. Estão preparados?

 Georginho, George Lucas de Paula, Pinheiros, NBA Draft, prospect“O Georginho vai ser o novo Magic Johnson. Não vou falar mais nada'', afirmou Marcel, ao VinteUm. É o tipo de declaração que pode fazer um estrago, né? Então, depois da conclusão da resposta, fiz questão de perguntar ao técnico que história era essa de Magic Johnson, e ele respondeu: “Anota, e depois vamos ver.''

Agora, antes que coce a vontade de sair tuitando por aí essa declaração, é melhor entender, enfim, o que Marcel estava pensando. O treinador se referia ao tipo de jogador que Georginho pode virar, e não, sobre o jogador que vai se tornar: “Ele cobre várias funções, marca qualquer um e tem tudo para ser um triple-double de média. Teve um dia em que cheguei e falei para ele isso, que só era para voltar a falar comigo quando fizesse um triple-double. Tem de dar meta para o jogador'', afirma.

Pois, na volta de Joinville, depois da segunda etapa da LDB, o armador tinha uma notícia para o treinador: havia somado 11 pontos, 10 assistências e 10 rebotes em triunfo sobre o Grêmio Náutico União. “No dia que voltei de viagem, nos encontramos no clube, e ele perguntou se eu estava bem. Só respondi: 'triplo-duplo'. Acho que ele já estava sabendo (risos)'', conta, sorridente. Marcel adora. “Ele tem potencial para fazer isso. O último jogador que vi atingir isso de média no juvenil foi o Dedé, hoje treinador do Limeira: passava, pegava rebote, chutava, tinha leitura de jogo. O Georginho é assim.''

Nesta terça-feira, aliás, em Mogi das Cruzes, Georginho repetiu a dose e conseguiu o segundo triplo-duplo da carreira, com 14 pontos, 10 rebotes e 10 assistências em vitória sobre o Joinville.

Da sua parte, mesmo que não seja utilizado na rotação do time principal, o jovem armador reconhece alguns benefícios de se trabalhar com uma lenda do basquete brasileiro feito Marcel – e sua tentativa de incentivar um basquete mais orgânico, menos ensaiado no Pinheiros.

“Todo mundo conhece a história do Marcel, sabe o que ele conquistou. De todos os técnicos que tive até agora, ele tem a visão mais diferenciada. É bom ter um técnico que vê por outro lado. Ele pede para a gente apostar no sistema. Ele aposta 100% no sistema, não gosta de chamar jogadas que possam auxiliar durante o jogo. Ele tem uns ataques que fala que são propositais, para desestabilizar os outros times. Dá uns treinos diferentes, são mais livres. Vou ficando mais versátil com isso.''

A ideia é desenvolver diversas facetas de seu jogo, no fim. E pensar que nada disso poderia valer de nada. Se os planos lá atrás tivessem dado certo, Georginho poderia ser hoje uma promessa do… Vôlei brasileiro.

Outras quadras
Georginho tinha “de sete para oito anos'' quando seus pais, Maurício e Suzana, acharam que era uma boa hora para iniciá-lo no esporte. Foram até um clube municipal em Diadema, na Grande São Paulo, para ver o que havia disponível de atividades para meninos da sua idade. Talvez para decepção deles, não havia aulas da modalidade que praticavam como profissão. O vôlei.

“Eu ficava sempre com eles brincando na quadra. Aí fui atrás de treino, mas não encontrei num poliesportivo que tinha no bairro aonde eu morava. Mas tinha basquete, e meu pai havia jogado basquete até os 18, quando optou pelo vôlei. Então já tinha um pouco de vontade de conhecer também'', diz a revelação pinheirense. Azar do vôlei, que perdeu aquele que poderia ser um belo ponteiro de 1,95 m, sorte do basquete que ganhou um armador de tremendo potencial. E “nenhum arrependimento'' da parte do garoto.

Notícia no agora precioso blog da ABA-SBC, a Associação de Basquete de São Bernardo do Campo

Notícia no agora precioso blog da ABA-SBC, a Associação de Basquete de São Bernardo do Campo

Ter pais ex-atletas pode ser um privilégio para qualquer atleta infantil – desde que não haja cobrança excessiva, ou, em casos mais graves, aquela necessidade de tentar fazer do filho a realização de sonhos frustrados do passado. No caso de George, a relação é benéfica.  “Eles sempre me dão conselhos, quando chego estressado ou chateado com alguma coisa. Podem não entender o basquete como entendo, mas a parte psicológica de qualquer esporte é muito parecida'', diz.

Progredindo bem nos primeiros anos, o próximo passo foi procurar uma estrutura melhor. Passou a jogar, então, pela Associação dos Funcionários Públicos de São Bernardo, como a criançada do Círculo Militar bem soube depois. Ficou lá até os 16, em 2013, quando chegou ao Pinheiros, clube no qual iria encontrar, pela primeira vez, jogadores da sua idade com o mesmo nível de jogo. Antes, estava habituado a resolver as coisas por conta própria em quadra. Hoje, está com os estudos parados, somente se dedicando ao esporte. “É algo totalmente diferente para mim. Fico mais afastado da família, vejo meus pais nos finais de semana que tenho livre, mas meu foco mudou completamente. Agora estou voltado 100% ao basquete.''

No Pinheiros, você só vai ouvir maravilhas sobre o empenho de Georginho numa rotina longa de treinos. O menino, se puder, vai dormir no ginásio – e é quase isso, mesmo, que acontece, já que divide um flat com seus companheiros a poucas quadras do clube. “Alguns dias estou bem cansado, mas aí tem de tirar forças de outro lugar. Esqueço que estou com uma ou outra dor porque preciso continuar treinando'', diz. E pode botar uma ênfase em “preciso'' aí. No final do ano passado, o armador estava jogando o Paulista Sub-19, a LDB e, digamos, acompanhando, treinando com a equipe adulta. Além disso, realiza trabalhos específicos de fundamento com outros garotos, sob a orientação de Bruno Mortari.

“O Georginho é um dos que mais me encanta, mas não só pela habilidade. Encanta tanto como pessoa como pela vontade que ele tem de melhorar seu jogo no dia a dia, e o Pinheiros dá para ele toda a estrutura necessária para crescer'', diz o veterano ala-pivô Felipe Ribeiro, desses casos que chegou ao profissional sem nem mesmo ser burilado em categorias de base.

Fala, caboclo
Essa coisa de ser um rato de ginásio é um dos tantos paralelos que vamos encontrar na sua história com a de Bruno Caboclo. Os dois, que são muito amigos, por sinal, jogavam em clubes menores da grande São Paulo até chegarem ao Pinheiros. Extremamente dedicados e apaixonados pelo esporte. “O Bruno conseguiu chegar aonde está com muito trabalho. É uma coisa na qual posso me espelhar. Treinar muito forte o tempo inteiro.''

Outro ponto que une os dois? Ambos não são de falar muito. São bastante tímidos.

Georginho, Pinheiros, George Alves de Paula, 1996, Draft, prospect

Georginho também sabe sorrir

Em alguns momentos durante nosso bate-papo, George ficava um pouco quieto e parava um pouco, antes de começar ou terminar uma resposta. Diga-se nada parecido como aquela ocasião em que Bruno empacou diante de um repórter do SporTV nas finais da LDB do ano passado. E aí, quando você pega a gravação, porém, se depara algo interessante: ele pode não ficar muito de lero, mas diz aquilo que julga necessário dizer. Vai direto ao ponto.

Em quadra, essa é uma, hã, questão que também se manifesta. O armador não vai ficar gritando o tempo todo, dirigindo os companheiros com discurso. Não é um líder vocal como muitos podem esperar para a posição. Seria uma espécie de líder que dá o exemplo pelo que faz em quadra, pelo modo como se comporta. Mas é algo que vem sendo trabalhado.  “Fiquei contente com a evolução do George ano passado nessa área. O mais importante eu já coloquei na cabeça dele: jogador que não se comunica, não joga. Houve várias situações várias situações em que ele se comunicou de forma positiva, e os companheiros respeitaram. Naturalmente, ele irá ser um líder'', diz Brenno. “Nos times anteriores em que esteve, ele sempre jogou 'sozinho', então não precisava estimular a parte da comunicação. Líder silencioso não existe na minha opinião, por mais que ele de bom exemplos, vai haver horas em que ele vai ter que se comunicar se quiser jogar em alto níel, especialmente por ser um armador.''

Agora, existe aquele dilema também: Georginho tem apenas 18 anos e treina com marmanjos. Se, como armador, precisa falar, como seria na hora de lidar com gente muito mais rodada que ele? No começo, na dúvida, ficava de bico calado, mesmo.  “Eu era muito fechado, e eles brincavam que eu não falava, me enchiam o saco por ser muito quieto. Hoje estou brincando mais com eles, e acabo apanhando. Acho que é melhor assim.''

Exposição
No que Georginho e Caboclo divergem em suas trajetórias? Na mesma idade, o armador tem muito mais experiência internacional. Antes de ir para a NBA, Bruno Caboclo não jogou sequer por uma seleção nacional. Seu contato com o mundo lá fora havia sido se limitado ao Basketball without Borders das Américas em Buenos Aires, em 2013, e a bons minutos contra um time colombiano pelo Pinheiros na Liga das Américas. Duas boas competições, mas que não tem o peso de um torneio de seleções.

George, por outro lado, já disputou três campeonatos nessas condições. O primeiro foi o Sul-Americano Sub-17 de Salto, no Uruguai, em 2013. Que já serviu para lhe mostrar algumas coisas logo de cara. “Eram 18 jogadores convocados e já tinha uma competição interna muito forte, treinos mais puxados, para definir o grupo'', diz. O time ficou com a terceira posição no torneio, perdendo para a Argentina na semifinal. Valeu a classificação para a Copa América sub-18, em 2014, em Colorado Springs (EUA). E aí veio um tapa na cara.

“O primeiro jogo foi contra o Canadá, e foi o primeiro impacto que tive contra jogadores de nível internacional. Era muito diferente fisicamente, acho que não esperava tamanha superioridade deles'', disse. “Eles eram superiores em um pouco de tudo. Os jogadores do Canadá estão, em sua maioria, nos Estados Unidos. A gente sentiu essa diferença na formação para a deles.''

O armador admitiu também que entrou um tanto tímido em quadra. Aos poucos, se soltou durante a competição em que o Brasil foi um fiasco e, a despeito da campanha frustrada, foi um dos melhores jogadores do torneio, ao lado do ala Wesley Mogi, do Paulistano. Foi lá que entrou oficialmente para a lista de prospectos a serem observados pelos olheiros da NBA. Tão ou mais relevante, o garoto descobriu que existia outro nível de habilidade e intensidade para ser atingido: “Percebi que não posso levar como parâmetro bater só os jogadores daqui, que não vai ser suficiente. Tem que fazer algo a mais para superar os canadenses e os dos Estados Unidos''.

Quando retornou aos Estados Unidos em agosto, em Chicago, Georginho confirmou as expectativas na disputa do Nike Global Challenge, já muito mais solto e agressivo desde o princípio. “Na Copa América havia times fracos e três muito fortes (EUA, Canadá e Argentina). No Global Challenge, eram quase todos do mesmo nível (três eleções regionais americanas, Canadá, China e um combinado africano), dois ou três um pouco acima. Então tinha a possibilidade de ganhar ou perder de qualquer um. Foi legal para ver o que eu poderia fazer numa segunda chance'', diz.  Foi lá que ele fez isto aqui:

As exibições de talento natural vasto a ser explorado e a combinação com a incrível história de Bruno Caboclo e o Toronto Raptors acabou, então, invertendo a ordem das coisas. Agora não é mais Georginho que precisa ir ao encontro dos Estados Unidos. Os olheiros de lá já estão vindo ao seu encontro.

Eles chegaram
Segundo consta, até esta semana, ao menos quatro clubes já haviam viajado ao Brasil para ver de perto o armador. O último havia sido o Sacramento Kings, representado pelo Hall da Fama Mitch Richmond, com quem me deparei no ginásio do Pinheiros. Isso apenas nesta temporada, já que, em 2013-2014, já tivemos clubes por aqui para assistir e até aplicar treinos para Bruno Caboclo e seus antigos companheiros – os famosos workouts. Depois de muito tempo, o fenômeno Caboclo fez a NBA reabrir os olhos para o mercado de jogadores brasileiros. Como sabemos, isso aqui é uma mina de ouro em termos de capacidade atlética, atributos físicos. Resta saber explorar e aproveitar – algo que boa parte dos clubes daqui mal faz. Hoje, conto apenas 11 garotos sub-22 com mais de 10 minutos em média na liga nacional.

George Lucas Alves de Paula, Georginho, NBA draft, prospect, LDB, NBB, Pinheiros

Na LDB, sua imposição física incomoda os adversários

Georginho tem idade para se declarar a um Draft cuja classe de armadores, segundo todos os avaliadores de talento com quem falei em Nova York, é muito fraca. No topo, D'Angelo Russell e Emmanuel Mudiay são unanimidades. Depois, porém, não despontam muitos os atletas da posição com muito prestígio no momento. Os scouts vão alternar entre o calouro Tyus Jones, de Duke, e os veteranos Jerian Grant, de Notre Dame, e Delon Wright, de Utah. Há, então, uma óbvia lacuna a ser preenchida, especialmente para times que estejam selecionando na parte final da primeira rodada do Draft e estejam interessados em um armador.

De qualquer forma, acreditem, ainda está muito cedo para ir além nesse tipo de especulação. Georginho, primeiro, tem uma LDB a cumprir, na qual joga por um dos favoritos ao título – em que pese a derrota no fim de semana para o Sport, apenas a segunda nos primeiros 18 jogos. O campeonato paulista Sub-19 também vai começar em breve, ainda que o esfacelado site da federação estadual não nos ofereça dica nenhuma de quando vai ser. Melhor ele aproveitar ao máximo essas duas competições, mesmo, para se desenvolver e mostrar serviço. NBB? Por ora, algo muito difícil de acontecer: só foi acionado por Marcel em quatro partidas, sempre com o resultado decidido, acumulando 21 minutos de rodagem.

Na LDB, após as três primeiras etapas do torneio, teve médias de 11,4 pontos, 5,5 rebotes, 3,8 assistências e 2,01 roubos de bola em 26,4 minutos, com aproveitamento de 60,7% nos arremessos de dois pontos e 29,2% de três. Em geral, divide a responsabilidade de armar o time com Humberto Gomes, de 19 anos – também um prospecto para a liga, ao meu ver, que pode pegar carona nessa caravana. Além disso, Lucas Dias fica muito mais tempo com a bola do que no time adulto. Nas duas primeiras partidas em Mogi, teve os altos e baixos normais. Contra o Sport, domingo, atingiu seu recorde pessoal de pontos: 34 pontos em 38 minutos, em derrota na prorrogação. Acertou impressionantes 6 de 13 chutes de três pontos. Na segunda-feira, contra o Minas, o Pinheiros venceu, e o armador esteve mais contido, com 9 pontos em 24 minutos, sofrendo muitas faltas dos adversários (nove no geral), tendo arremessado apenas sete vezes. Foi Humberto que roubou a cena aqui, com 20 pontos em 25 minutos.

Depois da LDB, cuja fase final, com os oito melhores classificados, ainda não tem data, nem sede anunciada, tem o Paulista. Mas o compromisso mais importante para o futuro imediato do brasileiro será o Nike Hoop Summit, em abril. O tradicional evento realizado em Portland reúne invariavelmente os melhores prospectos do mundo todo e dos Estados Unidos. Andrew Wiggins, Nicolas Batum, Dennis Schröder, Tony Parker, Dirk Nowitzki, Dario Saric e até Marquinhos já deram as caras por lá. Georginho foi convidado para a edição deste ano.

Se aceitar, será rodeado por alguns dos melhores jogadores de sua idade,para uma semana toda de treinos, antes de enfrentar os destaques do high school americano. De acordo com os scouts, este evento pode ser crucial nas pretensões de Draft. Se for bem, não só se fixaria como um candidato a primeira rodada, como teria chance de elevar sua cotação até mesmo para um top 20. Se o seu rendimento não for dos melhores, aí, talvez, o ano de 2016 fique algo mais plausível. É tudo muito volátil, porém. Como dizem: basta um time se apaixonar para que qualquer previsão vá para o espaço, como a história de Toronto e Bruno nos mostrou.

Com tanta coisa grande (já!) pela frente, é natural, mesmo, que Georginho deixe de lado aquele DVD de sua primeira grande cesta. Afinal, ainda tem muito o que fazer em quadra, para produzir mais e mais clipes. “Meu sonho eu consigo alcançar com dia a dia de treino, competições e disputas'', afirma. “Antes do Bruno, acho que isso era uma coisa completamente distante para nós. Com esse avanço dele, acho que ficou uma coisa, se não mais próxima, mas que acreditamos que dá para alcançar.''


Jovem armador brasileiro se apresenta com sucesso a olheiros em NYC
Comentários Comente

Giancarlo Giampietro

Guilherme Santos e Tiago Splitter: 13 anos de diferença

Guilherme Santos e Tiago Splitter: 13 anos de diferença

Ao pisar em um dos ginásios do Baruch College, em Nova York, para ver as atividades do Basketball without Borders, tinha poucas referências sobre quem seria Yuri Sena, 17 anos. Sabido que se tratava do irmão mais novo de Wesley Sena, com quem foi do Palmeiras para o Bauru, com uma passagem abrupta para testes pelo Saski Baskonia, da Espanha, vulgo Laboral Kutxa, no meio.

De Guilherme Santos, também de 17, porém? Não havia ouvido falar nada e nem deu tempo de fazer uma pesquisa mais apropriada antes do embarque para os Estados Unidos. Quem eu consultei por aqui também não soube dizer muita coisa. O que tinha até, então, era que ele havia acabado de assinar com o mesmo Bauru, saindo de Barueri, o mesmo clube que trabalhou com Bruno Caboclo antes de este sair para o Pinheiros e, depois, para Toronto. Mais jovem e mal jogou com o ala do Raptors por lá.

>> Leia também: Agora veterano, Splitter se admira com 'surgimento' de revelações no Brasil
>>
Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa

Então era a hora de saber quem era o garoto. Ao lado de muitos, mas muitos olheiros e dirigentes da NBA, como RC Buford, gerente geral do Spurs, David Griffin, gerente geral do Cleveland Cavaliers, Sam Hinkie, gerente geral do Philadelphia 76ers, e Masai Ujiri, homem reponsável pela seleção de Caboclo em Toronto. Sem contar Nikola Vujicic, diretor do Maccabi Tel Aviv, e outros cartolas europeus.

A impresssão foi positiva. “Ele foi uma grata surpresa”, afirmou ao VinteUm o chapa Jonathan Givony, o cara por trás do DraftExpress, o site mundial mais influente quando o assunto são as revelações do basquete. “Eu o desconhecia totalmente também. Ele fez um ótimo camp para mostrar seu talento. É um armador de jogo muito leve e que pode jogar em diferentes velocidades e vai especialmente bem quando em transição.”

Para apresentar seu cartão de visitas, Guilherme, de 1,92 m, teve a chance de jogar com três dos atletas mais renomados na lista geral: o croata Dragan Bender, MVP do camp e o mais perto de um grande craque garantido ali, o armador canadense Jamal Murray, com quem dividia a quadra nos momentos decisivos, e o pivô australiano Isaac Humphries, um legítimo pivô de 2,13 m, que deve causar bom impacto o momento que for jogar na NCAA. Os três devem, cedo ou tarde, aparecer na NBA. O que, naturalmente, resultou em maior atenção para sua equipe, que jogava em nome do Houston Rockets, dirigida por Matt Buser, um dos assistentes de Kevin McHale.

Dá para dizer que essa versão alternativa e fraldinha do Rockets venceu muito mais jogos do que perdeu no decorrer dos três dias do evento. Não que isso importe para muita coisa. O que todos estavam querendo ver ali era como cada garoto se comportava num ambiente desafiador por diversos sentidos, especialmente por estarem enfrentado a elite da categoria (embora alguns jogadores tenham sido proibidos por seus clubes de viajar), num ambiente de, sim, pressão.

“Digo a eles que já passei por isso, esse tipo de treino, com muita pressão. Falo para eles apenas irem para a quadra, fazerem o que sabem, para curtir o momento”, disse Tiago Splitter, que compareceu justamente ao terceiro dia de atividades, para contar algumas histórias para a garotada. “Sei que é difícil fazer isso, afinal, para muitos, o futuro está na mesa, precisando jogar bem. Mas ao se tornar um jogador profissional, essa pressão existe em cada jogo. Então pelo menos já se adaptam a isso. Gostaria de ter mais tempo para trabalhar com eles.''

Yuri Sena, Tiago Splitter e Guilherme Santos em NYC

Yuri Sena, Tiago Splitter e Guilherme Santos em NYC

Para alguém que disputava apenas seu segundo evento internacional e que pouco fala inglês, Guilherme se mostrou bastante confortável. Bastante, mesmo. Era como se estivesse no quintal de casa. Comunicativo – não me pergunte como – e com uma energia contagiante, evidenciada por seu empenho nos treinos de fundamento. Sempre saltitando e dando até um jeito de furar a fila quando um companheiro aparentava cansaço e hesitação, para receber a bola novamente e partir para o abraço.

Essa eletricidade toda se traduziu para os jogos. Com envergadura, força física e muita agilidade no deslocamento lateral, pressionava demais o drible dos adversários em marcação adiantada, forçando turnovers seguidos ou ao menos desequilibrando qualquer orquestração ofensiva que o menino rival tivesse em mente. Isso aconteceu em especial no segundo dia. Foi impressionante. Quanto mais sucesso teve, mais Guilherme ganhava confiança e acelerava seu passo. “Dá para ver que ele é um cara dedicado nos dois lados da quadra e tem um nível de energia excelente”, disse Givony.

No ataque, deu para notar um jogador bastante tranquilo com a bola, com excelente drible e velocidade para atacar a cesta. No garrafão, quando corta pela esquerda, ainda foge da canhota na hora de finalizar. O arremesso dele ainda sai um pouco baixo e os braços se elevam um pouco inclinados demais para a frente, dando mais chance para que os oponentes o bloqueiem, ou atrapalhem. Não aconteceu nos momentos em que o observei.

(Durante o camp, na hora dos jogos, duas quadras paralelas ficavam ocupadas. Os jogadores são substituídos de cinco em cinco minutos, saindo praticamente todos de uma vez, para que cada inscrito tenha chances de mostrar serviço. Então o ritmo é frenético, com muitos jogadores para serem observados. Não dá para – e seria um desperdício – grudar os olhos num só atleta.)

Seu chute, ainda que com essa mecânica, até caiu com boa frequência. Mas, num nível mais alto de competição, pode ser um problema. Na avaliação dos scouts com quem conversei, é algo de fácil correção. No artigo, só dou aspas para Givony, pelo simples fato de os olheiros não poderem se pronunciar oficialmente sobre os chamados underclassmen, os jogadores que não estão na liga e nem passaram pela fase de Draft.

Agora, os cuidados devidos: foram só três dias de atividade, ainda que o fato de ele já ter sido o melhor jogador do All-Star do BwB das Américas do ano passado, no Canadá, seja outro ótimo sinal. Ele tem apenas 17 anos, como a grande maioria dos que ali se apresentaram. Todos cheios de inconsistências, longe de estarem formados tecnicamente.

Guilherme pode por vezes demorar para passar a bola. Quando tenta acalmar as coisas, como aconteceu na hora do primeiro jogo do domingo, teve uma partida praticamente nula. Estava num ritmo mais lento, apenas conduzindo a bola. Nesse contexto, isso dificilmente vai acontecer. A não ser que estejamos falando desse tipo raro de jogador que lê o jogo com uma fluência de veterano desde os anos de chupeta, como o Kendall Marshall de North Carolina. Não é o caso de Guilherme. Não é o caso de mais de 90% dos atletas na sua posição. Essas coisas se desenvolvem com o tempo.

Yuri Sena ao centro. De vermelho, Matt Buser orienta seu time

Yuri Sena ao centro. De vermelho, Matt Buser orienta seu time

No BwB, os meninos passam quase todo o tempo de treino em trabalhos específicos de fundamentos, para passe, finalização, defesa, cortes para a cesta e movimentação fora da bola/espaçamento. Os times mal treinam juntos, antes de a bola subir. Os técnicos têm tempo de passar uma ou outra jogada, que servem muito mais para se avaliar a capacidade de execução e improviso deles, do que para vencer uma partida. Além disso, cada quinteto assimila jogadores do mundo todo.

No segundo jogo do domingo, o jovem brasileiro já havia voltado ao modo turbo, agredindo desde o princípio. Obviamente havia tomado uma chamada do técnico. Depois, algo que fui descobrir por lá, em papos informais com o garoto e com gente da liga, é que ele, até o ano passado, jogava muito mais fora da bola – vá lá, como um “2” do que como um armador com mais responsabilidades com a bola. Uma informação valiosa para entender essas dificuldades e que torna o que ele mostrou em NYC algo mais interessante ainda. “Ele tem de continuar treinando seu arremesso e sua habilidade como criador de jogadas, mas ele nos mostrou alguns lampejos legais, no ataque e na defesa, que nos fazem acreditar que ele pode virar um bom jogador. Ele tem um futuro legal pela frente.”

Guilherme é um jogador que efetivamente entrou no radar da NBA. O que, de novo, não garante nada. “Quando tinha 17 anos, estava jogando na Espanha e as pessoas começaram a falar sobre mim como jogador de NBA. Já era profissional na Espanha, estava ciente disso, mas só fui entrar na liga aos 25 anos. Levou um bom tempo entre o momento que começaram a olhar para mim e a hora que cheguei para jogar aqui. Você tem de ser paciente'', diz Splitter, que, na verdade, não pode ser comparado com ninguém. Desde muito cedo, foi visto corretamente como um prodígio, alguém com uma maturidade e jogo muito evoluído para alguém de sua idade. Não é o caso de seu compatriota 13 anos mais jovem.

* * *

Sobre Yuri, é preciso dizer: se a vida de armador num camp destes não é fácil, para o pivô fica mais difícil ainda. Os grandões podem passar minutos e minutos sem nem mesmo ser acionados no ataque. Mais: esta foi a estreia internacional do garoto. Demorou um pouco para se aclimatar, como ele mesmo admitiu.No terceiro e último dia, estava bem mais solto no ataque e conseguiu se estabelecer como uma boa opção no jogo dentro da zona pintada, quando lhe passavam a bola.

De certa forma, Yuri, de 2,07 m, lembra, e muito, seu irmão. É comprido e magro. Tem um corpo que lhe permite jogar dentro e fora do garrafão. Sua predileção é ficar mais perto da cesta, mesmo. Tem um trabalho de pés ágil e consegue girar bem para os dois lados, finalizando também com a mesma eficiência com ambas as mãos, algo que, creiam, é uma raridade mesmo num seleto grupo desses.

A impressão que me passou é a de que o garoto ainda está tentando se sentir confortável com seu corpo em quadra, que talvez esteja em plena fase de crescimento. Impressão que também pode ter a ver com algo que o pivô contou: era para ele também ter jogado no ano passado, ao lado de Guilherme, na edição americana do BwB. Devido a uma lesão no pé, acabou não acontecendo. Ficou dois meses fora de ação.

Yuri tem as pernas bem compridas, o que é uma vantagem e salta aos olhos mesmo no jogo de transição. Mas sua base corporal ainda é fraca. O que dificulta o jogo de costas para a cesta contra adversários mais fortes, físicos.

* * *

Como dito aqui, tanto Guilherme como Yuri estão no Bauru, o time do momento no basquete brasileiro. NBB, para eles, a gente pode esquecer. O curioso é saber como o clube vai se comportar com eles em relação à LDB. Nem mesmo isso parece garantido, já que há uma série de atletas mais velhos, que mal veem a quadra no conjunto de selecionáveis de Guerrinha, para serem aproveitados.

Na armação, o time pode usar, por exemplo, Rafael Carioca – que é muito mais explosivo e forte que Guilherme, sendo quatro anos mais velho. Já Yuri poderia jogar ao lado do irmão Wesley, o que seria bem interessante. Pelo fato de terem perdido os primeiros jogos desta quarta etapa disputada em Belo Horizonte, dificilmente serão aproveitados agora. Para a fase final? A expectativa é que sim. A ver.

* * *

Ayán (d) e Maximo, promessas argentinas

Outro talento meio-brasileiro chamou a atenção no BwB em Nova York: o ala-armador Ayán Nuñez Caravalho. Sim, Carvalho: seu pai é brasileiro, a mãe argentina. Ele foi inscrito como argentino. É um jogador de vigor físico intrigante, belo arremessador, boa impulsão e muita agilidade. Dos três vizinhos que estavam por lá, foi o que mais chamou a atenção. O ala-armador Maximo Fjellerup também tem prestígio e possui um jogo mais veterano do que a média, aproveitando ou criando brechas na defesa para pontuar e passar. Mas não fez um camp muito bom no geral, um pouco fora de sintonia, forçando muitas jogadas de efeito. Também jogou por lá o ala Agustín Mas Delfino, que é forte para burro, sólido, mas tem um basquete, digamos, terreno que limita suas opções profissionais por ora. Acho que ainda pode fazer algo na Europa, mas, hoje, é difícil imaginá-lo na NBA.

* * *

Um consenso: o nível do BwB deste ano foi bastante elogiado. Foi uma safra muito generosa, claro que pelo fato de reunir talentos do mundo todo pela primeira vez. Além de Bender (que é um prospecto de fazer cair o queixo, gente, e sobre o qual se encontra informação por aí na rede já de monte, incluindo vídeos), Murray (idem), mais alguns nomes para se monitorar: Silvio de Sousa, Angola, 16 anos, 2,03 m – um ala muito forte e atlético, com bom drible; Thomas Wilson, Austrália, 17 anos, 1,92m – depois de Murray, o melhor armador natural do camp; Yanhao Zhao, China, 17 anos, 1,95 m – um ala-armador muito rápido, atrevido e talentos com a bola.


Agora veterano, Splitter ainda se admira com revelações brasileiras
Comentários 1

Giancarlo Giampietro

Splitter, agora mentor, conversa com revelações do mundo todo

Splitter, agora mentor, conversa com revelações do mundo todo, ao lado de Ron Harper

Sabe quando você percebe que está ficando velho? Quando Tiago Splitter, com todo o respeito, também está passando pelo mesmo problema pela mesma experiência, tendo batido na casa dos 30 agora na virada de ano. ; )

Parece que foi ontem que ele se apresentou a Hélio Rubens aos 17 anos para fazer sua aguardadíssima estreia pela seleção brasileira adulta num Mundial de basquete. Hã… OK, 2002 nem foi tão ontem assim. Já se foram 12 anos desde aquele campeonato. E cá está o pivô catarinense, hoje uma referência para garotos não só do Brasil, como do mundo inteiro, campeão da NBA, escolhido pela organização do Basketball without Borders para fazer o discurso de encerramento da mais recente edição de um camp que vai crescendo em prestígio, em Nova York.

Sim, Splitter fala, hoje, como veterano, para garotos que em sua maioria tinham exatamente sua mesma idade naquele campeonato em Indianápolis, quando Sandro Varejão, Demétrius, Rogério  e Vanderlei eram as figuras de referência. Por isso perguntei ao catarinense quando foi o momento em que ele se deu conta de que o jogo havia virado para ele. Riu e respondeu ao VinteUm: “Foi ultimamente, mesmo. Já me sinto um dos mais velhos. Com certeza passou bastante tempo, mas é bom também, né? Mudando um pouco, passando um pouco da experiência, conversar com o pessoal mais novo. Agora mesmo tive a oportunidade de falar com o Lucas (Bebê) e o Bruno (Caboclo), que estão numa situação não tão boa, mas que é normal e que precisam estar com a cabeça no lugar, treinando, que é muito importante neste momento.''

>> Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa
>> O VinteUm está no All-Star Game

Depois de se encontrar com a dupla de compatriotas em Toronto durante a semana, o pivô agora cruzou em Manhattan com mais duas promessas nacionais, do Bauru: o armador Guilherme Santos e o pivô Yuri Sena, ambos de 17 anos. Com Guilherme, foi seu segundo encontro, depois de terem se conhecido em um evento de 3×3 da NBA realizado em Baureri, no ano passado. O pivô o elogiou, e posso confirmar que o jovem atleta – que jogava pelo Barueri até o ano passado, ressalte-se – deixou boa impressão entre os scouts que lotaram um pequeno, mas muito bem ajeitado ginásio do Baruch College.

Guilherme Santos e Tiago Splitter: 13 anos de diferença

Guilherme Santos e Tiago Splitter: 13 anos de diferença

O que causa admiração geral, não? O Brasil ainda encontra um jeito de produzir mão-de-obra, mesmo que as estruturas do esporte no país não sejam das mais confiáveis. Como Splitter disse a um jornalista canadense em sua interessante entrevista coletiva: “Bem, vemos jogadores surgindo, mas não por sermos bem organizados. Eles simplesmente aparecem''.

Em 2002, Nenê havia acabado de ser selecionado pelo Denver Nuggets na sétima posição do Draft. Ali, estava aberta uma porta para a molecada brasileira. Dois anos antes, porém, aos 15, quando deixou Blumenau para se estabelecer em Vitoria-Gastez, no País Basco, Tiago também havia apontado outra direção: a Europa, especialmente a Espanha. “No Baskonia, fui uma aposta que eles fizeram na época, junto com vários garotos. Lembro que na época eles levaram outro brasileiro – o Thiago da Luz, um grandão de 2,16 m –, um dominicano, dois espanhóis etc. Claro que não foram todos que se tornaram jogadores. Mas era uma boa estrutura. Tinha o preparador físico, nutrição, mas nada que não vá ter no Brasil num clube de ponta. A grande diferença foi a competição. Cheguei com 15 anos lá e já comecei a jogar adulto, na terceira divisão. Fui subindo, até a primeira. Foi essa competição que me fez ser um bom jogador.''

Yuri Sena, Tiago Splitter e Guilherme Santos em NYC

Yuri Sena, Tiago Splitter e Guilherme Santos em NYC

O sucesso que o pivô obteve por lá, todavia, resultou na migração de diversos talentos nacionais para a Espanha, apostando no amadurecimento e na construção de uma carreira por lá. Diversos jovens tentaram a sorte da mesma forma. Alguns vingaram, como vemos agora acontecendo com Augusto Lima e Rafael Luz. Outros ainda tiveram tempo de voltar para casa e prosperar (Luis Gruber, por exemplo). Mas muitos caíram no anonimato, no esquecimento.

E o problema, para Splitter, é justamente o fato de o país depender de um ou outro nome que desponte aqui e acolá, com a massificação da modalidade parecendo mais uma utopia – algo sobre o que já discutimos aqui após a eliminação para a Sérvia na Copa do Mundo passada. Ele só defende que as cobranças não se limitem apenas à CBB, mas que se estendam à política nacional para o esporte. Faz todo o sentido, claro – mas não exime a confederação de suas responsabilidades. “Para mim, a gente fala muito da confederação, e eu sei que vocês gostam de colar na confederação, mas para mim é uma questão de ministério da Educação. É de botar o basquete nas escolas'', diz. “Se não fizermos isso, não vamos ter quantidade. Se ficar só com clubes, beleza: vai ter 20 meninos aqui e ali, e só. Mas não é o suficiente. Realmente é uma coisa de política, mesmo. Se não mudar isso, não vai melhorar.''

Nem tudo são trevas na visão do pivô, de qualquer forma. Comparando com o cenário que viu há oito, nove anos, ele acredita que houve evolução. “Na minha época, se você não fosse juvenil ou adulto, estava fora. Agora tem uma liga (em referência à LDB) para esses garotos e muito mais investimento. Uma grande diferença. Quando era bem novo, a liga era decente. De repente, virou uma m… E agora vai crescendo e está bem. A gente sabe que tem coisa para melhorar, mas vejo no caminho certo. A liga privada foi um acerto. Temos jogos quase todos os dias na TV, um escritório da NBA no Brasil e um acordo com a liga. O que quer dizer que mais pessoas vão assistir ao basquete, o que é ótimo. Espero que, num futuro próximo, possamos ser um grande país para o basquete.''

Esse processo todo ainda pode soar muito vago, em estágio prematuro – ele pode mudar drasticamente, dependendo dos resultados da parceria LNB-NBA ou de qualquer conjuntura econômica mais sufocante. Por enquanto, é como ele mesmo diz: as coisas vão acontecendo meio ao acaso. Os jogadores vão surgindo, cheios de potencial, encantando a comunidade internacional. Durante o Basketball Without Borders, fui questionado por um importante dirigente de um clube da Conferência Oeste sobre a discrepância que se nota entre o nível de potencial atlético das revelações brasileiras e os seus fundamentos básicos. Só o passar do tempo vai nos dizer, mesmo, o que sairá de tudo isso. As respostas vão aparecer apenas quando Splitter já tiver se aposentado das quadras. Até lá, resta saber aonde estarão Guilherme e Yuri.