Vinte Um

Arquivo : Draymond

Para dar zebra, Sérvia terá de ser melhor que EUA no ataque
Comentários Comente

Giancarlo Giampietro

Você pode marcar Kyrie Irving? Talvez. Mas e como fica Durant?

Você pode marcar Kyrie Irving? Talvez. Mas e como fica Durant?

Por Rafael Uehara*

Conforme o esperado, a seleção dos Estados Unidos avançou à final da #Rio2016 sem nenhuma derrota pelo caminho. Diferentemente das expectativas, porém,  esse time não dominou seus adversários.

Estrelas como LeBron James, Stephen Curry e James Harden optaram por não participar esse ano, mas, ainda sim, a previsão era a de que esse grupo (que contem mais ou menos 10 dos 30 melhores jogadores da NBA) não teria problemas para bater todos os oponentes confortavelmente. O que não se materializou.

Quatro dos sete jogos que os Estados Unidos participaram foram competitivos até o último quarto. A defesa comandada por Tom Thibodeau tem sido relativamente pútrida considerando a vantagem em porte atlético que os americanos têm em relação aos demais adversários.

>> Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa

E, tendo isso em vista, as rotações de Mike Krzyzewski são de coçar a cabeça, principalmente com relação ao fato de Draymond Green ter um papel muito pequeno nesse time. Green, quando o Warriors joga com formação menor, se transforma no melhor pivô da NBA. Tem um estilo de jogo perfeito para o padrão Fiba. Provavelmente corrigiria algumas das deficiências que esse time que mostrado.

Mesmo com esses problemas no lado defensivo, os americanos ainda sim tøem se mostrado muito difíceis de ser batidos devido ao seu poder ofensivo. Não jogam um ataque lindo de se ver, com a bola indo de lado a lado e maximizando todas essas estrelas dentro de um jogo coletivo. Porém, podem escalar o melhor grupo de atiradores do torneio, e isso tem feito muita diferença.

Parar os Estados Unidos é impossível. A Espanha teve a melhor defesa da primeira fase e  só conseguiram segurar os norte-americanos a 82 pontos em 40 minutos.

Muito se tem feito da defesa sérvia, adversário dos norte-americanos na disputa pela medalha de ouro, depois das partidas contra Croácia e Austrália. O desempenho nesses jogos foi realmente de se aplaudir, ambos pelo aspecto estratégico armado pelo treinador Sasha Djordjevic e pelo comprometimento de seus jogadores no esforço para materializar seu plano de jogo.

Teodosic chuta e cria que é uma beleza. Seus companheiros vão acompanhá-lo?

Teodosic chuta e cria que é uma beleza. Seus companheiros vão acompanhá-lo?

Mas o quanto de chance os sérvios têm de fazer o impensável? De qualquer forma, provavelmente uma resposta positiva não terá nada a ver com sua defesa. Uma coisa é Nikola Kalinic parar Patrick Mills. Outra totalmente diferente é pedir que marque Kevin Durant. E mesmo que o faça, quem para Kyrie Irving? Quem impedirá que Klay Thompson e Carmelo Anthony se libertem para seus tiros de três se movimentando pelos lados da quadra?

Durante esse torneio, a chance real de bater os Estados Unidos tem se mostrado dependente da capacidade de acertar seus arremessos livres. Esse time é vulnerável e dá oportunidades aos adversários, que têm conseguido criar boas oportunidades sem marcação. Mas até agora ninguém se mostrou capaz de aproveitá-las a ponto de vencer no final.

Austrália, França e Espanha acertaram apenas 30,3% de seus 66 tiros de três pontos contra os Estados Unidos. A Sérvia, que chegou mais próxima do triunfo, tendo oportunidade clara de empatar o jogo da primeira fase no último lance da partida, acertou 10 de suas 25 bolas de três naquele jogo. Precisará de atuação similar neste domingo.

A dúvida é se esse time sérvio tem mesmo todo esse poder de longa distância para repetir tal atuação. Ninguém questiona que Milos Teodosic e Bogdan Bogdanovic podem acertar tiros de qualquer lugar da quadra, com ou sem marcação. Mas será preciso que Kalinic aproveite os tiros sem marcação que Teodosic criará para ele na zona morta e que Stefan Markovic seja um pouco mais agressivo contra a defesa pífia de Irving no pick-and-roll. Mais: Nikola Jokic ou Milan Macvan precisarão de tirar proveito de Cousins ou Anthony no pick-and-pop.

Uma vitória sérvia neste domingo fará muito bem para o basquete ao redor do mundo. Esta não é a melhor seleção que os norte-americanos poderiam ter, mas ainda sim é um grupo cheio de estrelas que não tem desculpa para não vencer. Se os sérvios ganharem o ouro, provarão aos norte-americanos que, se eles não jogarem basquete comprometido defensivamente e coletivo ofensivamente, mesmo que tenham vantagem em porte atlético, o nível ao redor do mundo avançou o suficiente para tornar sua dominância vulnerável.

Vamos esperar.  É difícil mudar o palpite. A expectativa, ainda sim, é de que os Estados Unidos prevaleçam, mantendo o status quo em que vivemos.

*Rafael Uehara edita o “Basketball Scouting”. Seu trabalho também pode ser encontrado nos sites “Upside & Motor” e “RealGM”, como contribuidor regular. Vale segui-lo no Twitter @rafael_uehara.

***Receba notícias de basquete pelo Whatsapp***
Quer receber notícias de basquete no seu celular sem pagar nada? 1) adicione este número à agenda do seu telefone: +55 11 96572-1480 (não esqueça do “+55”); 2) envie uma mensagem para este número por WhatsApp, escrevendo só: oscar87


Jogo 5 teve convergência perfeita para o Cavs. É sustentável?
Comentários Comente

Giancarlo Giampietro

kyrie-irving-game-5-cavs-oakland

Em qualquer cobertura mais vasta, daquelas chamadas especiais, hoje em dia, parece impossível fugir do tópico “sustentabilidade”. Nesta série de textos sobre as #NBAFinals, como ficar fora dessa onda? Não dá, vai.

Na liga americana, o termo também está em voga, à medida em que o uso e a análise das estatísticas se aprofunda. A abordagem um pouco mais fria procura colocar em perspectiva a boa fase de um ou jogador, por exemplo. Daí o uso também de outros conceitos como “amostra pequena”. Tudo isso é processado para que as exceções sejam cada vez mais classificadas como exceções, mesmo, bem diferente da regra. Daí que, quando um Channing Frye acerta sete bolas de três pontos em dois jogos seguidos de playoff, em vez de elegê-lo já como o maior chutador da história, o raciocínio mais prudente e correto seria questionar se essa produção seria… sustentável.

Quando chegamos às finais de um campeonato, então, esse tipo de questionamento se torna ainda mais forte, já que cada time – no caso, Golden State Warriors e Cleveland Cavaliers – chega para decidir o título com uma extensa rodagem, com uma profunda base de dados para efeito comparativo.

>> Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa

Depois da grande vitória do Cavs pelo Jogo 5, em Oakland, nesta segunda-feira, com LeBron James e Kyrie Irving se aproveitando das chamas produzidas por Klay Thompson no primeiro tempo para incendiar todo o ginásio, vale dar um passo atrás e avaliar o que aconteceu de normal ou anormal na partida. O quanto disso pode ser carregado para o Jogo 6 na quinta-feira? E a um eventual eletrizante Jogo 7? Certamente cada uma das comissões técnica, vindo de vitória ou derrota, vai fazer esse exercício. Então vamos lá:

A dinâmica LeBron/Kyrie

LeBron, Kyrie, NBA Finals, Game 5, Jogo 5

Botaram para quebrar

Em quadra, essa foi a manchete: James e Irving formaram a primeira dupla de atletas a passar dos 40 pontos em uma partida pelas finais, com 41 cada. Foi um estrondo, mesmo, sem que defensores ultracapacitados como Klay Thompson e Andre Iguodala pudessem fazer muita coisa.

Um dado curioso é que nem o ala, nem o armador ainda haviam marcado 40 pontos nesta temporada. A estreia neste clube dos quarentões só havia acontecido três vezes antes na história, com  Cliff Hagan (em 1961, pelo Hawks), Magic Johnson (em 1980, pelo Lakers) and James Worthy (em 1989, pelo Lakers).

Para chegar a 112 pontos, o Cavs certamente atacou bem, com eficiência. Agora, eles atingiram um elevado índice de acerto, com 53% nos arremessos, 41,7% de três pontos e 23 lances livres batidos, com uma abordagem bastante individualista de seus astros, e não com um jogo mais solidário que procurasse esgarçar a defesa do Warriors. Somente 34,1% das cestas de quadra da equipe foram assistidas (15 de 44). Segundo o NBA.com/Stats, essa foi a primeira vez em 50 anos que um time passou dos 110 pontos com um percentual tão baixo de assistências. Além disso, as 29 cestas em investidas solitárias foram o máximo em um jogo pelas finais desde 1967, quando o San Francisco Warriors triunfou por 30 pontos na Filadélfia.

A concentração de jogo em seus craques foi absurda até. Dos 112 pontos, 97 saíram direta ou indiretamente das mãos da dupla, ou 87%, entre cestas e assistências. Essa é a segunda maior média da história das finais. Curiosamente, só fica atrás do que vimos no Jogo 1 do ano passado, antes de Irving se lesionar, numa derrota dramática definida apenas na prorrogação. Todas as últimas 25 cestas foram feitas ou assistidas pelos dois astros. A última cesta que não passou pelas mãos dos dois foi uma bandeja de Iman Shumpert na metade do segundo quarto. Os dois vão conseguir sustentar um desempenho desse na volta para casa?

Kyrie Irving
Vale lembrar que o armador anotou 22 de seus 41 pontos em Oakland em jogadas na qual ele avançou pela quadra driblando e não fez nenhum passe. Nesse tipo de situação, acertou inacreditáveis 10 de 15 arremessos (66,6%). Sabe qual era o seu rendimento entre os Jogos 1 e 4 com essas investidas em total isolamento? De 13-39, ou 33,3%, a metade. E aí? Qual é o número mais real? De repente um meio termo entre ambas as marcas?

Fato é que, desde que a série foi para Cleveland, o desempenho de Irving vem sendo bem superior:

Essa tinta verde espalhada pela foto da direita, no entanto, se deve muito ao que aconteceu nesta segunda-feira, mesmo. O jovem astro terminou com o quarto melhor aproveitamento da história das finais entre atletas que tenham tentado ao menos 20 arremessos. Ficou atrás só de atuações de gente como Shaquille O’Neal (em 2004 pelo Lakers), Larry Bird (em 1984 pelo Celtics) e Wilt Chamberlain (em 1970 pelo Lakers, o único deste trio que também passou dos 40 pontos).

LeBron James
Que LBJ costuma responder bem quando está enfrentando a eliminação pelos playoffs, Iguodala acabou de perceber. Acreditem: para alguém que é julgado de maneira irascível como um amarelão, o craque do Cavs, contra a parede, tem números e retrospecto superiores aos de Michael Jordan e Kobe Bryant. (O que não quer dizer que seja o melhor jogador da história. Esses dados só contrariam o imaginário popular que se construiu em torno de sua figura.)

O ala geralmente vai se impor em quadra, mesmo, e o máximo que seu marcadores podem fazer é tentar deixar as coisas um pouco mais difíceis, pelo menos.  Por muito tempo, em seus primeiros anos na liga, a melhor e mais óbvia era receia era realmente pagar para ver seu arremesso. Os marcadores recuavam e o induziam ao chute de longa distância. Em 2010-11, em seu primeiro ano pelo Miami, ele matou só 33%. Tudo era melhor do que a ideia de ver aquele trator ganhando o garrafão e destruindo o aro. Acontece que, cansado de enfrentar esse tipo de estratégia, LeBron trabalhou esse fundamento até alcançar percentual mais elevado entre 2012 e 2014, com pico de 40,6%. Seja por falta de treino, pelas pernas mais pesadas ou por uma combinação desses dois fatores, de um ajuste a sua atual condição física, o ala permitiu que seu rendimento caísse muito, para 30,9%, o pior de sua carreira.

FINAIS DA NBA
>> Jogo 1: Livingston! Os reservas! São as finais da NBA

Mais: Leandrinho voltou a ser um vulto. Na melhor hora
>> Jogo 2: Não é só o Warriors 2 a 0. Mas como aconteceu
Mais: São sete derrotas seguidas, e LeBron está cercado
>> Jogo 3: Enérgico, Cavs responde na série das lavadas
Mais: Love sai do banco, mas como fica o Cavaliers?
>> Jogo 4: Curry desperta, mas não só. GSW perto do bi
Mais: Draymond suspenso. A festa do Warriors também?
>> Jogo 5: LBJ vilão e Kyrie inspirados estendem a série

Esse número foi muito bem recebido pela oposição. Era quase uma benção. Nas finais, para o bem de Iguodala, ele estava com 31,2%. Daí a surpresa ou mesmo incredulidade com o que ele fez pelo Jogo 5, silenciando as vaias que o perseguiram pela Oracle Arena. Dessa vez, James acertou 8 de seus 19 arremessos fora do garrafão (42,1%). Não é algo expressivo assim comparando com o que Kyrie Irving matou de bola ao seu lado, mas é muito melhor do que 9 cestas em 28 tentativas (32,1%), das primeiras quatro partidas. Contra Iguodala, ele acertou 6-10 nos arremessos e 3-4 de longa distância.

Sem Draymond Green
O ala-pivô ficou arrasado ao ver o Jogo 5 de um dos camarotes do estádio do Oakland A’s, vizinho da Oracle Arena, segundo seu ex-técnico em Michigan State, Tom Izzo. Sentiu que havia deixado seu time na mão. Podem ter certeza que o impacto maior causado por sua ausência foi sentido em quadra. Especialmente quando o Warriors precisava defender. Sem ele, o Cavs tentou explorar ao máximo o quarteto Bogut, Ezeli, Speights e Varejão situações de pick-and-roll e teve sucesso. O trio de pivôs era presa fácil para LeBron e Kyrie, enquanto James Michael McAdoo, muito mais ágil, não intimidava ninguém. A formação bastante baixa com Curry, Thompson, Livingston, Iguodala e Barnes também não colou.

Para termos uma ideia do quão vulneráveis os atuais campeões estiveram, o Cavs anotou 46 pontos apenas dentro do garrafão, com aproveitamento de 60%, com 24-40. Para comparar, o Warriors somou 42 pontos em tiros de três. Nas duas primeiras partidas como visitante, o Cavs havia anotado apenas 85 pontos por 100 posses de bola. Nesta segunda, sua média foi de 110 pontos. A jornada inspirada de Irving e James, que mataram 19 de 30 arremessos contestados, ajuda a entender essa guinada.  Draymond, sozinho, não iria impedir essas 19 cestas. Mas podem ter certeza de que os dois cestinhas encontrariam mais obstáculos, pelo fato de o ala-pivô ser muito mais ágil que o quarteto usado por Kerr em rodízio e entender perfeitamente o que precisa ser feito na cobertura de espaços. Pode não ter estatura, mas tem força, envergadura e inteligência para ser um candidato perene ao prêmio de defensor do ano. Não existisse um certo Kawhi Leonard em San Antonio, certamente já teria ganhado ao menos um troféu nesta categoria.

curry-vs-irving-warriors-cavs

As cestas de três do Warriors
Aquela turma que precisa evitar o consumo daquele amendoim, do queijinho ou do presunto cru durante as partidas do Warriors, sob risco de engasgo, deve ter se divertido pacas com o segundo tempo da vitória do Cavs. Afinal, nessa parcial, os atuais campeões erraram simplesmente 18 de 21 chutes de três pontos, sendo 9 em 10 pelo último quarto. No geral, o time acertou apenas 14-42 (33,3%). Na temporada, sua média foi de 41,6%, enquanto nos mata-matas é de 39,5%. O baixo rendimento num jogo que valia o título muito se deve ao empenho dos defensores do Cavs, com destaque improvável para JR Smith, por exemplo, especialmente no segundo tempo. Mas não foi só isso.

Esmiuçando esse aproveitamento, você encontra um dado surpreendente. Segundo as medições do sistema SportVu – com suas câmeras invasivas acompanhando toda a movimentação dos jogadores –, o Warriors teve ainda nada menos que 19 arremessos de longa distância com atletas “completamente livres”. A tendência é achar que os marcadores jamais poderiam permitir um número tão elevado de tentativas sem resistência ao time de Steve Kerr. Pois nesta segunda não teve problema: apenas 4 desses 19 chutes foram convertidos. Harrison Barnes, aliás, foi a ‘estrela’ aqui. O ala não é um dos Splash Brothers, mas chegou ao duelo com 42,8% de acerto – e 60% nos dois jogos anteriores – e matou apenas uma em seis tentativas, desperdiçando diversas tentativas em total liberdade.

Surras?
Até agora, o mais perto de um jogo parelho que tivemos foi o quarto, com vitória tensa do Golden State, mas a qual já estava decidida a dois minutos do fim. Somando o saldo dos cinco primeiros jogos, são 104 pontos de sobra no placar, ou mais de 20 por confronto. Essas serão, digamos, as finais mais desequilibradas jogo a jogo em mais de 50 anos, desde 1965, com um dos tantos duelos Lakers x Celtics gerando uma sobra de 105 pontos. Dependendo da resolução das equações acima será que vamos ter pelo menos uma partida mas apertada? Queremos drama e emoção. Sustentabilidade tem limite.

***Receba notícias de basquete pelo Whatsapp***
Quer receber notícias de basquete no seu celular sem pagar nada? 1) adicione este número à agenda do seu telefone: +55 11 96572-1480 (não esqueça do “+55”); 2) envie uma mensagem para este número por WhatsApp, escrevendo só: oscar87


LeBron aceita papel de vilão e vê Kyrie explodir para estender as finais
Comentários Comente

Giancarlo Giampietro

lebron-kyrie-game-5-finals

LeBron James fez sua melhor jogada antes mesmo de o Jogo 5 começar. Quando, ainda em Cleveland, atropelou Draymond Green, tirou o oponente do sério e forçou sua suspensão com uma quarta falta flagrante pelos playoffs. Nesta segunda-feira, porém, ele fez questão de estender sua contribuição com uma das melhores atuações de sua carreira. Foi um ato de sobrevivência, e o Cavaliers bateu o Golden State Warriors por 112 a 97 para forçar o sexto jogo na quinta-feira.

Em 42 minutos, sem mal descansar em quadra ate que o “garbage time” fosse instaurado, LeBron anotou 41 pontos, apanhou 16 rebotes, deu 7 assistências e ainda acumulou 3 tocos e 3 roubadas, com 16-30 nos arremessos. Além disso, matou 50% nos tiros de três, em oito tentativas. Espetacular e, a julgar por seu currículo, não surpreende. Para quem ainda lê e ouve por aí tanto sobre uma suposta fama de amarelão, o craque tinha médias de 31,9 pontos, 10,7 rebotes e 6,6 assistências em partidas pelas quais sua equipe lutava contra a eliminação. Agora tem a melhor média de pontos da história dos mata-matas nesse tipo de situação. A diferença é que, a despeito de suas exibições marcantes, o aproveitamento de seus times era de 7 vitórias em 15 jogos.

>> Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa

Para devolver a série a Cleveland, o veterano não agiu sozinho, obviamente. Assim como no Jogo 3, contou com nova exibição primorosa de Kyrie Irving no ataque. O armador do Cavs voltou a esfomear em quadra, mas dessa vez guardou seus arremessos com uma precisão assustadora, de causar inveja a Curry. Anotou os mesmos 41 pontos, com 17 cestas em 24 tentativas (70,8%). Nem mesmo um marcador como Klay Thompson o incomodou.

“Foi provavelmente uma das melhores atuações que já vi ao vivo”, disse James, seguindo a mesma linha de Jeff Van Gundy, durante a transmissão. E não é exagero. Na história das finais, apenas só teve um jogador além de Irving que conseguiu marcar 40 pontos e acertar mais de 70% em uma partida: Wilt Chamberlain. Glup. Aconteceu em 1970, pelo Lakers, respectivamente, com 45 e 74,1%. Aí vale a gente lembrar que Wilt era a maior aberração atlética do mundo e que, para a época, era como se tivesse 2,58m de altura e estava sempre pertinho da cesta. Irving é um cara de 1,91m que vaga pelo perímetro.

Foi a primeira vez na história das finais que dois companheiros passaram dos 40 pontos na mesma partida. Entre cestas e assistências, os dois estiveram envolvidos em 97 pontos dos 112 dos visitantes. A mesma quantia que todo o elenco do Warriors. Incrível. Vale o abraço:

Era como se James e Irving, de repente, tivessem se tornado os Splash Brothers. Ninguém duvida da capacidade do armador para converter os chutes que arriscou nesta partida. O problemão para Steve Kerr foi ver o ala alcançar um percentual elevado mesmo quando buscava pontuar longe da cesta. Qualquer defesa bem-sucedida contra uma equipe de LBJ espera, conta que ele vá falhar neste tipo de fundamento. Se, por um acaso, ele conseguiu virar a chavinha para valer nestas finais, será uma tremenda dor-de-cabeça para o Golden State, independentemente da presença de Draymond Green em quadra.

O ala-pivô fez muita falta para os atuais campeões, especialmente na defesa. Não só na ajuda para a contenção de LeBron, como para a coesão da equipe, mesmo. A cobertura, a recuperação de posição, a comunicação nas trocas de marcadores, a proteção de cesta…  Faltou um pouco de tudo, abrindo caminho, corredores para os 53% nos arremessos do Cavs e os 41,7% dos três pontos. No momento, o combo de Bogut-Ezeli-Varejão não vem dando conta do recado, com Irving e LeBron explorando sua lentidão sempre quando podem no pick-and-roll. Para piorar, Bogut ainda sofreu uma contusão no joelho no segundo tempo e vai passar por uma ressonância magnética.

bogut-knee-injury-finals-australia

No ataque, a visão de quadra e versatilidade de Draymond também foi sentida, como um assessor extremamente qualificado para seus chutadores, ajudando a organizar o jogo e se aproveitando das oportunidades proporcionadas pelo terror que eles representam no perímetro. No primeiro tempo, Stephen Curry e, principalmente, Klay Thompson mataram algumas bolas malucas de longe, mas se aproveitaram ao mesmo tempo da conivência defensiva dos caras de Cleveland. Sim, alguns daqueles chutes não existem no plano tático de ninguém, mas a marcação em geral foi uma calamidade, muito frouxa, deixando que um empolgado Thompson se desprendesse com facilidade. Antes do intervalo, o ala tinha mais pontos do que LeBron (26 a 25). Terminou com 37 pontos em 20 arremessos, 41 minutos e seis tiros de fora certeiros.

Porque as coisas mudaram. Na segunda etapa, adefesa do Cavs enfim entrou em quadra, para não desperdiçar, anular a soberba combinação de James e Irving. Em vez de seguir no tiroteio com confiança, os cestinhas do Warriors tiveram de lutar muito mais para enxergar a cesta, sem que os corta-luzes lhes dessem respiro. Valeu pela contestação e, muito mais, pelo desgaste gerado. A equipe da casa, como um todo, converteu apenas 12 de 45 (26,6%) de quadra. Foram 36 pontos, contra 39 de LBJ e Kyrie. Em alguns momentos, Curry apareceu livre, mas falhou na pontaria, para fechar sua participação com 25 pontos em 21 arremessos (38%) e 5-14 de três, em 40 minutos. O atual bi-MVP já não tinha pernas. Antes de baixar a energia, é preciso registrar, o armador voltou a ser displicente com a bola, cometendo alguns turnovers dos mais bestas possíveis.

FINAIS DA NBA
>> Jogo 1: Livingston! Os reservas! São as finais da NBA

Mais: Leandrinho voltou a ser um vulto. Na melhor hora
>> Jogo 2: Não é só o Warriors 2 a 0. Mas como aconteceu
Mais: São sete derrotas seguidas, e LeBron está cercado
>> Jogo 3: Enérgico, Cavs responde na série das lavadas
Mais: Love sai do banco, mas como fica o Cavaliers?
>> Jogo 4: Curry desperta, mas não só. GSW perto do bi
Mais: Draymond suspenso. A festa do Warriors também?

De Andre Iguodala, não houve o que se queixar. O veterano fez de tudo para tentar amenizar o impacto da ausência de Green, com 15 pontos, 11 rebotes, 6 assistências em 41 minutos. O que não deu para entender muito bem foi a estratégia de Kerr de colocá-lo para marcar Kevin Love em diversos momentos. Suponho que fosse para preservar o ala, resguardá-lo para os minutos finais, em vez de uma preocupação com o apagado ala-pivô. Acontece que Shaun Livingston e Harrison Barnes não conseguiram fazer nem cócegas contra LeBron James.

Barnes, aliás, foi uma tremenda decepção para o torcedor do Warriors. Quer dizer, nem tanto: durante o ano, fui descobrir que o ala não tem tanto prestígio assim em Oakland. Ainda assim, nem o mais pessimista poderia imaginar uma partida tão inócua assim, com míseros 5 pontos e 5 rebotes em 38 arremessos, acertando apenas 2 de 14 arremessos, muitos deles completamente livres. Considerando o que estava em jogo e o desfalque na linha de frente, esta atuação definitivamente não vai entrar no DVD, na hora de negociar um novo contrato em julho – e vocês desculpem a insistência com essa sub-história, mas é que, logo mais, vai aparecer algum clube para pagar uma bolada para este irregular ala. E aí não vai ter do que reclamar. Do outro lado, a frustração ficou novamente por conta de Kevin Love, que retornou ao time titular, ganhou 33 minutos e não passou de 2 pontos, 3 rebotes, 1 assistência e 3 tocos. Independentemente do desfecho da série, numa análise fria, é provável que a diretoria do clube se sinta inclinada a trocá-lo. Mas isso é papo para depois.

Por ora, o Cavs volta para a casa, com um cenário bem diferente para LeBron, que foi eleito inimigo público número um em Oakland. A julgar por seu rendimento, talvez o torcedor mais esclarecido do Warriors possa se sentir arrependido pelo tanto de vaia que se ouviu no ginásio, desde o aquecimento – historicamente, o ala responde muito em nesse tipo de cenário. Já o torcedor menos fanático e rancoroso do time californiano, a despeito de sua paixão por Draymond, deve ter, secretamente, pelo menos mentalmente, se permitido aplaudir o camisa 23. E Kyrie Irving.

***Receba notícias de basquete pelo Whatsapp***
Quer receber notícias de basquete no seu celular sem pagar nada? 1) adicione este número à agenda do seu telefone: +55 11 96572-1480 (não esqueça do “+55”); 2) envie uma mensagem para este número por WhatsApp, escrevendo só: oscar87


Draymond está suspenso. E a festa do Warriors também?
Comentários Comente

Giancarlo Giampietro

draymond-lebron-game-4-finals

Polêmica,falta flagrante, e… rua

Ao vencer uma partida em Cleveland, a melhor da série, o Golden State Warriors imaginava que retornaria à quadra nesta segunda-feira relativamente tranquilo, ou, melhor, confiante em fechar as #NBAFinals em 4 a 1, para ganhar o bicampeonato. Isso tinha a ver com seu excepcional rendimento como time da casa, o domínio que teve pelas primeiras partidas da série, a grande virada pelo Jogo 4 e o retrospecto geral para quem abriu uma vantagem como essas no placar geral. Todos argumentos sólidos para quem acreditava em um desfecho iminente. Acontece que, neste domingo, Draymond Green e Steve Kerr receberam a notícia que tanto temiam: o ala-pivô está suspenso da quinta partida, depois do tolo entrevero com LeBron James pela última partida.

Vocês veem acima o enrosco. LeBron empurrou Draymond e ainda passou por cima do adversário. Poderia ter evitado? Mudado de direção? Ou foi muito rápido? Independentemente de suas intenções, vemos aqui uma sequência de ação e reação na qual a resposta do All-Star do Warriors foi mais gritante e, digamos, fora do comum.

Pelo soco baixo que o ala-pivô deu, a NBA o penalizou com uma falta flagrante um — que não foi vista em tempo real, diga-se. Essa infração isolada não teria problema. O que pega é que, depois de já ter cometido três infrações desse tipo durante estes playoffs, Green estava por uma. Se LeBron estava totalmente ciente disso e o instigou, não dá para saber. E, num contexto maior, talvez não fizesse a menor diferença nas investigações da liga.

>> Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa

Draymond estava jogando já com um alvo enorme nas costas. O episódio de um chute (?) involuntário em Steven Adams já havia chamado muita atenção. Seu estilo abrasivo também vinha despertando a ira e as críticas se muitos atletas e treinadores no decorrer do campeonato. Ao ser flagrado pelas câmeras mais uma vez aprontando das suas, seria muito difícil que escapasse dessa, pelo conjunto da obra, que cobrou seu preço agora. Ainda mais com LeBron envolvido. De qualquer forma, foi um caso muito espinhoso, que o comissário Adam Silver certamente preferia evitar. Imagine a pressão nos bastidores à qual sua administração não foi submetida no sábado quando conduzia uma investigação a respeito.

Draymond, Kerr e o gerente geral Bob Myers discutem a suspensão

Draymond, Kerr e o gerente geral Bob Myers discutem a suspensão. Crédito: Ethan Sherwood Strauss/ESPN.com

Segundo Marcus Thompson II, do San Jose Mercury News, a defesa do Golden State se baseava em três tópicos principais: 1) que o movimento de seu jogador não terminou exatamente com um soco; 2) LBJ havia começado tudo; 3) não foi um incidente tão grave a ponto de causar impacto nas finais. Nessa linha de raciocínio, o segundo tópico já havia sido rebatido pelo Cavs ainda na sexta. Draymond teria xingado LeBron. Uma coisa justifica a outra e a outra também?

Outro ponto levantado foi que Matthew Dellavedova também teria agredido intencionalmente Andre Iguodala pelo Jogo 1 ao tentar um desarme em transição. Vindo por trás, o australiano fechou a mão e acertou Iggy também nas partes baixas. Não recebeu nenhuma punição. A questão é que, naquele, lance, existe a possibilidade de que o armador estivesse apenas tentando o desarme — ao menos é i que os cartolas dkb. Além disso, depois do carnaval do ano passado, Delly se comportou relativamente bem por estes mata-matas.

A punição ‘tardia’ causou estranhamento em alguns. Reggie Miller acreditou que seu chute em Steven Adams teria sido mais grave. “Apostaria meu braço direito que, se a série estivesse empatada em 2 a 2, Green não seria suspenso. O que aconteceu em OKC foi muito pior”, disse o ex-ala, atual comentarista. Patrick Patterson, ala-pivô do Raptors, fez eco: “Estranho que ele tenha sido suspenso nas finais, mas não na decisão da conferência”.

lebron-james-draymond-green-finals

Como estamos falando de NBA, uma final com muita audiência e LeBron na tela, a teoria da conspiração que passou a circular desde o sábado é a de que, para a liga, o prolongamento da série só faria bem, pensando em audiência e faturamento. Eu, sinceramente, não compro essa: Draymond já havia gerado muita controvérsia para escapar dessa de modo impune. Seu estilo abrasivo teve um custo elevado agora.

O ala-pivô sabia disso. Com a virada praticamente consumada em Cleveland, deveria ter deixado que sua inteligência prevalecesse sobre o orgulho e agressividade. Que Charles Barkley seja um de seus defensores neste episódio, significa muito. Antes de se mandar para Cuba, de férias, e de a liga anunciar sua decisão, afirmou: “Quando alguém pisa sobre você, faz internacionalmente para esfregar na sua cara. Você fica moralmente obrigado a retaliar”.

Draymond é o que é devido a essa personalidade intensa, seu espírito extremamente competitivo. Ao Orange County Register, em entrevista recente, já havia sido questionado se havia algum limite para ele em quadra. “Absolutamente não”, disse. “Vou cruzar qualquer linha para vencer”. Quando foi para cima de LeBron, restavam 2min42s ainda, mas o Warriors estava em momento muito favorável, à frente do placar por dez pontos já. A vitória estava encaminhada. Talvez Green estivesse apenas se defendendo. Ou imaginasse que poderia tirar LeBron do jogo? Forçar uma briga? Se fosse esse o caso, foi uma aposta arriscada e besta demais. Pois, em termos disciplinares, sua situação era muito mais delicada que a do astro. De certa forma, poderia ter sido ainda pior: caso fosse marcada uma falta flagrante, o atleta seria suspenso também de um eventual Jogo 6.

*   *   *

draymond-lebron-shot

Agora Steve Kerr vai ter de quebrar a cabeça para armar a equipe para o Jogo 5. Sabe de quantos jogos o Warriors seu versátil ala-pivô ficou fora nesta campanha? Um. Apenas um, contra o Denver Nuggets, no dia 13 de janeiro. Foi uma das nove derrotas do time no campeonato, por 112 a 110.

É um péssimo sinal. Quer dizer: muito mais a partida com desfalque isolada do que o revés no Colorado em si. Afinal, isso quer dizer que nem Kerr, nem Luke Walton tiveram muitas chances de entender como o Golden State funciona desde que Draymond Green se tornou uma figura tão essencial para o seu sucesso. Nos tempos de Mark Jackson, era reserva de David Lee. Mas muito aconteceu desde então.

Sem Green, a primeira certeza é que time não terá em nenhum momento sua chamada “Escalação da Morte”, com Barnes e Iguodala ao seu lado na linha de frente e os Splash Brothers barbarizando no ataque. Essa formação tem saldo positivo de 14,1 pontos em 100 posses de bola pelas finais e, entre aquelas que receberam um mínimo de 15 minutos durante a série, é a que tem o melhor rendimento. Algo que não surpreende ninguém, já que também foi o quinteto mais produtivo da temporada regular, entre aqueles que acumularam pelo menos 100 minutos, e de longe.

Barnes vai ter de jogar MUITO nesta segunda-feira

Barnes vai ter de jogar MUITO nesta segunda-feira

Ignorando quem está ao redor, nos 152 minutos que o fogoso ala-pivô jogou contra o Cavs nesta final, o Warriors teve vantagem de 36 pontos. Sem ele, em 40 minutos, déficit de sete pontos (veja qual o impacto específico sobre Curry também). Agora serão mais 48 por jogar. Faz como? O problema não é apenas suprir os 14,8 pontos, 9,3 rebotes, 5,8 assistências, 1,8 roubo, 1,3 toco em 38,0 minutos, que têm feito pelas finais. O que já seria bem complicado, aliás. A importância de Green, no entanto, vai muito além do números mais básicos computados na súmula oficial.  Para não falar do aspecto emocional. É o líder, o coração do time.

Estamos falando de um conjunto de habilidades praticamente inigualável na NBA. (E, se você nunca pensou no cara neste modo, fica o convite. Não precisa somar 25 ou 30 pontos por jogo para ser caracterizado como “craque”, a despeito do que ainda se prega por aí). Draymond pode, ao mesmo tempo, ser o último homem da linha defensiva do Warriors, protegendo o aro, enquanto, no ataque, é capaz de jogar como um armador de fato, criando a partir da cabeça do garrafão, mesmo que Shaun Livingston esteja em quadra – coisa que aconteceu diversas vezes no período em que Curry estava afastado, se recuperando de uma torção no joelho. Draymond também é o principal reboteiro do time, enquanto estica a defesa com a ameaça do chute de três, mesmo que tenha errado seus últimos oito arremessos em Cleveland. Draymond vai fazer de tudo para atrapalhar LeBron na defesa e, se conseguir brecar o astro, já é mais uma opção para o desafogo em transição.

Enfim, o cara faz de tudo em quadra e é a figura essencial para essa “Escalação da Morte”, para além do poderio ofensivo de Curry e Thompson, e simplesmente não há como substituir tudo o que ele entrega em quadra. Se os Splash Brothers estiverem no melhor ritmo, caminhando para os 30 pontos cada – tal como naquele histórico Jogo 6 contra OKC –,  fica mais fácil. Mas não dá para contar o tempo todo com isso, nem mesmo com a estreia extraoficial da dupla na quinta partida. O que resta a Kerr, então? Uma sensibilidade aguçada para atender a qualquer necessidade imediata da equipe, com alterações pontuais, imaginando que o quinteto inicial terá Curry, Thompson, Iguodala, Barnes e Bogut.

Varejão pode muito bem ser requisitado para ajudar defesa e rebote do Warriors

Varejão pode muito bem ser requisitado para ajudar defesa e rebote do Warriors

O problema é tentar remediar um lado e se atrapalhar do outro. Taí a relevância de Draymond. Pela terceira vitória, ele ficou em quadra por 42 minutos, que terão de ser distribuídos entre reservas, justamente num momento no qual Kerr estava preparado para enxugar a rotação. Curry (40), Thompson (39) e Barnes (40) já haviam recebido pesada carga, assim como Iguodala (37). Supondo que nenhum deles tenha problemas com falta e que, a essa altura do campeonato, o técnico possa dar mais alguns minutinhos aqui e ali, você até poderia descontar mais seis minutos dos 42 que vai ter de repor. Sobram, ainda, 36. Três períodos inteirinhos.

Uma certeza: Harrison Barnes vai ter de jogar muito. Talvez a partida de sua vida, com um foco inicial: rebotes. Dormir pensando em rebote, acordar pensando em rebote. Almoçar pegando em rebote. Dirigir para o ginásio pensando em rebote. Deu para entender, né? Na temporada regular, ele teve média de 4,9 por jogo. Na série final, 5,5. Em apenas três rodadas, o atlético ala de 2,03m, forte toda a vida, saiu de quadra com mais de 10 rebotes: 12 no Jogo 1 contra Portland, e 11 contra Utah e Indiana pela temporada regular. Mas você acha que é só? Não, também seria bom converter seus arremessos de fora (tal como aconteceu no último duelo, com quatro cestas) e, se possível, ainda colocar a bola no chão para atacar a cesta se houver brecha. Uma atuação para quem pensa em ganhar mais de US$ 20 milhões anuais já a partir de julho.

FINAIS DA NBA
>> Jogo 1: Livingston! Os reservas! São as finais da NBA

Mais: Leandrinho voltou a ser um vulto. Na melhor hora
>> Jogo 2: Não é só o Warriors 2 a 0. Mas como aconteceu
Mais: São sete derrotas seguidas, e LeBron está cercado
>> Jogo 3: Enérgico, Cavs responde na série das lavadas
Mais: Love sai do banco, mas como fica o Cavaliers?
>> Jogo 4: Curry desperta, mas não só. GSW perto do bi

Será que Bogut vai conseguir se segurar em quadra? Improvável. O australiano jogou apenas por dez minutos em Cleveland, e a verdade é que, nestas finais, sua presença em quadra tem significado basicamente. Dentre os quatro quintetos mais utilizados na série, aquele que tem o gigante no garrafão é o único de saldo negativo. Um saldo pavoroso, na verdade, com -19,7 pontos. Isto é: a “Escalação da Morte” ganha outro sentido. É a morte do próprio Golden State.

Quem deve jogar muito mais é Shaun Livingston, que recebeu 19 no último jogo. A dúvida que fica é se um reserva, mesmo de alto nível assim, pode manter sua efetividade em um período mais longo. Leandrinho também deve retornar ao time. Os dois são importantes como criadores e agressores no ataque. Mas o tempo de ambos depende muito da produção do Cavs também. Se Tristan Thompson e, principalmente, Kevin Love estiverem inspirados, assertivos no garrafão, aí o Warriors vai ter problemas. Aí Varejão deve ser chamado, a julgar pelo que o treinador anda fazendo nos playoffs. Festus Ezeli está jogando muito mal. James Michael McAdoo tem mobilidade e impulsão para brigar e sua mobilidade e até foi acionado para jogar na sexta, de modo surpreendente. Mas ainda é muito cru para receber muito mais do que sete minutos. As próximas reuniões de Kerr com seus assistentes vão ser muito interessantes.

De repente, os atletas do Warriors, pês da vida, joguem muito e esculhambem com o Cavs e a liga, para ‘vingar’ seu All-Star. Foi o tema das entrevistas deste domingo, claro. Vejam esta obra de arte de Marreese Speights, por exemplo: “É muito zoado suspender um cara por nada. Se alguém põe as bolas em sua cabeça, o que você deveria fazer? As bolas estavam na parte de trás de sua cabeça. É meio que zoado, cara, mas fazer o quê?”, manifestou o pivô que ainda usaria o Twitter para postar um emoji de uma mamadeira. “Quando alguém faz uma coisa dessas, você meio que perde o respeito por ele. Tinha muito respeito por LeBron por sua carreira, desde que estava no high school. Mas fazer uma coisa dessas só para causar a suspensão de alguém? Isso é meio que desrespeitoso.”

Vai ter de ser uma partidaça, mesmo, para substituir alguém que, para o seu sistema, é insubstituível. Pelo menos não por um atleta só. Ao ser suspenso, Draymond Green está até mesmo proibido de entrar na Oracle Arena. Assim diz a regra liga. Se o Warriors vencer e garantir o bicampeonato, ainda está sendo discutido se ele poderá se juntar aos companheiros, pois o protocolo aparentemente não dava conta de uma situação destas. Depois de tomar uma decisão sobre um episódio controverso como o do entrevero em quadra, isso parece muito mais fácil, de qualquer modo.

***Receba notícias de basquete pelo Whatsapp***
Quer receber notícias de basquete no seu celular sem pagar nada? 1) adicione este número à agenda do seu telefone: +55 11 96572-1480 (não esqueça do “+55”); 2) envie uma mensagem para este número por WhatsApp, escrevendo só: oscar87


Não é apenas o 2 a 0 para o Warriors. Mas como aconteceu
Comentários Comente

Giancarlo Giampietro

Draymond, o MVP da série em Oakland

Draymond, o MVP da série em Oakland

Depois de um jogo desses, as finais da NBA se tornam o conto de dois times. O Golden State Warriors exuberante, exultando confiança voltando a justificar todos os seus recordes e seu lugar na história, após triunfar por 110 a 77 pelo Jogo 2, neste domingo, e abrir 2 a 0 na série. Do outro lado, um Cleveland Cavaliers desmoralizado, em frangalhos, tendo que assimilar a surra que tomou e controlar seu vestiário para evitar uma autoimplosão.

LeBron James, Tyronn Lue e Kyrie Irving vão ter que pensar em muita coisa até esta segunda-feira de manhã, quando vão pegar o voo de volta para Ohio. E aí é usar o trajeto de retorno para pensar mais um pouco. Chegando lá, tem mais vídeo para analisar, muitas coisas para acertar nos treinos até quarta-feira. E talvez nem esse tempo todo seja suficiente? É a conclusão mais precipitada que a que poderíamos chegar após um segundo tempo chocante em Oakland, vencido por 58 a 33. Isso com Stephen Curry fora de quadra, devido ao excesso de faltas, quase tendo uma convulsão no banco de reservas de tanto vibrar e curtir cada jogada maravilhosa de seus companheiros.

Os Splash Brothers conseguiram fazer mais do que 20 pontos, juntos, mas não é que tenham chegado ao nível das apresentações que perturbaram o Oklahoma City Thunder na reta final do Oeste. Dessa vez Curry e Klay Thompson acumularam 35 pontos. Uma quantia que seria excelente para qualquer dupla do Philadelphia 76ers, mas que, falando de quem estamos falando, poderia ter sido atingida em um só quarto, se tanto. E a série está 2 a 0.

>> Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa

O Cavs está contra a parede, precisando lidar com o fato de que, nas últimas 16 decisões da liga em que viu uma equipe com duas vitórias em duas partidas, esta equipe saiu campeã 15 vezes. O último clube a levar um tombo desses foi o Dallas Mavericks em 2006, contra o Miami. Na história, o aproveitamento é de 28 títulos em 31 finais nesse contexto.

Para tentar ser o quarto a buscar a virada, os campeões do Leste não precisam só corrigir uma defesa porosa, que, ao final de 96 minutos de basquete, não é capaz ainda de entender quais as rotações necessárias após se fazer uma dobra contra Curry ou Thompson. Não é apenas isso. Seu ataque também despencou perante uma defesa opressora do Warriors.

Steph se divertiu no banco. Mais uma vitória sem precisar de Curry brilhante

Steph se divertiu no banco. Mais uma vitória sem precisar de Curry brilhante

Os visitantes ficaram abaixo da crítica, ou dos 40% de aproveitamento nos arremessos novamente, com 51 erros em 79 tentativas (35,4%). Também foram mais 17 turnovers, contra 15 assistências. Kyrie Irving anotou apenas 10 pontos e converteu só 35,7%. Na série, está com 33,3%. Kevin Love tinha apenas 5 pontos em 21 minutos, até sair de quadra com sintomas de concussão. JR Smith e Channing Frye, aqueles que colocaram fogo nos playoffs do Leste, não estão produzindo nada também. Mas não é só o elenco de apoio que está em falta, ainda que devendo muito mais. LeBron James acumulou seus números, todos eles – os do bem (19 pontos, 9 assistências, 8 rebotes e 4 roubos de bola) e os do mal (10 arremessos desperdiçados em 17 tentativas e 7 turnovers).

Não vai adiantar LeBron carregar esse time das costas. Ele já fez isso no ano passado, e deu no que deu. Mais: não parece que o craque, hoje, esteja em condição de assumir uma tarefa hercúlea dessas. Andre Iguodala não sai do seu pé quando está em quadra. O Cavs pode forçar a troca defensiva, e Klay Thompson também está fazendo um bom trabalho em mano a mano. É aqui que faz falta o arremesso de longa distância para LBJ. As opções estão limitadas. Ele tem de abaixar a cabeça (metaforicamente ou não) e atacar, tentar ganhar terreno com os músculos. Funciona em uma sequência ou outra, mas, no geral, o Warriors vem fazendo ajustes, sabendo como tirá-lo dos trilhos. Esse parágrafo, nos próximos dias até o Jogo 3, vai ter de ganhar seu próprio espaço como um artigo mais abrangente.

>> Jogo 1: Livingston! Os reservas! São as finais da NBA
Mais: Leandrinho voltou a ser um vulto. Na melhor hora

Pelo Warriors, já citamos com os Splash Brothers não passaram dos 40 pontos, e ainda assim a equipe californiana chegou a 110 pontos, com um extenso gargabe time no quarto final. Como? Bem, começa com um Draymond Green impossível, em sua versão cestinha desta feita, com 28 pontos em 34 minutos e 20 arremessos, com cinco chutes de longa distância convertidos. Como o jogador completíssimo que se tornou – é craque, sim –, ainda contribuiu com sete rebotes e cinco assistências. Passados oito quartos de finais, deve ser o favorito ao prêmio de MVP das finais.

Mas teve mais, como 26 assistências. Dos 12 jogadores utilizados por Steve Kerr nesta noite, só Brandon Rush não pontuou. Leandrinho foi mais uma vez fogoso que só e oportunista, para chegar aos 10 pontos, depois de converter seus cinco primeiros arremessos. O ligeirinho estava com 10-10 na série, até então, até errar os últimos dois chutes. Andre Iguodala, Shaun Livingston e até Ian Clark, no garbage time, somaram 7 pontos. Por aí foram, rumo 54,3% de quadra e 45,5% de três, com 15 conversões. Só Varejão não participou.

Talvez nem precisasse de tantos pontos assim. Quer dizer: obviamente não precisava – não quando seu adversário parou em 77. Mesmo que o Cavs tivesse acertado dois ou três chutes a mais, não teria feito diferença nenhuma, assim como seus 20 turnovers.  Aí Steve Kerr está mais do que certo em dizer, a cada entrevista, que o sucesso nessas duas primeiras partidas se deve a sua defesa. Com agressividade, esforço e consciência, de quem precisa ser contestado, de quem pode cortar para um lado e para o outro, não. Seu time seclassificou para a final com uma herança bendita entregue por OKC. Kevin Durant, Russell Westbrook, Steven Adams & Cia. testaram esses caras ao limite. Depois do sufoco que passaram, acuados, espremidos em quadra, tudo parece um pouco mais fácil.

Estaria David Blatt acompanhando tudo? No ano passado, a equipe voltou para Cleveland com um empate de 1 a 1, sendo que sua derrota aconteceu na prorrogação, em mais um daqueles últimos suspiros do Warriors, evitando a derrota certa. Ficaram muito perto de ver esse placar geral de 2 a 0 a seu favor.  Agora, não são apenas duas derrotas, mas 48 pontos de desvantagem em dois jogos, com todos tentando entender o que aconteceu

Em sua coletiva, ao menos, LeBron assumiu sua parte, seus erros. Não teve dedo apontado para Irving, reservas, Blatt, nem nada. É o primeiro passo para o Cleveland tentar uma reação. Em sua jornada pelo Leste, sempre foram seus inimigos mais perigosos. Nas três primeiras rodadas dos playoffs, não foi problema nenhum. Tem de ver se a fogueira de vaidades não vai se acender. É tudo de que não precisam agora, já que estão enfrentando muito mais do que qualquer adversidade interna. Tem um timaço na oposição, se havia dúvida ainda.

Ao final do Jogo 2, em 2015, a Oracle Arena não estava tão festiva assim

Ao final do Jogo 2, em 2015, a Oracle Arena não estava tão festiva assim

***Receba notícias de basquete pelo Whatsapp***
Quer receber notícias de basquete no seu celular sem pagar nada? 1) adicione este número à agenda do seu telefone: +55 11 96572-1480 (não esqueça do “+55”); 2) envie uma mensagem para este número por WhatsApp, escrevendo só: oscar87


Warriors faz o jogo sujo com Bogut para sobreviver na final do Oeste
Comentários Comente

Giancarlo Giampietro

Stephen Curry foi aquele que finalizou o serviço, não sem o Oklahoma City Thunder incomodar e assustar mais uma vez — ah, se aquele arremesso de Kevin Durant caísse…

Mas não caiu. E aí a imagem que ficou foi a dos gritos do armador do Golden State Warriors para a sua torcida, avisando que eles não estavam prontos para voltar para casa. Depois de sucessivos malabarismos com a bola. Manobras perigosas no drible em meio aos braços enormes de seus oponentes, mas que, ufa, resultaram em bandejas com o aro escancarado, em vez de turnovers.

Curry provou que é muito mais que um mero (?) chutador, e terminou com 31 pontos em 20 arremessos e 37 minutos e comandou a vitória sofrida pela sobrevivência dos atuais campeões. Vamos ao Jogo 6, sábado. A bola agora está com OKC.

Antes das estripolias do bi-MVP, o que teve de fundamental para o Warriors foi a briga ali embaixo do aro, a de quem faria melhor o serviço sujo e prepararia o terreno para os astros brilharem e ganharem suas manchetes. Dessa vez, Andrew Bogut conseguiu, enfim, fazer se notar seu corpanzil. “Ele foi fenomenal”, disse Steve Kerr. “Pegou os rebotes, pontuou, foi agressivo. Foi fantástico. Pegou 14 rebotes, e obviamente a questão do rebote tem sido um problema para todos que enfrentam Oklahoma City.”

>> Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa

Sim, o gigante australiano apanhou 14 rebotes, tão relevantes quanto os 15 pontos que anotou, um recorde pessoal em jogos de playoffs, acreditem. Além disso, deu dois tocos e conseguiu três roubadas. Ainda assim, talvez o número mais relevante de sua linha estatística tenha sido o de faltas: apenas três, atendendo a uma cobrança prévia de seu técnico. Se continuasse cometendo faltas sem parar, o pivô não pararia em quadra. Dessa vez, conseguiu se aproximar dos 30 minutos. Antes sua média estava em 13 minutos por rodada.

Bogut  deu as caras

Bogut deu as caras

“Quando ele está jogando, melhoramos no rebote e ganhamos um passador a partir do garrafão. Queremos jogar mais com Bogut, mas ele precisa ficar em quadra”, clamou Kerr. O pivô atendeu. “Tive quatro jogos de lixo, então tentei ao menos fazer uma boa quinta partida.  Não queria que a temporada terminasse nesta noite”, afirmou Bogut, que adora a autodepreciação. Coisa rara nesses dias.

Sozinho, o australiano não daria conta de trombar com Steven Adams, Serge Ibaka ou Enes Kanter. Draymond Green, ainda desequilibrado no ataque e flertando com uma suspensão (basta mais uma falta flagrante 2 ou mais duas técnicas) se juntou ao combate. Com 13 rebotes e quatro tocos, cuidou daquelas coisas que primeiro lhe garantiram um emprego na NBA e minutos nesse timaço de Oakland, muito antes dos constantes triple-doubles e arremessos de três pontos. Terminou com 11 pontos em 10 arremessos.

No geral, o placar de rebotes terminou com 45 a 45. Adams e Ibaka somaram 18, mas a força atlética de OKC deu um jeito de compensar: Durant, Westbrook e Roberson somaram 20. Para o Warriors, de qualquer forma, esse empate já vale como uma vitória. Até então, a vantagem do Thunder nesse fundamento era impressionante: 196 a 167. Dividido por quatro partidas, era uma média de mais de 7,0.

Quem também contribuiu nessa batalha interna foi Marreese Speights, mas do outro lado da quadra, com 14 pontos. Se o seu repertório tem se limitado cada vez mais a chutes de média para longa distância, neste Jogo 5 ele atacou a zona pintada e pôs pressão na defesa de OKC, pouco incomodada ali dentro até então. Juntos, Bogut, Draymond e Speights somaram 40 pontos e 29 rebotes. Em pontos no garrafão, a vantagem foi enorme também: 48 a 30.

E claro que na NBA de 2016 essa coisa de pontuar perto da tabela não se restringe aos grandalhões, por mais que os nove rebotes ofensivos de Bogut e Draymond tenham ajudado. O maior volume de cestas do Warriors ali veio com Steph Curry, desfilando para bandejinhas. De seus 31 pontos, dessa vez só nove vieram em chutes de fora. Acreditem. Mesmo Klay Thompson foi machucar a defesa de OKC um pouco mais perto da cesta. Para o ala, apenas 6 de 27 pontos saíram em bolas de longa distância. Interessante.

Curry fez splash mais de pertinho pelo Jogo 5

Curry fez splash mais de pertinho pelo Jogo 5

Agora, estamos aqui enumerando alguns fatores positivos e surpreendentes a favor do Warriors, e, para quem não viu o jogo e nem foi ao Google para checar o placar, pode passar a impressão de que foi uma surra. Não foi (120 a 111). Só acabou quando terminou, mesmo, com o Thunder lutando até mesmo quando o time da casa tinha vantagem de 11 pontos (114 a 103) a 55 segundos do fim.

A torcida já fazia festa, os jogadores perderam um tico de concentração, e isso não se faz quando dois cestinhas amedrontadores como Durant e Westbrook são seus oponentes.  Harrison Barnes, numa série pavorosa, cometeu uma falta ao contestar um chute exterior de KD. Caíram os três. Aí Curry se atrapalhou e foi desarmado por Wess. Cesta e falta de Klay. E o que o furacão de OKC fez? Atirou a bola com força no bico do aro, confiante para apanhar o rebote ofensivo. Aberração que é, naturalmente conseguiu, e o placar era de 114 a 108.  Aí Durant teve a chance de fazer uma cesta se três, live, e não conseguiu, quando o relógio marcava 35 segundos. Se tivesse sucesso, a diferença se reduziria a uma posse de bola. Imagine o soluço coletivo num ginásio bastante barulhento.

Os dois All-Stars do Thunder combinaram para 71 pontos, 14 rebotes e 12 assistências. Só não tiveram a jornada mais eficiente em meio a tanto volume de jogo, errando 36 de 59 arremessos (38,9%). Westbrook cometeu ainda sete turnovers, numa jornada desastrosa até o quarto final. Dessa vez, porém, Roberson foi Roberson no ataque (6 pontos em 34 minutos) e Dion Waiters evaporou (zerado em 27 minutos e quatro arremessos). Serge Ibaka, por outro lado, teve uma noite inspirada nos chutes de longe, com 13 pontos em 10 tentativas de mecânica idêntica, no piloto automático até.

Então temos isso. Num jogo em que muita coisa aconteceu a favor do Warriors, os caras ainda tiveram muita dificuldade. Não conseguiram devolver na mesma moeda, e OKC ainda mandou seu recado no final. Por outro lado, para quem não queria ir embora para casa de jeito nenhum, até uma vitória por meio ponto valeria. Só precisavam sobreviver.

Desde a virada em 2012 contra o Spurs que não víamos o Thunder com tanta confiança, firmeza em quadra. Eles acreditam que são o melhor time e mentalmente parecem prontos para o Jogo 6. A ver. Se a pressão não arrastar Durant e Westbrook com força, Golden State vai ter de se desdobrar no sábado para forçar a sétima partida em Oakland. Vão precisar dos cotovelos de Bogut, dos tiros de fora de Curry e muito mais.

***Receba notícias de basquete pelo Whatsapp***
Quer receber notícias de basquete no seu celular sem pagar nada? 1) adicione este número à agenda do seu telefone: +55 11 99006-9654 (não esqueça do “+55”); 2) envie uma mensagem para este número por WhatsApp, escrevendo só: oscar87


Por que o time de 73 vitórias está a uma derrota da eliminação?
Comentários Comente

Giancarlo Giampietro

Durant surge como força defensiva em escalações (nada) pequenas de OKC

Durant, de quase 2,13m, surge como força defensiva em escalações (nada) pequenas de OKC. Enquanto isso, Draymond entra em crise

Nesta terça-feira, pela primeira vez na temporada, o Golden State Warriors perdeu duas partidas seguidas, se vendo em desvantagem de 3 a 1 contra o Oklahoma City Thunder, pela final da Conferência Oeste. O que quer dizer que o  time recordista de 73 vitórias, atual campeão, está a apenas uma derrota da eliminação. Como chegamos até aqui? Após quatro jogos, com desfecho de certa forma surpreendente, dá para fazer uma boa lista. Seguem sete destes fatores:

1) Este não é o mesmo OKC da temporada regular
Acontece. LeBron James sabe muito bem disso, assim como Tim Duncan e Shaquille O’Neal. Todos esses superastros já participaram de grandes equipes que, ao iniciar sua longa jornada em outubro, estavam cientes de que o que valeria, mesmo, seria aquilo que se apresentasse a partir de abril. Nessa linha, as famosas “rodeo trips” do Spurs acabaram se tornando um símbolo deste longevo período vencedor da franquia. Era quando seu ginásio era fechado para as esporas de verdade fazerem uma bagunça, forçando que o time de Gregg Popovich caísse na estrada, já na reta final de temporada, servindo geralmente como um marco na campanha, ligando o turbo.

Nas últimas duas semanas, os rapazes do Thunder estão com seis vitórias e uma derrota, tendo enfrentado nada menos que Golden State Warriors e San Antonio Spurs, os melhores times da temporada. Conseguiram uma vitória em Oakland e duas em San Antonio, cidades que, durante 82 partidas pelo campeonato, viram suas equipes saírem derrotadas de quadra em apenas três ocasiões.Vai dizer que não é uma surpresa?

>> Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa

Em termos, sim. Ninguém questiona o talento de Kevin Durant e Russell Westbrook. Na maioria dos confrontos, a equipe teria em quadra pelo menos dois dos três melhores jogadores. Com estes dois no elenco, deveriam ser incluídos obviamente em qualquer lista de candidatos ao título. O que pega é que, no início da campanha – ou até mesmo na chegada aos playoffs –, havia dúvidas quanto aos atletas que o cercavam. Além disso, havia a inconsistência, como o próprio Durant reclamava. Estamos falando ainda de um time que perdeu 27 vezes no campeonato, três a mais do que Warriors e Spurs juntos. Que não se colocou nem mesmo entre as 12 melhores defesas da liga. E que agora virou um rolo compressor.

Neste Jogo 3, eles somaram 16 roubos de bola e 8 tocos. Também venceram a disputa de rebotes por 56 a 40 (isso aqui está de acordo com o normal, por terem dominado a estatística durante toda a jornada). Isso joga muita pressão para cima dos oponentes e, assim como aconteceu com o Spurs, em determinados momentos parece que os jogadores do Warriors estão receosos de atacar, de buscar a cesta, intimidados. Podemos falar de um desgaste mental por parte de Golden State, que é dessas coisas muito difíceis de se quantificar. Mas não dá para tirar o papel de seus oponentes nessa equação. Neste vídeo do Coach Nick, do Basketball Breakdown, vemos alguns lances estranhos dos caras:

2) A aclimatação de Billy Donovan
No caso do Thunder, parece claro não estava planejado que isso acontecesse. Digo, não é que eles tenham entrado relaxados nos primeiros meses de campanha, confiantes de que, chegada a hora mais importante, elevariam seu jogo. Os caras nunca haviam ganhado nada para se permitir esse comportamento. Pelo contrário: se as coisas saíssem mal, isso poderia resultar na despedida de Durant – uma sombra que pairou pelo vestiário o tempo todo, aliás, e pode ajudar a explicar seus tropeços. Por melhor que fosse seu elenco, em uma situação de pressão dessas, o técnico Billy Donovan também não poderia se dar ao luxo, em seu ano de estreia na liga, de dosar esforços, poupar atletas e esconder o jogo para os playoffs. (O torcedor dos Gators, porém, pode argumentar que, entre os moleques, o técnico tinha a fama de fazer suas equipes crescerem nos mata-matas. Então vai saber.)

O fato de Donovan ser um, hã, calouro de NBA pode ajudar a entender esta ascensão, de todo modo. Bicampeão universitário, o técnico tem currículo que não pode ser questionado. Sob sua supervisão, o programa do Florida Gators enviou 19 atletas para a grande liga, sendo que dez ainda estão em atividade. Agora, entre o basquete universitário e o profissional, há uma grande diferença. Por isso, em seu estafe estão dois antigos “head coaches” como Maurice Cheeks e Monty Williams. Precisava de ajuda, mesmo, pois essa transição pede um ajuste para qualquer cabeça basqueteira, mesmo a de um vencedor como esse. E aí vale lembrar que, durante a campanha, Cheeks ficou longe por um mês e meio, devido a uma cirurgia no quadril, enquanto Williams se afastou do time depois de perder a mulher em um acidente de carro. Foi um período obviamente muito difícil, no qual um irmão de Dion Waiters e um dos proprietários do clube também morreram, mas no qual o poder de liderança do treinador se manifestou e se fortaleceu.

O treinador vem fazendo agora um trabalho excepcional contra os gigantes da liga e concorrentes formidáveis como Gregg Popovich e Steve Kerr. Peguem a situação de Enes Kanter, por exemplo. O pivô turco foi fundamental no triunfo sobre o Spurs e recebeu 26,3 minutos em média nas últimas três partidas da série, ajudando a equipe a dominar o garrafão. Contra o Warriors, o que Donovan decidiu? Optar por uma formação mais baixa (supostamente) e jogar menos com Kanter, que ficou apenas nove minutos em quadra nesta terça e está com média de 15,0 pela final de conferência. Está dando certo. A rotação também ficou mais enxuta. Nada de Nick Collison, Kyle Singler (inexplicável a queda de rendimento) e do calouro Cameron Payne, que ainda vai dar o que falar, mas não agora.

Donovan, ex-armador do Knicks, assume o controle em OKC

Donovan, ex-armador do Knicks, assume o controle em OKC

3) A “Escalação da Morte” do Warriors não está matando ninguém
Stephen Curry, Klay Thompson, Andre Iguodala, Harrison Barnes e Draymond Green. Vocês sabem, né? Esse quinteto sem pivôs tradicionais se tornou um terror para toda a liga. Nesta temporada, quando o Golden State usou essa formação, conseguiu um incrível saldo de 47,0 pontos por 100 posses de bola. Entre os quintetos que foram utilizados ao menos por 100 minutos, foi disparado o de melhor rendimento, superando, por sinal, outros dois do Warriors. Pois, nos últimos dois jogos em OKC, este time saiu com saldo negativo de 39 pontos em 19 minutos.

É aí que entra a redução no papel de Kanter, ou até mesmo de Steven Adams, que não passou dos 25 minutos pelos Jogos 3 e 4, depois de brilhar na abertura da série em Oakland. Em vez de marretar os campeões com um time mais alto, Donovan vem optando, com muito sucesso, por um quinteto mais flexível (mas que não pode nem a pau ser chamada de “baixa”), com Ibaka e Durant na linha de frente, acompanhados de Andre Roberson, Dion Waiters e Russell Westbrook. Juntos por 14 minutos nesta terça, eles fizeram um saldo de 26 pontos para os anfitriões, com parcial de 46 a 20. Se for para medir também por 100 posses de bola, essa escalação descoberta por Donovan tem vencido por 68,5 pontos (gah!). De novo: sessenta-e-oito-vírgula-cinco-pontos.

4) Draymond Green, caçando borboletas
Se a “Escalação da Morte” não está fazendo efeito, isso tem a ver com a efetividade de seus marcadores, mas também envolve seus próprios integrantes, que não estão produzindo conforme o esperado. Um deles é Draymond Green, que, ao final da partida, deu licença aos jornalistas que cobrem o time a criticá-lo sem dó. Que a coisa foi feia, mesmo. O líder emocional do Warriors até pegou 11 rebotes, mas terminou com o mesmo número de pontos e turnovers: seis. Também errou seis de seus sete arremessos.

Geralmente uma das figuras mais assertivas da NBA, dentro e fora de quadra, daqueles que nunca passa despercebido. Dessa vez ele foi notado desde o início por seus passes desgovernados e a indecisão em geral com a bola, num comportamento bastante estranho, de quem até parecia constrangido pelo fato de não ter sido suspenso após seu entrevero com Steven Adams. Nas duas derrotas em OKC, seu time teve um saldo negativo de 73 pontos nos minutos em que esteve em quadra. Algo totalmente bizarro para o jogador que, na temporada, liderou a liga em plus-minus, com 1.070 pontos de saldo. Pense nesse contraste. “No final das contas, sei que tenho de ir muito melhor no Jogo 5. É tudo ou nada. Trabalhamos muito para sermos eliminado desta forma. Não seria capaz de conviver comigo mesmo durante todo o verão se formos perder assim”, disse. Draymond vai lutar, vai se impor? Ele nos acostumou a isso. No momento, estão todos com dificuldade para entender a apatia da equipe. “Sou a fonte de energia desta equipe, e não tenho feito isso. Acho que nossa energia vai de acordo com a minha, e tenho sido horrível.”

5) Stephen Curry está bem, segundo Kerr. Mas, não
O MVP dos últimos dois campeonatos voltou de uma torção no joelho e deu um show em Portland. Depois, para igualar a série em Oakland, anotou 15 pontos em dois minutos do segundo quarto pelo Jogo 2, numa dessas exibições que não fazem o menor sentido. Então é difícil realmente apontar para sua contusão e dizer que o fraco desempenho nos últimos dois jogos seja resultado daquilo. Afinal, ele já teve seus momentos de brilhantismo nestes playoffs. Segundo Steve Kerr, o armador não está sentindo nada fisicamente. “Ele não está machucado. Está voltando depois do susto, mas não está lesionado. Ele teve apenas uma noite péssima. Acontece, mesmo para os melhores jogadores do mundo”, disse o técnico.

No geral, porém, percebe-se um Curry relativamente fora de sintonia, de acordo com o alto padrão apresentado nos últimos anos. O que mais chama a atenção é o elevado número de turnovers. Desde que retornou ao time, já foram 24 turnovers em seis partidas, ou quatro por jogo. Contra OKC, essa tem sido praticamente a mesma média em assistências (4,5). Depois, é só ver que ele acertou *apenas* 37,1% de seus arremessos de três e que, no geral, seu aproveitamento de quadra é de 41,9%, coisa para Allen Iverson. Nesta terça, ele matou apenas 2-10 de fora, e cinco de seus oito erros foram sem marcação. Não tem sido o melhor Curry contra uma defesa que está fazendo do seu melhor para atrapalhá-lo. Está difícil para agir em meio ao caos que os superatletas do Thunder causam, algo inesperado para um time que adora jogar em alta velocidade. Seus oponentes só são mais rápidos e fortes. O Warriors levou mais de 70 pontos em dois jogos seguidos, e essa hemorragia vem de momentos de descontrole dos atuais campeões, que não conseguiram 1) correr de modo organizado e 2) mudar o ritmo da partida. Isso fica sob responsabilidade de seu armador. “Tenho de melhorar nisso e entender o momento, as situações em que o jogo pode pender de um lado para o outro”, disse. “Nas últimas duas partidas, o jogo fugiu de nós. Muito disso fica sobre meus ombros.”

Pensando nisso, com Curry já pressionado no ataque, é estranha a decisão de Kerr de colocá-lo para marcar uma força da natureza como Westbrook. Por ora, o condutor do Thunder tem sobrado.

6) Andre Roberson não é mais um cone
Steve Kerr fez isso no ano passado com Tony Allen e estava preparadíssimo para repetir a estratégia contra o ala do Thunder: simplesmente ignorá-lo na defesa, para tentar usar cinco defensores contra quatro atacantes. Para quem não se lembra, foi o grande ajuste realizado pelo técnico na série contra o Memphis Grizzlies, colocando Andrew Bogut para ‘marcar’ Allen. Na verdade, o pivô ficava o mais distante possível do ala, ciente de que ele não representava ameaça nenhuma como chutador, ao passo que poderia congestionar o garrafão e oferecer mais resistência a Zach Randolph e Marc Gasol. Para alguém que acertou apenas 31,1% de seus arremessos de três na temporada, Roberson parecia um ótimo candidato a receber o mesmo tratamento. A diferença é que Draymond Green seria o hipotético marcador – na verdade, o ala-pivô ganhou liberdade total para flutuar pelo perímetro interno e tentar se intrometer entre os All-Stars do Thunder e a cesta.

Funcionou apenas no Jogo 2. Desde então, vem sendo uma furada, e a razão não é porque Wess e Durant são muito bons e não se atrapalham com uma dobra, tampouco pelo fato de Roberson ter acertado seis chutes em 11 tentativas na série (54,5% de aproveitamento, mas com volume muito baixo). O maior problema aqui foi a resposta que Donovan deu a essa ousada cartada de Kerr. Em vez de deixar seu titular estacionado na zona morta – como aconteceu contra o San Antonio, em série na qual ele estrangulou o ataque do time –, o técnico agora o envolveu mais no ataque, como verdadeira arma. Sinceramente, foi genial.

O SB Nation publicou um artigo que explica tudo em detalhes, com ótimos vídeos. Mas, basicamente, é o seguinte: o ala tem feito corta-luzes na cabeça do garrafão e mergulhado para ser acionado no pick-and-roll. Quando está do lado contrário, ele corta para a cesta pelo fundo, nas costas da defesa, toda concentrada no que Durant ou Wess vão fazer. O importante é que ele continue se movimentando e que seus companheiros estejam atentos para aproveitar as brechas. Roberson pode não ser um exímio atirador de longa distância, mas é atlético e rápido para ir para a cravada ou uma bandejinha. Fez 17 pontos, seu recorde pessoal, e ainda apanhou 12 rebotes  no Jogo 4, e Donovan se divertiu: “É engraçado. Depois do Jogo 2, as pessoas estavam perguntando se este cara iria até mesmo jogar no restante da série. Mas o Andre é um bom jogador, e acho que por vezes podem ignorar que ele faz jogadas vencedoras”. Aqui está o ala recebendo um passe de beisebol de Adams, sozinho debaixo da tabela:

7) A lobotomia de Dion Waiters
O ala-armador exigiu muita paciência de diretores, técnicos e jogadores em Cleveland. Até que chegou o momento em que ninguém aguentava mais, muito menos LeBron e Kyrie. O gerente geral David Griffin percebeu que precisava chacoalhar as coisas, que David Blatt precisava de reforços, e aí sobrou para o talentoso, mas problemático Waiters, que ainda despertava um pouco de interesse ao redor da liga. Antes tarde, do que nunca, para tirar algum lucro da quarta escolha do Draft de 2012.  O cara é talentoso. A questão sempre foi que ele entendesse quais seus limites em quadra e quem está ao seu redor. Aceitar um papel de coadjuvante sem resmungar pelos cantos, sem perder a intensidade, mantendo uma postura positiva em quadra.

O Thunder já conta com dois cestinhas fantásticos. Ao lado de Durant e Westbrook (como era o caso com o Big 3 de Cleveland…), uma terceira opção ofensiva não precisa carregar muita carga, mas tem de saber o momento certo de atacar e criar. Depois de muito custo, com uma temporada regular nada impressionante, Waiters encontrou seu espaço nestes playoffs. Na defesa, está combatendo quem quer que lhe caiba, depois de pegar gosto pela coisa em sua batalha com Manu Ginóbili. No ataque, parou de forçar a mão, arremessando com eficiência (46,2% de três) e, mais positivo ainda, tem feito a bola girar, dando 3,3 assistências por partida, contra apenas 1,0 turnover.

Essa produção de Waiters, confesso, não estava nas minhas contas. Jamais imaginaria vê-lo render mais que Shaun Livingston na série, por exemplo. Com ele e Roberson desempenhando papéis além da conta, Donovan viu sua rotação se fortalecer para fazer frente a dois timaços. Só KD e Wess não dariam conta.

***Receba notícias de basquete pelo Whatsapp***
Quer receber notícias de basquete no seu celular sem pagar nada? 1) adicione este número à agenda do seu telefone: +55 11 99006-9654 (não esqueça do “+55”); 2) envie uma mensagem para este número por WhatsApp, escrevendo só: oscar87


OKC atropela Warriors. Tudo dentro da normalidade?
Comentários Comente

Giancarlo Giampietro

Chega uma hora em que a graça acaba

Chega uma hora em que a graça acaba

Em público, aconteceu em todos os níveis:

– No banco, os titulares do Golden State Warriors davam risada sabe-se lá do quê.

– Enquanto isso, em sua conta no Twitter, a assessoria de imprensa do time nos informava sobre recordes pessoais de Ira Clark e Brandon Rush no quarto período.

– Pouco depois, já com o placar definido em 133 a 105 definido a favor do Oklahoma City Thunder, Steve Kerr usava seu hilário tom sarcástico para dizer que, com um pouquinho mais de sorte, seu time poderia ter vencido.

Depois de sofrer a pior derrota desta fase mágica, os atuais campeões deram a entender que encaravam a surra levada pelo Jogo 3 da final do Oeste com a maior naturalidade possível. Se foi forçado, ou não, só eles vão saber dizer, intimamente. Como equipe que já se viu nesta situação antes, normal que tenham reagido desta maneira. Até para não deixar seu perigoso oponente ainda mais confiante.

Nesta temporada, o Warriors ainda não perdeu duas partidas consecutivas. Mais: no ano passado, contra Memphis e Cleveland, o time também esteve atrás do placar geral da série por 2 a 1, só para sacar tudo sobre seu adversário, vencer os próximos três jogos e fechar ambas as séries rumo ao título. Além do mais, bastará que superem OKC por meio ponto de diferença para que empatem tudo e recuperem a vantagem do mando de quadra.

>> Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa

Agora, em nenhum momento destes confrontos do ano passado, eles levaram uma pancada destas, a mais severa que este núcleo já tomou. Em números, a derrota para o Portland Trail Blazers por 32 pontos, em fevereiro, foi maior. Mas, pois então: era fevereiro, na volta do All-Star. Quem se importa com isso na última semana de maio? Nem Damian Lillard.

O que interessa para Steve Kerr é tentar entender o que aconteceu em quadra a partir da marca de 8min10s do segundo período, quando os times estavam empatados por 40 a 40. Nos próximos 20 minutos, OKC venceria por 77 a 40, chegando ao final do terceiro quarto com 117 a 80. Russell Westbrook e Kevin Durant não precisariam jogar mais, e por isso os 28 pontos finais nem valem para nada. Em 36 minutos, a vantagem era de 37 pontos, algo inacreditável. Né, Waiters? “Nem tinha me tocado do que estava acontecendo no placar. Vocêf fica tão envolvido com o jogo. A atmosfera estava incrível. Cara, isso é uma loucura. Nem sabia”, afirmou o ala reserva. Os 117 pontos foram a terceira maior quantia de um jogo de playoffs em 36 minutos, após os 124 feitos pelo Milwaukee contra o Philadelphia em 1970 e os 120 do Dallas contra o Seattle (antigo OKC) em 1987. É coisa para rever o jogo com mais paciência nesta segunda-feira e voltar aqui para explicar melhor. A defesa do time reagiu muito bem a essa formação, caprichando nas trocas, por exemplo, sendo que no ataque não houve problema de espaçamento pelo fato de Roberson não estar ao lado de Adams.

Em 81 posses de bola nos três primeiros quartos, os donos da casa tiveram um índice ofensivo de 144 (uma projeção de 144 pontos por 100 posses, no caso; para dimensionar isso, basta saber que o índice do Warriors pela temporada regular foi de 112,5). No terceiro período especificamente, foram 45 pontos em 26 posses. Índice ofensivo de 173 pontos.

O pior, para Kerr, será constatar que esse placar todo foi construído com Andre Roberson em quadra. O homem que sua defesa supostamente deveria ignorar para se concentrar em gente como Durant e Wess, sabe? Com o ala e os dois astros acompanhados por Dion Waiters e Serge Ibaka, o saldo do Thunder foi de 30 pontos. Diante desses caras, veja como ficou o saldo dos principais integrantes da chamada escalação da morte de Golden State:

Que paulada. Isso é um problema enorme para se resolver,  pois como você certamente já reparou, nem Steven Adams, nem Enes Kanter foram mencionados no trecho acima. O que quer dizer que OKC levou a melhor com uma formação mais baixa, algo inesperado no tabuleiro desta série, depois do que haviam feito contra San Antonio e contra o próprio Warriors pelo Jogo 1 da série. Billy Donovan e seus atletas vão mostrando suas diversas facetas.

Tudo fica bem mais fácil de funcionar quando Durant e Westbrook fazem seu melhor simultaneamente, claro. Em três quartos, eles tinham 63 pontos, 16 rebotes e 14 assistências juntos, com 20 arremessos certos em 34. Dos 117 pontos do time, eles haviam participado de 83 direta ou indiretamente, com cestas e assistências.

O desempenho de Westbrook, aliás, é uma tremenda notícia para Donovan. Se no terceiro período do Jogo 1, o armador foi preponderante para a vitória, no geral, contra este Warriors, o mais normal foi vê-lo amassar o aro. Em oito partidas contra o time dirigido por Kerr até este domingo, segundo levantamento do setorista Ethan Sherwood Strauss, do ESPN.com, ele havia convertido apenas 34% de seus arremessos (61-180).

Se já não fosse dor-de-cabeça demais, Kerr e sua comissão técnica ainda vão precisar esperar pela decisão do comitê disciplinar da liga quanto a Draymond Green, que, enfim, cedeu às tentações de agredir Steven Adams. Ou pelo menos é isso que diretoria, torcida e o pivô do Thunder vão tentar vender após, digamos, o pé do All-Star atingir as partes baixas do neozelandês. Uma falta flagrante foi marcada. “Já havia acontecido antes, cara. Ele é bastante preciso”, disse Adams. Esta imagem:

A enrascada e armadilha maior aqui é que a NBA acabou de suspender Dahntay Jones, o 15o homem da rotação do Cavs, por lance teoricamente parecido contra Bismack Biyombo, no sábado. Vai depender da interpretação, claro, além do aspecto político, inevitável. Uma coisa é dar um gancho em um veterano que nem deveria ter saído da D-League este ano. Outra é num dos melhores jogadores da atualidade.

O técnico do Warriors diz que nem pensa em eventual punição, completando ainda que o certo seria até anular a falta flagrante. Da sua parte, ainda em missão diplomática, Draymond afirmou que à procura de Adams após a partida para pedir desculpas e dizer que não havia sido intencional. Se for suspenso, será o maior toco que o pivô neozelandês poderia ter dado em sua controversa e jovem carreira.

Assim, foi um jogo de impacto, independentemente da condição de Green. O Warriors vai realmente se empenhar em dizer que está tudo bem, conforme seu poder de reação sugere. Passado o furacão, ou melhor, o trovão, vai poder lembrar, inclusive, que o Jogo 2 foi 118 a 91 a seu favor, e que nem faz tanto tempo assim, mesmo para quem vive intensamente o ciclo de 60 segundos por minuto de notícias.

Ah, só para não deixar passar batido: Clark e Rush conseguiram suas melhores marcas de rebotes pelos playoffs, com, respectivamente, sete e quatro cada. Está registrado.

***Receba notícias de basquete pelo Whatsapp***
Quer receber notícias de basquete no seu celular sem pagar nada? 1) adicione este número à agenda do seu telefone: +55 11 99006-9654 (não esqueça do “+55”); 2) envie uma mensagem para este número por WhatsApp, escrevendo só: oscar87


Campanha sem Curry mostra várias razões que tornam o Warriors especial
Comentários Comente

Giancarlo Giampietro

Klay Thompson, estrelando "Prenda-me Se for Capaz"

Klay Thompson, estrelando “Prenda-Me Se for Capaz”

Pode tirar o asterisco, vai, depois do que o Golden State Warriors fez nesta madrugada contra o Portland Trail Blazers. Para quem dormiu mais cedo achando que já era, para quem não checou o Twitter, o HoopsHype, o ESPN.com, ou qualquer outra fonte factual, foi o seguinte: os atuais campeões entraram no quarto final com desvantagem de 11 pontos, a maior que encarou por estes playoffs em três parciais — no primeiro tempo, o déficit chegou a 17; daí que venceu o restante da partida por 22 pontos de diferença (34 a 12) para triunfar por 110 a 99. Foi o melhor saldo no quarto período de um jogo do mata-mata desde 1987. Apenas outros dois times haviam entrado no quarto com um déficit de dígitos duplos e terminaram com uma folga sob as mesmas condições. O segundo desses times? O Houston Rockets, contra o Clippers, pelas semis do Oeste no ano passado. Sim, aquela virada incrível, com -12 ao fim de três períodos e saldo de +13 para colocar seu adversário em choque.

Tá. Sensacional, né?

Tudo isso, sem Stephen Curry.

O que não quer dizer, de modo nenhum, que Curry não faça diferença, como tenho certeza que muitos críticos persistentes ao armador gostarão de apontar como argumento para desvalorizar o que o MVP da liga fez pelos últimos dois campeonatos. Curry é parte integral do sucesso do Warriors. Mas o que a gente aprende, ou deveria aprender, com o passar dos jogos e dos dias, é tentar não simplificar tudo. O Warriors não era um timaço só porque tinha Curry, nem Curry é irrelevante só porque o Warriors segue um timaço durante a sua ausência — até porque, por mais que esteja enfrentando um Blazers que é muito mais forte, hoje, que o Rockets, mas não é um candidato ao título. Para além do desfecho tranquilo da primeira fase, nestes dois primeiros jogos pelas semifinais, em especial nestes 12 minutos demolidores, o que a equipe de Steve Kerr nos mostra são as diversas partes que, somadas, a tornam especial.

>> Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa

Peguem, por exemplo, Klay Thompson. Depois de acertar sete bolas de longa distância em suas últimas três partidas, decepcionou pelo Jogo 2 em Oakland: matou apenas cinco. Ele foi novamente o cestinha, com 27 pontos no total, em 20 arremessos. Não foi a jornada mais eficiente de sua carreira, mas não ouse falar isso para ele ou levantar a questão como algo importante.  Pois é um pouquinho complicado ficar o tempo todo marcando o melhor jogador do adversário (esse tal de Damian Lillard) e, do outro, ter a obrigação de, se não carregar, produzir muito para fomentar um ataque que está carente de seu melhor armador. Sem Curry, as defesas se concentram mais no ala, claro. Ainda assim, ele está se virando muito bem, obrigado. Sua cotação na NBA só sobe, enquanto Kerr e Jerry West se sentem cada vez mais felizes com o veto a uma possível troca por Kevin Love dois anos atrás.

Não dá mais para falar só de sua mecânica extremamente rápida. É preciso valorizar o quanto ele se desloca no ataque, de um lado para o outro da quadra, para a frente e para trás, buscando os corta-luzes ferozes de seus grandalhões, que abrem linhas de passe que, um segundo antes, não estavam apresentadas, nem sugeridas. Incansável, como neste vídeo abaixo. O Coach Nick, do Basketball Breakdow (conta obrigatória para as jornadas de NBA), dá uma cornetada em Maurice Harkless, mas seu clipe em flash não mostra o tanto que o jovem ala do Blazers teve de se movimentar para acompanhá-lo durante o quarto período. Chega uma hora que você se perde, mesmo, ou que quer abreviar a maratona e tentar um bote infeliz:

(E Harkless havia marcado Thompson muito bem no primeiro tempo, sendo um dos grandes responsáveis para que o ala tenha desperdiçado 13 de seus 20 arremessos. Era um belo ajuste de Terry Stotts, que não poderia mais conviver com a ideia de ver o gatilho abusar de Lillard ou CJ McCollum, e que colocou Portland em situação tão favorável ao final de três períodos.)

E quem faz o passe para Klay matar? Draymond Green, claro, com uma de suas sete assistências. E, sim, ele foi o armador do time durante a virada, por mais que, na escalação oficial, Shaun Livingston recebesse tal denominação. O ala-pivô-armador-faz-tudo soma agora, em duas partidas da série, 40 pontos, 27 rebotes e 18 assistências. Nos últimos dez anos, apenas LeBron James e Blake Griffin, justamente pelo último playoff, conseguiram esse tipo de soma.

Green ficou todos os 12 minutos do quarto final em quadra. O cara talvez se sentisse endividado com os companheiros, depois de um primeiro tempo, hã, tímido — se é que esse termo pode ser associado a uma figuraça, que é a mais abusada da NBA hoje e, ainda assim, só não vem para o #Rio2016 se não quiser. Ou talvez Steve Kerr soubesse que não poderia tirá-lo de jeito nenhum, mesmo. Pois o cara se tornou um monstro de jogador, para surpresa geral. “Assisti a VÁRIOS jogos de Draymond na universidade. Achava que haveria um lugar para ele na liga. Mas não pensava que ele iria CRIAR um lugar só dele”, observou o repórter Vincent Goodwill, repórter nativo de Detroit e cobriu o basquete local por muito tempo, incluindo Michigan State, antes de se mudar para Chicago. Ele é um jogador único, mesmo:

Mas não vamos ficar aqui falando de mais individualidades como a dupla de All-Stars do Warriors quando dizemos que o time não é feito só de Steph Curry. Na verdade, é a combinação desses diversos talentos que funciona. Colocando na conta a presença física e inteligente de Andrew Bogut perto da tabela, os ganchinhos hoje aparentemente imarcáveis de Shaun Livingston, a ameaça que Harrison Barnes representa como chutador do lado contrário, o combate e versatilidade de Andre Iguodala etc. E, ainda assim, a soma de todas essas habilidades dá tão certo assim porque Steve Kerr soube criar um sistema para aproveitá-las ao máximo. Num ataque mais estático, apostando em isolamento, Thompson seria tão efetivo? Green teria espaço para infiltrar vindo de trás da linha de três pontos?

Mais: não fosse o controle de minutos mais rígido que o Warriors pratica durante a temporada regular, Thompson, com 33,3 minutos, teria condições para correr tanto no ataque e ao mesmo tempo pressionar um cara como Lillard do outro lado? O mesmo raciocínio vale para Draymond Green, que jogou um pouquinho mais (34,7 minutos, o líder da equipe nesse quesito). Andre Iguodala, que, aos 32 anos, é o mais velho dos jogadores fixos na rotação, se beneficiou ainda mais, limitado a apenas 26,6 minutos por partida. Estão todos descansados, ou relativamente descansados para assimilar mais responsabilidades enquanto Curry não retorna. Para os machões de plantão que acham que o controle de minutos não influencia nada nos mata-matas, é só perguntar a Popovich, Duncan, Ginóbili e Parker o que eles pensam disso. Acho que o Spurs até que foi bem nos últimos anos ao adotar esse tipo de estratégia, né?

Curry, retorno pode esperar

Curry, retorno pode esperar

Com pernas e confiança bem elevada, o Warriors promoveu uma blitz para cima do Blazers no quarto final do Jogo 2, com uma defesa realmente assustadora. No quarto período, os visitantes tiveram o mesmo número de turnovers e cestas de quadra: cinco. “Pensar em buscar uma virada sem Steph é diferente. Tivemos de contar com nossa marcação”, disse Kerr. Isso só mostra mais uma vez que tem muito mais do que um ataque potente. Para virar o placar, na real, eles contaram com sua defesa, que foi a quarta mais eficiente da temporada, empatada com a do Celtics e a do Clippers. Na temporada passada, eles haviam sustentado a melhor defesa da liga também — não custa repetir essa informação aqui, pois ainda há muita gente que pensa que o sucesso do time se deve apenas a sua artilharia exterior. (Aliás, em noite em que acertou apenas 33,3% de seus arremessos de fora, levando 15 pontos de prejuízo na comparação com o Blazers, a equipe venceu o jogo pontuando no garrafão, área em que fez exatamente o dobro do oponente: 56 a 28).

Quem via o jogo poderia até estranhar o que Mason Plumlee estava fazendo tanto com a bola em mãos, desperdiçando a bola sem parar, seja em desarmes em ataques ao garrafão, ou tomando algumas raquetadas na hora de buscar a cesta: foram seis turnovers para ele em toda a partida e três tocos sofridos. Não é que Mason P tenha ficado maluco. (Mason P?! Sim, uma licença poética, tá? Imaginemos todos os irmãos Plumlee como MCs. Miles P. Mason P. E Marshall P, o caçula.) O Plumlee de Portland até pode dar assistências em movimento contra um time desprevenido — tem 5,5 em oito partidas destes playoffs e é o líder da equipe, acreditem. Acontece que dessa vez o Warriors estava preparado pressioná-lo, forçando o adversário a jogar com seu pivô, tirando a bola das mãos de Lillard com sucesso.

No terceiro período, a estrela do Blazers havia anotado 17 pontos, com quatro bolas de três em cinco tentativas. Para tanto, foi fundamental a substituição de Andrew Bogut por Festus Ezeli, em vez de Anderson Varejão, registre-se — o pivô brasileiro ainda não se encontrou no time. O gigante australiano não tem condições de se manter à frente de um armador no perímetro, quando o oponente força a troca da marcação com um corta-luz (algo que Plumlee faz muito bem, registre-se). Ezeli, também imenso ao seu modo, tem mais agilidade no deslocamento lateral e conseguiu impedir ações rápidas de Lillard, até que Klay Thompson também se aproximasse para fazer o abafa. Deu muito certo. Depois de voltar de um breve descanso, o armador não conseguiu mais pontuar. Saiu zerado naquela parcial, tendo tentado apenas três arremessos.

Mason P penou no segundo tempo contra o Warriors

Mason P penou no segundo tempo contra o Warriors

Ezeli, que topou defender a Nigéria no #Rio2016, só foi substituído a 3min16s do final, quando Warriors já havia assumido a liderança (98 a 95). Harrison Barnes veio para o seu lugar e se juntou a Livingston, Thompson, Iguodala e Green. Esse é o Kerr controlando sua rotação perfeitamente, e estava formada, então, uma versão alternativa da “escalação da morte” dos atuais campeões, e aí virou espanco, como diria o chapa Maurício Bonato, aumentando a intensidade defensiva. Foi estonteante até. O Portland, tão bem dirigido por Terry Stotts e guiado em quadra por dois armadores excepcionais, mal conseguia completar suas jogadas.

Ao completar a virada, o Golden State pode, de certa forma, ficar um pouco mais relaxado. Por ter defendido seu mando de quadra e para impedir um ganho de confiança de um time jovem e perigoso. Pensando mais longe, porém, o mais importante é o reflexo que a vitória tem para tirar pressão de Steph Curry e do departamento médico. Não há porque apressar seu retorno. O Jogo 3 será apenas no sábado, mas sua presença não se faz mais tão urgente assim na série. Segunda-feira, para o Jogo 4? De novo: só ele estiver totalmente liberado. Para lesões de ligamento no joelho, cautela e preparação nunca é demais. O retrospecto histórico dos playoffs mostra que o time que tenha vencido os dois primeiros jogos em casa avançou em 94% das vezes. Dependendo do desempenho em Portland, então, sem menosprezar o Blazers, o Warriors poderia até mesmo se dar ao luxo de guardar seu MVP para as finais da conferência. Eles ganharam, em quadra, esse direito.

***Receba notícias de basquete pelo Whatsapp***
Quer receber notícias de basquete no seu celular sem pagar nada? 1) adicione este número à agenda do seu telefone: +55 11 99006-9654 (não esqueça do “+55”); 2) envie uma mensagem para este número por WhatsApp, escrevendo só: oscar87


Lesão de Curry: não é o pior dos cenários, mas aflige o Warriors
Comentários Comente

Giancarlo Giampietro

curry-warriors-injury-houston

Pegue aí qualquer uma dessas frases prontas, de efeito, que você provavelmente ouviu primeiro de seu avô, do coordenador pedagógico do ginásio ou no balcão da padaria, enquanto o sanduba não sai da chapa: “A vida é injusta”, “nada dura para sempre”, “na vida, você tem de brigar por aquilo que é seu”, e por aí vamos.

Quando um jogador como Stephen Curry se lesiona, talvez seja o caso de se apegar a este tipo de mensagem, mesmo, já que “a vida não pode parar”. Depois de escorregar em quadra em Houston e torcer o joelho, o MVP da temporada 2015-16 da NBA foi submetido a uma ressonância magnética nesta segunda-feira, e o diagnóstico tem efeito, no mínimo, ambíguo. Não foi o pior dos cenários para o Golden State Warriors. Mas foi o suficiente para ameaçar seriamente a campanha rumo ao bicampeonato. O que deu? Uma distensão no ligamento colateral medial do joelho direito, que liga o osso da coxa ao da canela. Como foi de primeiro grau, isso geralmente significa que houve dano mínimo a algumas fibras do ligamento — a de terceiro grau significaria a ruptura total. Você em geral nem sente dor quando se aperta, mas há inchaço e incômodo, uma falta de estabilidade. Haja compressa de gelo, almofada, anti-inflamatório e afins.

De acordo com o anúncio oficial, estima-se que Curry precise de aproximadamente de duas semanas para ser reavaliado. Uma pessoa se recupera em ritmo diferente da outra, mas é preciso cuidado, para que o jogador não volte de modo precoce às quadras, com o risco de sofrer algum dano permanente. Zeloso do jeito que o Golden State Warriors é, difícil que aconteça, mesmo que numa situação de angústia e pressão como essa. Ainda mais quando estamos falando de uma figura transcendental como Steph. A NBA não vai encerrar suas atividades em junho. Por outro lado, existe a vontade do jogador, que não quer virar as costas para seus “irmãos”, que acredita que qualquer lesão é superável e que talvez até mesmo dependa dessa autoconfiança para atingir o nível que atingiu, depois de duas cirurgias de tornozelo. Complicado julgar qualquer coisa, mas a cautela, quando o assunto é saúde, parece sempre o melhor caminho, mesmo que o duelo sorte x azar sempre esteja por aí, não importando o quão competente é o seu departamento de basquete.

>> Não sai do Facebook? Curta a página do 21 lá
>> Bombardeio no Twitter? Também tou nessa

Alheios, de momento, a essas questões, o gerente geral Bob Myers, o técnico Steve Kerr e cada membro do estafe e do elenco obviamente torcem para que sua reabilitação seja rápida. Também há toda uma estrutura e um orgulho dentro da franquia para que isso não vire uma enorme distração ou uma desculpa. Agora, claro, quanto mais demorar a série entre o Los Angeles Clippers e o Portland Trail Blazers, melhor. Embora ninguém vá dizer isso em público, Jogo 7 no confronto é o que há, para Golden State.

Dois All-Stars, pré-convocados para o Team USA, com bom retrospecto como dupla na temporada regular. Mas serão testados

Dois All-Stars, pré-convocados para o Team USA, com bom retrospecto como dupla na temporada regular, quando Curry esteve fora. Mas serão testados para valer nas próximas semanas

De qualquer forma, para muitos dos jogadores do Warriors, esse infeliz deslize de Curry representa mais uma oportunidade para provarem seu valor, de tanto que se sentiram desrespeitados antes de o campeonato começar. Não pensem que Draymond Green não está martelando esse conceito na cabeça de seus companheiros, a cada intervalo de treino ou de análise de análise de vídeo. Eles têm mais dois All-Stars, afinal, para assumir mais responsabilidades, e um elenco de apoio que se alternou em diversos momentos salvadores desde 2014. E muito mais:

– Andre Iguodala não vai poder mais ser um sexto homem de luxo, marcando o principal jogador adversário sabendo que vai respirar no ataque. No domingo, contra Houston, já deu uma espécie de resposta, anotando 22 pontos, 5 rebotes e 4 assistências, convertendo 9 de 11 arremessos. Mas, de novo, era o Rockets do outro lado, com um esforço patético. Em abril, voltando após 13 jogos, anotou, no total,  19 pontos no total, em cinco jogos. Durante a temporada, chegou aos 20 pontos em apenas três rodadas. A questão não é exatamente pontuar, mas também criar para os companheiros. “Play-making” geral.

– Shaun Livingston terá sua eficiência testada, com maior volume de jogo e mais atenção de defensores mais gabaritados que os de segunda unidade que se acostumou a encarar. Nestes playoffs, já vem com média de 9,5 arremessos por confronto, quase o dobro dos 4,9 que teve pela temporada, e segue com aproveitamento altíssimo (52,6% — de novo, contra o Rockets).

– Draymond Green também vai ter de operar muitas vezes com o condutor primário de bola, dessa vez sem a distração que Curry representa. Conseguirá ser um passador tão eficaz assim se as linhas estiverem mais congestionadas, ou se seu drible for atacado mais vezes por marcação dupla? Sem contar a energia que obrigatoriamente gasta do outro lado, algo necessário mesmo diante do Houston, para segurar um cara do porte físico de Dwight Howard.

– Klay Thompson não vai poder se contentar apenas com os chutes de fora. Também vai precisar botar a bola no chão e atacar as defesas. Tentar, no mínimo, sacudi-las, desequilibrá-las, e, para tanto, vai contar com a ajuda de um sistema que flui por conta própria, mesmo, com a bola girando rapidamente e sucessivos corta-luzes.

– Harrison Barnes poderia provar que, no ataque, é mais do que um chutador do lado contrário? Dois anos atrás, sob o comando de Mark Jackson, quando era acionado em diversas situações de isolamento, não deu muito certo. Conseguiu expandir seus movimentos, ou simplesmente curte a vida com a rebarba dos Splash Brothers?

Para os pivôs, não dá para pedir muito mais do que executam hoje. Bogut e Ezeli estão limitados a cestas de rebote ofensivo, mesmo, ou eventuais assistências na cara da cesta. Marreese Speights oferece chute, mas precisa de espaço para encaçapar. Vindo do banco, Leandrinho ainda pode produzir por conta própria em situações específicas, mais do que Ian Clark, mas o americano vem ganhando espaço com Kerr e tem sido ligeiramente mais eficiente.

Há números que apontam que o Warriors se saiu bem — muito bem, na verdade — nos  minutos que teve Draymond e Thompson em quadra, com Curry fora. Mas é muito complicado mergulhar nestes números. É trabalho para um analista muito mais capacitado e experiente no assunto, como Kevin Pelton, do ESPN.com. Foram 6,3 pontos por 100 posses de bola para esse tipo de combinação. Para comparar, isso é mais do que o Cavs conseguiu pela temporada regular e quase se equivale ao rendimento de OKC. O problema: estamos falando de 296 minutos, o que dá coisa de 6 jogos. Antes disso, mais importante é que aconteceu em temporada regular, algo totalmente diferente de um cenário de playoffs, com jogadores, jogadas e sistemas dissecados por cada vasta comissão técnica. Por fim, nem sempre eles estavam enfrentando os melhores quintetos adversários.

Um escorregão

Um escorregão

Também não dá para fazer muito mais drama. Está certo que é difícil encontrar paralelos com o drama que Golden State vive agora, já que estamos tratando do atual bi-MVP, o símbolo da franquia e de uma revolução, que acabou de concluir uma das campanhas mais espetaculares da história da franquia. Sim, Curry é tudo isso, e não há como, racionalmente, ser do contra aqui. Mas esta lesão acaba sendo só mais uma lista muito longa de desfalques na pior hora possível. Aqui está uma relação de dez casos do tipo, passando pela quase trágica ruptura de ligamento que Derrick Rose sofreu em 2012, numa série supostamente fácil, molezinha contra Philly, assim como é a do Warriors contra o Rockets hoje. Não precisa nem recuar tanto no tempo assim. O mesmo Warriors enfrentou um Cavs todo desfalcado no ano passado – ainda que não haja como comparar Curry com Irving e Love… Seria o mesmo que o Cavs ir para a final com estes dois (valendo por Draymond e Klay, em tese), mas sem LeBron.

 Agora, antes de qualquer outra coisa, os atuais campeões precisam eliminar o Rockets nesta quarta-feira. Houve quem sugerisse que o próprio time pudesse prolongar sua série. Praticantes do lunatismo, claro, por diversos motivos, sendo os principais deles a mera possibilidade de se abrir uma porta para James Harden e o desgaste desnecessário de Draymond, Klay e demais titulares. Além do mais, se estiverem na pior, um retorno de Curry, a essa altura, não é garantia de que ele possa salvar a equipe — como bem observou Tim Grover, “trainer” de Jordan, Kobe e Wade –, é possível que o armador volte, mas muito longe de sua forma ideal. “Na recuperação de Curry, o condicionamento físico vai importar porque seu jogo passa muito pela rápida mudança de direção. Uma fraqueza no tornozelo também pode ser um fator”, afirmou.

Não deixa de ser curiosa a espera, para ver como este timaço vai se comportar sem o melhor jogador do campeonato. Por mais cruel que seja escrever isto, também não deixa de ser irônico, depois que o proprietário do clube, Joe Lacob, teve a infeliz ideia de dizer à revista do New York Times que sua gestão estava “anos-luz à frente” da concorrência em termos de estrutura e estilo de jogo. Num perfil bastante elogioso, em que se gaba de muitas coisas, Lacob chegou muito perto de dizer que Curry seria um mero detalhe para o sucesso do time, algo que não pegou bem com o jogador, claro. Arrependido, o magnata se mexeu e, antes mesmo da publicação de grande reportagem, entrou em contato com o superastro para tentar se explicar. Agora, sua tese vai ser testada.

Nessa linha de colocações infelizes e eventualmente irônicas, também lembramos o que Doc Rivers disse no ano passado ao avaliar o título do Warriors. Basicamente, disse que eles haviam tido muita “sorte” não só por terem evitado lesões como por terem visto sua chave de playoff se enfraquecer sensivelmente devido à eliminação precoce dos times que mais os ameaçavam — como se a virada vexatória que o Clippers tomou Rockets fosse um acidente, e, não, incompetência de sua parte. Agora, desde que façam sua parte contra Portland, em uma série que não está nada definida, este núcleo terá uma boa chance para justificar parte da lógica de seu técnico-presidente. Do contrário, com uma hipotética derrota nesse ainda hipotético confronto num hipotético cenário sem Curry, reclamariam, chorariam do quê?

Aqui, a ideia não é censurar a liberdade de expressão e defender aquilo que é de mais extremo e chato dentro do universo politicamente correto. Acontece que, numa liga tão competitiva e exigente como a NBA, há momentos em que você deve medir suas palavras. Quem sabe a melhor saída não é apelar ao ditado popular da vez, do tipo: “A vida é longa. Nunca se sabe o dia de amanhã”?

: )

E vida que segue.

***Receba notícias de basquete pelo Whatsapp***
Quer receber notícias de basquete no seu celular sem pagar nada? 1) adicione este número à agenda do seu telefone: +55 (11) 99006-9654 (não esqueça do “+55”); 2) envie uma mensagem para este número por WhatsApp, escrevendo só: oscar87